conecte-se conosco


Entretenimento

Kleber Mendonça Filho pode pagar R$ 2,2 milhões ao Governo por “O Som ao Redor”

Publicado

A Secretaria Especial da Cultura negou o último dos três recursos do cineasta Kleber Mendonça Filho, referentes airregularidades na captação do filme “O som ao redor” (2012) .

Leia também: Ancine cobra verba de “O Som ao Redor”; diretor vê punição injusta


Kleber Mendonça Filho
Reprodução

Kleber Mendonça Filho pode ter que pagar uma grande quantia ao Governo, mas antes pode recorrer ao TCU


A produtora do diretor Kleber Mendonça Filho , a Cinemascópio Produções Cinematográficas e Artísticas, terá 30 dias após a notificação para devolver R$ 2,2 milhões aos cofres públicos.

Mendonça Filho pode, a partir de agora, recorrer ao Tribunal de Contas da União (TCU). Caso também perca nesta esfera e não pague o valor solicitado, a produtora vai ficar impossibilitada de participar de editais e programas de incentivos ligados ao Ministério da Cidadania, ao qual percente a secretaria.

A primeira notificação desse caso foi entregue à Cinemascópio em março de 2018 pelo extinto Ministério da Cultura (MinC). O argumento era de que “O som ao redor” excedeu o limite de R$ 1,3 milhão de um edital destinado a produções de baixo orçamento.

Leia mais:  A difícil missão de julgar está no centro da ação de “Um Ato de Esperança”

Leia também: Wagner Moura e artistas se solidarizam com polêmica de “O Som ao Redor”

“O som ao redor” acabou captando, no total, R$ 1,7 milhão, com R$ 410 mil provenientes de um edital do Governo de Pernambuco. O valor que precisa ser devolvido saltou para R$ 2,2 milhões por causa de juros e atualização monetária.

À época do imbróglio, Mendonça Filho justificou o orçamento excedente de ” O som ao redor ” lembrando que toda produção audiovisual está sujeita a imprevistos que não podem ser totalmente definidos na elaboração do projeto. Afirmou também que o novo valor foi autorizado pela Agência Nacional do Cinema (Ancine), após comunicação com a Secretaria do Audiovisual (SAV).

Leia também: Kleber Mendonça Filho vai disputar Palma de Ouro em Cannes por ‘Bacurau’

O novo filme de Kleber Mendonça Filho , “Bacurau”, foi selecionado nesta quinta-feira para disputar a Palma de Ouro , em Cannes (14 a 25 de maio). Procurado, o diretor ainda não respondeu à reportagem.

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Filósofo esloveno vê antifeminismo em desfecho de Daenerys em “Game of Thrones”

Publicado

por

Slavoj Žižek, prestigiado filósofo esloveno, aproveitou o final de “Game of Thrones” para fazer uma crítica reflexiva, em sua Coluna no Blog Boi Tempo , sobre a última temporada da série e deixou claro a insatisfação, principalmente, com o desfecho de Daenerys (Emilia Clarke).

Leia também: George R. R. Martin fala sobre desfecho da série de livros de “Game of Thrones”


Game of Thrones
Divulgação

Daenerys em “Game of Thrones”

O pensador ressalta que a indignação pelo fim decepcionante de ” Game of Thrones ” é além do enredo ruim, mas também pela psicologia ruim, que transforma a personagem de  Emilia Clarke em Rainha Louca e, segundo ele, não se justifica em termos da trajetória da personagem.

Leia também: Os problemas com Bran, o quebrado, como Rei ao fim de “Game of Thrones”

filósofo  diz ainda que os espectadores insatisfeitos têm um problema com embate do conflito interno entre Daenerys e os Stark. “Ela combina a rejeição de uma transformação radical com um velho tema antifeminista verificado nas obras de Hegel, Schelling e Wagner”, escreve ele. 

Leia mais:  A difícil missão de julgar está no centro da ação de “Um Ato de Esperança”

Slavoj ainda fez questão de criticar a postura que foi dada a personagem em seu diálogo com Jon Snow (Kit Harington). Segundo ele, o ponto mais baixo do diálogo é o momento em que a Mãe dos Dragões diz a Jon que se ele não consegue amá-la enquanto rainha, que reinaria o medo, classificando como um arquétipo embaraçosamente vulgar da mulher sexualmente insatisfeita que explode em fúria destrutiva.

Insatisfeito com o desfecho da personagem, principalmente com as explosões assassinas dela, ele reflete que tais ações são justificáveis quando o enredo é escrito por dois homens. “Rainha tresloucada é rigorosamente uma fantasia masculina”, garante Žižek.

Leia também: Como fica o hábito de ver séries depois do fim de “Game of Thrones”?

Ele ainda faz uma ponte entre Cersei (Lena Headey) e Daenerys, observando que, na série, ainda que a boa vença, o poder corrompe a mulher. Slavoj ainda cita o desaparecimento de Arya (Maisie Williams) e a permanência de Sansa (Sophie Turner), concluindo que marginalização das mulheres é um momento chave da lição liberal-conservadora geral do último episódio de ” Game of Thrones “.

Leia mais:  Veruska Seibel,esposa de Ricardo Boechat, divulga vídeo inédito do marido

Fonte: IG Delas
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana