conecte-se conosco


Sem categoria

Justiça vê ganhos ilegais de R$ 3,8 milhões e interdita cartório no interior de MT

Publicado

O juiz Arom Olímpio Pereira, da Comarca de Barra do Bugres (164,3 Km de Cuiabá), determinou a interdição do 1º Serviço Notarial e Registral da cidade após a tabeliã interina Myrna Ribeiro Sales não recolher o excedente ao teto remuneratório e ter arrecadado, entre julho de 2017 e janeiro deste ano, o montante de R$ 3,8 milhões. Além da remuneração acima do permitido, a tabeliã ainda foi apontada por diversas outras irregularidades.

A decisão é do dia 4 de fevereiro. “Diante do caso apregoado e da perfunctória menção de que os empregados da Serventia estejam realizando indicações de profissionais, conforme esposado no tópico anterior, anote-se que não é caso de destituição tão somente da tabeliã interina Myrna Ribeiro Sales, mas também de seu substituto, Jakson Henrique Sales Sandri, eis que é filho da tabeliã interina”, decidiu.

Além do afastamento, o magistrado também determinou que Myrna faça o recolhimento dos valores que ultrapassam o teto constitucional. De acordo com a decisão, no segundo semestre de 2017, a tabeliã arrecadou R$ 1.241.995,29. Já no período de janeiro de 2018 a janeiro de 2019, Myrna arrecadou o montante de R$ 2.593.509,66.

Acontece que o serviço notarial, no que tange ao salário, está ligado ao teto constitucional brasileiro, impedindo que seus profissionais recebam mais que o salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). “Assim, dada obrigatoriedade do recolhimento do excedente ao teto remuneratório de 90,25% do subsídio dos ministros do STF, percebe-se que a denúncia levada a este Juízo relata a desídia da tabeliã interina no cumprimento da obrigação ou a demonstração de não obrigatoriedade de fazê-lo, mesmo diante das várias solicitações de esclarecimentos tomadas seja pelo juiz diretor do Foro ou pela própria Corregedoria deste Tribunal”, fundamentou.

Leia mais:  ALMT e Ampa entregam equipamentos de proteção para o combate ao coronavírus

Os autos apontam que, desde que Myrna assumiu o posto, no lugar de sua mãe, a tabeliã titular Elza Ribeiro Sales, já falecida, o Cartório do 1º Ofício de Barra do Bugres não tem preenchido os balanços mensais, conforme previsão legal. “Informa que o Cartório do 1º Ofício de Barra do Bugres não preencheu os balanços mensais de agosto a dezembro do ano de 2015, bem como dos anos de 2016, 2017 e 2018, salientando-se que a ausência da prestação de informações iniciou-se no mesmo período em que a tabeliã interina fora designada para a função”, diz trecho dos autos.

REGULARIZAÇÕES ILEGAIS

Myrna também foi apontada por integrar um esquema de regularização de áreas por meio de usucapião – quando um pessoa ganha direito à terra ou imóvel em decorrência da utilização por tempo contínuo – extraordinário. Além de Myrna, integrariam o esquema o advogado Hamilton Ferreira da Silva Júnior, o técnico em Agrimensura, Ivo Borges, a escrevente Fernanda da Costa Ribeiro e a tabeliã do Cartório do Segundo Ofício de Denise, Maria Ione Cardoso de Morais Fagundes. “Descreve que estes procedem da seguinte maneira: os interessados que comparecem ao 1º Serviço Notarial e Registral da Comarca de Barra do Bugres em busca de informações sobre como efetuar a usucapião extrajudicial são orientados pela escrevente Fernanda da Costa Ribeiro ou pela tabeliã Myrna Ribeiro Sales a procurarem o advogado Hamilton Ferreira da Silva Junior ou Ivo Borges para realizar o processo no prazo de 60 dias, e, após as atas notariais para atestar a posse estão sendo todas encaminhadas para a lavratura no Cartório do Segundo Ofício do Município de Denise-MT de responsabilidade da tabeliã Maria Ione Cardoso de Morais Fagundes”, descreve.

Leia mais:  AL prepara votação em 2ª sobre o empréstimo dolarizado

Consta também no documento que as pessoas conhecedoras dos fatos se recusam a testemunhar por terem medo de Myrna e de seu esposo, Marlon Oliveira dos Santos, que atualmente cumpre pena no regime semiaberto pelos crimes de roubo qualificado e associação criminosa. Contudo, sobre o assunto, o magistrado ponderou ser necessária a produção de provas antes de tomar qualquer juízo de julgamento.

Ao fundamentar sua decisão de afastar a tabeliã interina, o magistrado resgatou e citou que ela e o espólio de sua mãe respondem, na esfera cível, uma ação por não recolhimento do ISSQN (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza) entre os anos de 2009 e 2014, no montante de R$ 1.267.236,41. “Diante dos fatos delineados anteriormente, tem-se ainda que a tabeliã Myrna Ribeiro Sales, além de não estar realizando suas funções de maneira fidedigna, não recolheu o imposto municipal no período, situação já verificada por intermédio deo Ofício Circular n. 47/2017/Gab/CGJ, no qual a Corregedoria do Tribunal de Justiça solicitou à Diretoria de Foro de Barra do Bugres-MT, certidão negativa dos últimos cinco anos a fim de possibilitar o controle interno do referido tributo na forma prevista em lei, bem como afastar eventual ocorrência de inadimplência, o que no presente caso, restou configurado, em evidente sonegação fiscal”, citou.

No lugar de Myrna, foi designada para assumir o cartório Niuara Ribeiro Roberto Borges.

Por: TARLEY CARVALHO/ Folhamax

Comentários Facebook
publicidade

Sem categoria

Suspeito de tráfico de drogas oferece suborno aos policiais para tentar ser liberado

Publicado

por

Policiais militares do 10º Batalhão prenderam na noite desta segunda-feira (29.06), um homem por tráfico de droga e tentativa de suborno, no bairro Porto, na capital.

Conforme o boletim de ocorrência, os policiais já estavam no encalço de um homem em uma motocicleta Yamaha XTZ 150 azul, que estaria vendendo droga na região.

Uma denúncia apontou que o denunciado estaria no estacionamento de um hipermercado. No local, o suspeito foi identificado e correu a pé ao ver a viatura, mas foi contido. Ele carregava uma porção de maconha, dinheiro e uma máquina de cartão.

Durante sua imobilização, o homem ofereceu aos militares R$ 5 mil para ser liberado. Disse que o dinheiro estaria na casa da sua namorada, no bairro Jardim Marajoara I, em Várzea Grande.

Os policiais foram até o imóvel apontado e encontraram a mulher descrita como namorada, mas nada de ilícito foi localizado.

Comentários Facebook
Leia mais:  Quem é Maurício Valeixo, braço direito de Moro e exonerado por Bolsonaro do comando da PF
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana