conecte-se conosco


Política

Juruena decreta lockdown nesta terça-feira

Publicado

Município de Juruena (880 km a noroeste de Cuiabá) vai decretar fechamento total das atividades comerciais – ou lockdown – nesta terça-feira (23). A cidade é a primeira de Mato Grosso a adotar a medida após a segunda onda da covid-19.

O decreto ocorre pelo crescimento de novas infecções e óbitos pela doença, além do esgotamento dos leitos nos hospitais na região. Esta não é a primeira vez que Juruena decreta o lockdown. Em julho de 2020, o município também fechou o comércio, junto com Cuiabá e outras cidades mato-grossenses.

De acordo com o prefeito Manoel Garça Branca (DEM), o decreto será editado ainda nesta segunda-feira (22), mas anunciando oficialmente na terça-feira, para que a população se prepare. O único estabelecimento que funcionará é farmácia. Os outros, incluindo mercados e postos de combustíveis, serão fechados.

 

Leia também – Aos 103, cuiabana recebe vacina contra a covid em casa e família comemora

“Temos que avisar a população para se organizarem, na questão de comida e essas coisas. Tem muita gente desprevenida, mas depois a gente fecha”, afirmou.

Leia mais:  Deputado cobra revitalização de estrada em região produtiva do Araguaia

Ainda de acordo com o gestor, os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Hospital Municipal de Juruena estão lotados. Ao todo, eles possuem 3 UTIs, para uma população de 16.335 pessoas, segundo censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2020.

“É uma situação crítica para  a gente resolver nesse momento. Precisamos mandar forças para os profissionais [da saúde] do município, mas precisamos da ajuda de vocês”, lamentou, se referindo à imprensa.

Somente no domingo (21), conforme o boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), uma mulher de 79 anos morreu em decorrência da covid-19 no município.

A pasta ainda informou que, até o dia 20 de janeiro, Juruena recebeu o total de 146 doses da vacina contra o novo coronavírus.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Após denúncia de falsa aplicação, MPMT quer que municípios guardem frascos vazios de vacina

Publicado

Para evitar possíveis desvios de estoque de vacinas contra a Covid-19, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT) recomendou aos municípios de Cuiabá e Rondonópolis que adotem o controle de frascos após o esvaziamento das doses e confiram a quantidade de unidades antes do descarte

No documento, os promotores de Justiça destacam a importância da adoção de medidas para evitar irregularidades não só na organização do estoque, mas também em relação à aplicação dos frascos da vacina.

“A sugestão apresentada é para que sejam definidos protocolos de transparência na aplicação das vacinas contra a Covid-19, nos quais o usuário possa verificar a entrada e saída do imunizante, com a dose em seu interior antes da aplicação e vazia após sua inserção”, destacou o MPMT.

Na terça-feira (23), uma família de Cuiabá, denunciou que o idoso Benedito Barros Santiago, 88 anos, não teria sido realmente vacinado. O momento da imunização foi gravado e compartilhado nas redes sociais. Entretanto, conforme os familiares quando a agulha é retirada do braço do idoso, o líquido ou parte dele continuou na seringa.

Leia mais:  Deputados vão à Justiça para anular tramitação do projeto que reinstitui incentivos fiscais

De acordo com a fotógrafa Jakeline Zaiden, parente de Benedito, ele teria sido vacinado em 12 de fevereiro no Centro de Eventos do Pantanal.

“Duas amigas me disseram para olhar novamente o vídeo alertando que ele não teria sido vacinado. Enquanto eu aguardava os 15 minutos para ver se não tinha contrarreação, eu vi que foi algo bem rápido e não foi completo. Eu falei com outros profissionais de saúde e me disseram que não foi aplicado”, disse a mulher em entrevista à TV Centro América.

Jakeline ressaltou que devido às dúvidas, a família decidiu procurar o MPMT.

Por meio de nota, a Prefeitura de Cuiabá informou que as imagens foram encaminhadas às autoridades policiais competentes para análise e perícia. Conforme a pasta, a decisão foi tomada para que não haja o risco de se cometer uma injustiça com os profissionais de Saúde envolvidos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana