conecte-se conosco


Entretenimento

Instagram proíbe conteúdo que promova a terapia de conversão sexual

Publicado

O Instagram proibirá qualquer conteúdo que promova terapia de conversão depois que ativistas pediram que ela impedisse os provedores de anunciar seus serviços online. A plataforma de mídia social informou a decisão à CNN na sexta-feira (10).

A mídia social, de propriedade do Facebook, disse que expandiria suas políticas existentes sobre discurso de ódio em todo o mundo para incluir na política postagens que anunciam ou promovem a prática.

A terapia de conversão ou terapia de reorientação sexual, um processo pseudocientífico que professa mudar a sexualidade de uma pessoa, é amplamente desacreditada e condenada como prejudicial pelas principais associações médicas. Mesmo assim, ela é legal na maior parte do mundo, inclusive nos Estados Unidos e no Reino Unido.

A ação do Instagram segue os apelos dos usuários para remover uma conta usada pelo Core Issues Trust, um serviço de terapia de conversão com sede no Reino Unido.

“Não permitimos ataques contra pessoas com base em orientação sexual ou identidade de gênero e estamos atualizando nossas políticas para proibir a promoção de serviços de terapia de conversão”, afirmou Tara Hopkins, diretora de políticas públicas do Instagram para Europa, Oriente Médio e África, em um comunicado.

Leia mais:  Gianecchini comemora nova novela ao lado de Juliana Paes: “vocês vão shippar?”

“Removemos o conteúdo violador do perfil @coreissuestrusttv. Estamos sempre revisando nossas políticas e continuaremos a consultar especialistas e pessoas com experiências pessoais para informar nossa abordagem”, acrescentou.

Além disso, a plataforma deixará de recomendar conteúdo relacionado à terapia de conversão, como depoimentos sobre sua eficácia ou postagens com elogio ou apoio à prática, exceto aqueles em um contexto legislativo.

No início deste ano, o Instagram proibiu anúncios pagos desse tipo de serviço.

Terapia de conversão é qualquer tentativa de alterar a orientação sexual ou a identidade de gênero de alguém. Não funciona, e estudos mostram que aqueles que se sujeitam a ela correm um risco maior de depressão e suicídio.

Vários estados dos EUA o proibiram e, em maio, a Alemanha se tornou um dos primeiros países grandes a proibi-la para menores de idade.

No Reino Unido, uma proibição total prometida pela ex-primeira-ministra Theresa May em 2018 ainda não se concretizou e não foi incluída em nenhuma das agendas legislativas do primeiro-ministro Boris Johnson.

O Facebook e o Twitter não responderam imediatamente a perguntas sobre suas políticas.

Leia mais:  Regina Duarte completa 73 anos e Susana Vieira parabeniza a atriz

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Ameaçado, Felipe Neto tira a mãe do País, aciona polícia e cancela evento

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Ator da Globo é pego na Lei Seca e tem carteira apreendida

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana