conecte-se conosco


Política

Indicações pedem melhorias para escolas em Canarana e Paranatinga

Publicado

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Preocupado com as instalações de algumas escolas de Mato Grosso e buscando promover condições dignas aos estudantes, com a finalidade de melhorar o desempenho dos alunos, o deputado Paulo Araújo (PP) apresentou na sessão vespertina desta última quarta-feira (13), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), três indicações, que visam a melhoria da infraestrutura dessas instituições.

O parlamentar indicou à secretária de Educação, Marioneide Angélica, a necessidade de construção de uma nova sede para Escola 31 de março, localizada em Canarana, (distante 831 km de Cuiabá).  A solicitação foi requerida por uma comitiva de vereadores formada por Gilmar de Almeida, Claudir Sonemann, Ederson Porsch, Emmanuel Magni, Jeremias Rodrigues Laudemiro Vieira, Moacir Ataide, Paulo Goncalves, Pedro Teixeira, Rafael Govari e Robson Barbosa.

O vereador Gilmar de Almeida informou que atualmente as condições são precárias e que as aulas estão sendo ministradas em contêineres, que já se encontram deterioradas. “Os estudantes estão ficando alojados no galpão, a meu ver, desprestigia o aprendizado e a saúde mental dos estudantes e profissionais”, observou Gilmar.

Leia mais:  Assembleia realiza audiência em Juara para debater regularização fundiária

Paranatinga – As outras duas indicações são para a Escola Estadual Indígena Kurã Bakairi, Aldeia Pakuera (Central), situada no município de Paranatinga, a primeira é a construção de uma quadra escolar coberta e a segunda indicação é a reforma da referida escola.

O deputado ressaltou que boas condições de estrutura influenciam muito numa boa educação. “A educação é essencial para todos e um local adequado é de suma importância para um bom aprendizado”, concluiu o deputado.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política

Santa Casa: o único caminho é a intervenção

Publicado

por

OPINIÃO
Misael Galvão
Funcionando há 202 anos, a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá é, mais do que parte importante da história da nossa cidade, referência no atendimento aos cuiabanos e a pessoas de muitos municípios de Mato Grosso. Seu funcionamento assegura a milhares de cidadãos e cidadãs mato-grossenses, todos os meses, atendimento de qualidade o que, em muitos casos, representa uma nova chance de vida aos pacientes. Este motivo, por si só, justifica uma intervenção estatal na unidade, o que já deveria ter acontecido.
Desde quando os problemas da unidade foram descobertos pelos vereadores, a Câmara Municipal tem cumprindo seu papel constitucional, buscado conhecer a realidade da unidade e trabalhado na busca por formas de dar respostas à população e aos colaboradores, que há meses não recebem seus salários e, nem por isso, se furtaram de cumprir sua missão e dar atendimento e dignidade aos pacientes.
A Câmara levantou a bandeira e promovemos uma série de ações e reuniões. Ouvimos sindicatos, a antiga direção, a atual direção, médicos, colaboradores, o Poder Público, o Conselho de Saúde e a população – e a cada diálogo aberto temos ainda mais certeza de que a intervenção é imprescindível para que a gestão do hospital passe por ajustes que façam com que a unidade se torne sustentável e mantenha suas portas abertas e leitos disponíveis aos pacientes.
Mas esta intervenção não pode ser tocada unicamente pelo Executivo Municipal, instigado pela Câmara de Vereadores. É preciso que haja a participação das demais autoridades como o Ministério Público, Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça, Governo do Estado, Governo Federal, Assembleia Legislativa, Bancada Federal, além de outros órgãos. A Santa Casa não é de uma pessoa só ela é do povo cuiabano, do povo mato-grossense e precisa ser reaberta sem cor partidária. Temos que pensar no povo que precisa da saúde e não pode esperar nenhum minuto.
Já está claro mesmo que a Santa Casa receba mais recursos, não seria o suficiente para que o hospital se reerguesse e voltasse a viver seus dias de glórias. É preciso mais do que isso, é preciso que haja uma mudança radical na administração do hospital, revisão de processos, gerenciamento efetivo de custos e a busca por outras fontes de financiamento. É isso que nós, os 25 vereadores da Câmara Municipal de Cuiabá defendemos.
É inegável que a crise que atingiu e atinge o Poder Público em todo o país teve impacto direto nos hospitais filantrópicos. Mas é certo também que é preciso apurar exatamente o que levou o hospital, tão tradicional, a esta situação. Tudo isso pode ser analisado e medido sem que as portas da Santa Casa estejam fechadas, sem que a população, que já sofre diversos problemas em busca de atendimento na saúde pública, seja mais uma vez penalizada. Isso seria plenamente possível com a união de gestores e órgãos de controle e a intervenção imediata na unidade. A Saúde não pode esperar, o povo não pode esperar.
Nesta quarta-feira, vamos em comitiva para Brasília (DF) atrás desses recursos, mas de nada adiantará se não houver a intervenção. Com a soma das forças dos diversos órgãos públicos, essa intervenção pode ocorrer. A Santa Casa de portas abertas, sem cor partidária. Precisamos da intervenção, já!
Misael Galvão é do PSB e presidente da Câmara Municipal de Cuiabá

Leia mais:  Prazo para renúncia da verba indenizatória é de 5 dias

Imprimir Voltar Compartilhar:  

Fonte: Câmara de Cuiabá
Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana