conecte-se conosco


Educação

Houve ‘Erro’ na correção da segunda prova do Enem 2019, diz ministro da Educação

Publicado

Por Elida Oliveira, G1

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou na manhã deste sábado (17) que foram encontradas “inconsistências na contabilização e correção da segunda prova do Enem do ano passado”, referindo-se ao Exame Nacional do Ensino Médio, de 2019.

Segundo Weintraub, o erro atingiu “alguma coisa como 0,1%” dos candidatos que prestaram o exame. Já Alexandre Lopes, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela prova, afirma que a falha “não vai chegar nem a 9 mil pessoas”.

Sisu está mantido, diz presidente do Inep após ‘inconsistências’ na correção da prova do Enem 2019
De acordo com o Inep, 3.935.237 pessoas fizeram o Enem 2019 em 3 e 10 de novembro – 72,81% dos 5.095.388 inscritos.

“Nós encontramos inconsistências na contabilização e correção da segunda prova do Enem do ano passado. Um grupo muito pequeno de pessoas teve o gabarito trocado quando foram fechados os envelopes. Uma inconsistência fácil de ser consertada. Estamos falando de alguma coisa como 0,1% das pessoas que fizeram, dos milhões [que prestaram a prova]” – Abraham Weintraub, ministro da Educação
O ministro afirmou que o erro está sendo corrigido.

“Apesar de estatisticamente [os participantes afetados] não serem significativos, individualmente não pode haver injustiça como essa. A gente está corrigindo e até segunda-feira será resolvido”, afirmou.
A abertura da inscrição do Sistema de Seleção Unificado (Sisu), que permite aos estudantes concorrerem a vagas em universidades federais pelo país com a nota do Enem, está com o cronograma mantido, segundo Lopes. O prazo vai de terça (21) a sexta (24).

Leia mais:  CCJ analisa 135 processos que homenageia os 300 anos de Cuiabá

O Inep criou um email para os candidatos que se sentirem prejudicados enviarem suas dúvidas, diz Lopes. O endereço é [email protected]

Quantas pessoas foram afetadas?

Durante entrevista à imprensa, Alexandre Lopes afirmou que ainda não está claro quantas pessoas foram afetadas porque o sistema ainda está identificando as falhas.

Ele chegou a dizer que as inconsistências não chegariam a afetar 1% dos participantes – o que daria 39 mil pessoas. Depois afirmou que o número de prejudicados deve ser menor.

“Achamos inconsistências em um arquivo da gráfica com diversos nomes”, diz. “Achamos que não vai chegar nem a 9 mil pessoas” – estima Alexandre Lopes, presidente do Inep.
Concretamente, segundo Lopes, já foi identificado o erro em quatro provas de candidatos de Viçosa (MG). Ele admite, no entanto, que a falha pode estar presente em outros estados.

Como ocorreu a falha
O presidente do Inep admitiu que a falha foi da gráfica.

As provas do Enem são divididas por cores e a correção do gabarito é feita conforme essa classificação. Segundo Lopes, o erro ocorreu na associação do arquivo do aluno e a cor da prova.

“Alguns arquivos vieram com erro na associação entre o aluno e a cor da prova. Aluno fez prova cinza e veio informação de que fez a prova amarela. Ao rodar a correção, saiu resultado diferente”, afirmou.

Leia mais:  Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

Inep diz que não houve ‘crime’
Alexandre Lopes afirmou que não houve crime.

“Comparar atuação criminosa com erro é diferente”, afirma. “Não tenho argumentos ou informações suficientes para dizer o que gerou esse tipo de inconsistência. Fazer ilações sobre capacidade técnica de algum parceiro seria leviano”, afirma Lopes.

Sisu está mantido
Lopes afirmou que a abertura do período de inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) está mantida.

O sistema permite ao candidato escolher uma universidade pública federal em qualquer lugar do país, com base na nota do Enem.

O Sisu abrirá as inscrições na terça-feira (21) e encerrará o processo às 23h59 de sexta-feira (24). Os resultados saem em 28 de janeiro.

Sisu 2020: veja dicas para inscrição na seleção do primeiro semestre,
Teoria de Resposta ao Item
Assim que as notas individuais do Enem 2019 foram divulgadas na manhã desta sexta-feira (17), relatos de avaliações diferentes entre candidatos que tiveram o mesmo número de acertos ou notas próximas a zero com número alto de acertos começaram a aparecer nas redes sociais.

O Inep chegou a enviar uma nota à TV Globo informando como as notas são calculadas de acordo com a Teoria de Resposta ao Item (TRI). De acordo com o Inep, a metodologia avalia se o estudante acertou as questões fáceis e difíceis ou só as difíceis, por exemplo.

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Rondonópolis sai na frente e já tem Escola Militar

Publicado

por

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso realizou, na noite de segunda-feira (17), em Rondonópolis (217 km de Cuiabá), sessão solene com o objetivo de homenagear com concessão de moções de aplausos personalidades civis e militares que prestam trabalho junto à Escola Militar Tiradentes PM Major Ernestino Veríssimo da Silva. A unidade escolar é resultado de uma parceria entre a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e a Polícia Militar de Mato Grosso, com apoio das igrejas católica Salesiana e evangélica Assembleia de Deus.

O diretor da escola, tenente-coronel PM Kleber Franklin de Lima , lembrou que a escola militar “busca oferecer excelência no ensino, além de transmitir valores morais, disciplina, amizade, respeito à família e à pátria e incentivo ao esporte”. Sobre a possível rigidez curricular em face ao atendimento a jovens, o militar disse que “é feito todo um trabalho diferenciado, no qual os alunos e as famílias recebem orientação técnica para que busquem um futuro promissor e se comprometam com as ações que possam levá-los a alcançar essa meta. Além de profissionais que ofertem um trabalho qualificado à sociedade, queremos formar homens que sejam bons filhos, bons pais e cidadãos de bem na sociedade”, explicou.

O deputado Sebastião Rezende fez um relato histórico da luta pela implantação da Escola Tiradentes em Rondonópolis e citou que as tratativas foram iniciadas em 2016, com a realização de uma audiência pública que ouviu a população em seu anseio de receber a escola militar. Depois, em 2017, se decidiu pela escola e foi dado início à busca por um local adequado. Pensou-se em fazer no centro de Rondonópolis, mas depois, com a inviabilidade, o parlamentar buscou ajuda das igrejas.

Leia mais:  Mato Grosso alcança maior faturamento do agro no Brasil

O padre Danillo, do Oratório Dom Bosco (localizado no bairro Jardim Universitário), então cedeu parte do espaço do oratório, e membros da igreja Assembleia de Deus, através da Fundação Shalom, fizeram a adaptação do local. “Foi uma união de esforços para que a Escola Tiradentes se concretizasse e por isso, hoje, prestamos essa homenagem aos que fizeram e fazem a escola funcionar’, reconheceu Rezende.

O aluno Pedro Henrique Corteli, do 1º ano A do ensino médio, disse: “Fui incentivado por meus pais e não achava que ia ser tão bom. Eu sempre quis ser engenheiro e aqui descobri que posso me preparar para cursar o Instituto Tecnológico de Aeronáutica [ITA], que é uma das melhores escolas de engenharia. Então superou minhas expectativas”.

A aluna Ingrid Rafaela Peres de Almeida, do 9º ano, também se surpreendeu. Ela pretende cursar direito, ser advogada, não quer seguir a carreira militar, mas acredita que a escola militar vai lhe ensinar a ter melhor conduta e fazer melhores escolhas na vida. Ingrid também veio para a escola por incentivo dos pais, mas agora quer ficar e diz com firmeza que “quando cheguei aqui era pelo sonhos dos meus pais, mas agora fico por mim, estou sendo melhor nos estudos e na vida’.

Leia mais:  Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

Já Cintia Jaqueline Botton, que é mãe da aluna Giovanna Botton, de 13 anos, está muito satisfeita com o ingresso da filha na escola. Segundo ela, a filha “amadureceu, continua a mesma filha, mas agora pensando no futuro profissional”. Cintia considera que a escola militar tem um diferencial das civis em face da relação professor-aluno.

“Nas demais escolas estaduais, parece que os alunos perderam o respeito pelos professores e aqui não, como acontecia antes nas demais escola, aqui o professor ainda é visto como um aliado forte que vai ajudar o aluno a ter um futuro promissor”, explicou.

Mato Grosso conta com escolas militares em oito cidades, sendo sete comandadas pela PM , localizadas nos municípios de Cuiabá, Confresa, Juara, Sorriso, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Rondonópolis, e uma do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, em Alta Floresta. Essas unidades de Mato Grosso estão no ranking dos colégios públicos com melhores índices de desempenho, segundo dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2017, divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana