conecte-se conosco


Polícia

Homem que matou ex-mulher em motel confessa crime e alega legítima defesa

Publicado

Assessoria | PJC-MT

O suspeito de matar a ex-companheira em um motel na semana passada foi preso na noite de terça-feira (30), enquanto rondava a igreja Nossa Senhora do Carmo, em Várzea Grande, logo após o término da missa de sétimo dia em memória da vítima.

A prisão de Laurinei Ferreira de Souza, 36, foi efetuada por equipe da Polícia Militar que o encaminhou à Central de Flagrantes de Várzea Grande. Na unidade, o suspeito foi autuado por ameaça, no contexto da Lei Maria da Penha, após representação de familiares que reconheceram o suspeito nas imediações da igreja.

O homicídio, ocorrido em 24 de outubro que vitimou Bianela Mylla Dias da Silva, 30, é investigado pela Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), sob coordenação da delegada Jannira Laranjeira que deslocou com equipe para proceder interrogatório após a prisão do suspeito na tarde de terça-feira (30).

Em depoimento Laurinei confessou o crime. O investigado disse que a ex-companheira aceitou conversar com ele no motel, que mantiveram relação sexual, mas que ao final a mulher disse que não teria reconciliação e queria a separação.

Leia mais:  PRF apreende mais de 800 m³ de madeira ilegal em Mato Grosso

Ainda de acordo com a versão de Laurinei, Bianella teria visualizado a faca que ele levou para o local e partiu para cima dele, momento em que segundo o suspeito teria reagido golpeando o pescoço da vítima. Em seguida outros golpes de faca se seguiram.

Laurinei afirmou ainda que desde o dia 24 de outubro estava foragido em região de mata, no bairro Jardim Esmeralda.

Segundo a delegada Jannira Laranjeira, o suspeito será indiciado ainda nesta quarta-feira (31) por feminicídio, também foi oficializado o descumprimento de medida protetiva contra familiares da vítima e realizada representação pela prisão preventiva de Laurinei.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Delegados de Mato Grosso ganham o maior salário do Brasil

Publicado

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) mostrou que os delegados de Mato Grosso são os que ganham o maior salário da categoria no país. O salário mensal de um delegado da Polícia Civil no estado é de R$ 24,5 mil.

Enquanto o salário dos delegados de Mato Grosso é o maior do país, o vencimento de escrivães e investigadores – as outras carreiras da Polícia Civil-, está bem longe do primeiro lugar.

Para os escrivães, profissionais responsáveis pelo registro de ocorrências e pela documentação das investigações, o salário é de R$ 5,5 mil, o 11º no ranking brasileiro.

Já para os investigadores, policiais que coletam provas sobre os crimes, localizam e interrogam suspeitos e mantém a segurança dos locais de investigação, o vencimento inicial é de R$ 5,5 mil, o 9º maior na comparação com o mesmo cargo em outros estados.

Dados da Polícia Civil mostram que no quarto trimestre de 2020 havia 400 cargos para delegados, porém, 158 estavam vagos. Já para escrivão de polícia, são 1,2 mil vagas, mas só 2.056 ocupados. E para investigador são 4 mil vagas, com 1.944 cargos vagos.

Leia mais:  PRF prende homem com mandado de prisão em Água Boa/MT

Por ser uma carreira típica de Estado, ou seja, que não podem ser substituída por profissional contratado, os cargos da Polícia Civil só podem ser ocupados através de concurso público. No entanto, para conseguir benefícios com o governo federal durante a crise, o Estado se comprometeu a não criar novos gastos até 2022, o que incluem os concursos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana