conecte-se conosco


Cidades

Guias locais podem se cadastrar para operar no Parque Serra Azul; diz governo

Publicado

Os profissionais de turismo podem se cadastrar junto à Sema para acompanhar turistas em visita ao Parque Estadual

Os guias de turismo que residem em Barra do Garças, Pontal do Araguaia e Aragarças (GO) podem solicitar o credenciamento junto à Gerência Regional do Parque Estadual da Serra Azul para atuar na Unidade de Conservação. O profissional poderá acompanhar turistas no Centro de Atendimento ao Visitante, Discoporto, Mirante do Cristo e Trilha das Cachoeiras. O cadastro deve ser feito até o dia 07 de março.

Para se cadastrar, o profissional deve protocolar junto à Sema, em Barra do Garças, requerimento padrão preenchido e anexar cópia da Carteira de Identidade (ou documento aceito para identificação), CPF, documento que ateste a condição de Guia de Turismo e comprovante de residência em Barra do Garças, Pontal do Araguaia ou Aragarças-GO. Para ter acesso ao parque, será exigida Carteira Nacional de Habilitação ao condutor e o veículo deverá estar com documentação e itens de segurança em dia.

Leia mais:  Senado aprova fim de carência de planos de saúde para emergência

Os veículos usados por guias de turismo e seus clientes não serão incluídos na cota diária de 30 carros, porém, devem observar os horários de funcionamento da Guarita Principal, das 07h às 17h exceto às terças-feiras, dias de Parque fechado para manutenção e folga da equipe.

De acordo com a gerência do Parque Serra Azul, o acesso à gruta dos Pezinhos será permitido após a autorização pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Sobre o Parque

O Parque Estadual Serra Azul é importante refúgio para grande número de espécies da fauna e flora do cerrado. A Unidade de Conservação foi criada atendendo forte apelo popular que possui grande envolvimento com a área desde a década de 50. Dentro do Parque, estão diversos córregos como Avoadeira, Peixinho, Pitomba e Ínsula.

Dentre os atrativos, está a Trilha das Cachoeiras pelo bioma Cerrado. Com percurso estimado de 2,35 Km, o turista tem a opção de seguir na trilha contracorrente do Córrego Voadora ou na direção normal do fluxo da água. Aos que desejarem subir, a entrada será via Clube da Usina e via Pé da Serra.

Leia mais:  Senado aprova texto e histórico pode agravar pena por crime ambiental

O parque também é um local para que os devotos de Jesus Cristo possam expressar a admiração. Peregrinos percorrem os 1.204 degraus da “escadaria da fé” rumo ao mirante do Cristo Redentor, que também oferece vista para as cidades e rios Garças e Araguaia.

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Prefeitos pedem cassação de deputado por mentir sobre Covid em MT

Publicado

por

A Associação Mato-grossense dos Municípios, protocolou nesta segunda-feira (13), em nome de todos os prefeitos, uma representação contra o deputado estadual, Silvio Antônio Fávero (PSL). Em discurso, na tribuna da Assembleia Legislativa, no último dia 29 de junho, o parlamentar afirmou que cada prefeito de Mato Grosso, recebe o valor de R$ 19 mil por cada morte atestada pela Covid-19.

A representação é fruto do repúdio e indignação ao pronunciamento do deputado, que ainda afirmou: ‘os prefeitos estavam deixando as pessoas morrerem, bem como, “manipulando a causa morte” para poder receber os recursos do Governo Federal’. O presidente da AMM, Neurilan Fraga, informou que foi encaminhado ao presidente da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, um documento solicitando a instauração de processo disciplinar, por quebra de decôro parlamentar, mediante  o comportamento inadequado com os gestores municipais. A representação segue para o Corregedor da Comissão de Ética Parlamentar. “O deputado foi longe demais, ao dizer inverdades, imputando falso crime à imagem dos prefeitos, induzindo a população a acreditar que os gestores estão tirando proveito da situação, deixando pessoas morrerem para depois receber o repasse financeiro da União. Isto é um absurdo”, disse Fraga.

Leia mais:  Prefeitura avança com o ordenamento do Centro Histórico

Na tribuna, o parlamentar disse ainda: “que ninguém morre mais de nada, ninguém morre de câncer e que não existe mais doença no Brasil. A única é a Covid”. As declarações do deputado sobre recebimento e recursos por cada morte, foram desmentidas pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado de saúde. “É inconcebível que um deputado, sob o manto da “inviolabilidade dos seus atos, possa utilizar a tribuna com manifestações inverídicas, para difamar e caluniar os prefeitos de  Mato Grosso, não contribuindo em nada com a crise que estão vivenciando com a pandemia” destacou o presidente da AMM.

“Esta não é a atitude esperada pelo prefeitos, de um deputado, que poderia utilizar não só a tribuna, mas o próprio mandato para, pleitear recursos tanto do Governo Federal como do Estadual, para auxiliar a população, principalmente agora, que estamos com quase 100% dos leitos das UTIS ocupadas. Ao invés de proferir inverdades, ele poderia se mobilizar com a bancada federal para trazer para Mato Grosso, mais equipamentos para a saúde e  hospitais de campanha, que foram desarmados nos  outros Estados”, argumentou.

Na opinião do presidente da AMM, da mesma forma, que um deputado possui “imunidade material” para exercer o seu mandato livre de pressões externas, contudo existe um limite para proferir suas opiniões, palavras e votos, pela exigência do “decoro parlamentar”, conforme prevê o Código de Ética da Casa Legislativa.

Leia mais:  Mais de 4 mil pessoas são beneficiadas com novo espaço de lazer no CPA I

Portanto, as manifestações parlamentares não podem ultrapassar as barreiras da razoabilidade, e ao fazer tal afirmação, além de ser falsa, e maldosa não levou em conta a atual realidade vivenciada pelos prefeitos que estão neste exato momento na linha de “frente ao combate ao Coronavírus”, concluiu o presidente da AMM

Diante de todo o exposto, nos termos do artigo 48 do Código de Ética, foi solicitado a Casa Legislativa para que sejam tomadas providências para apurar a quebra de Decoro Parlamentar e a competente instauração do Processo Disciplinar, ante o abuso das prerrogativas do deputado estadual, Silvio Fávero, uma vez que as condutas cometidas são incompatíveis com o decoro parlamentar.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana