conecte-se conosco


Educação

Grevistas trancam passagem na Ponte Sérgio Motta e anunciam bloqueios em rodovias

Publicado

O Sintep ainda prevê trancar a MT-251 e uma série de rodovias em todo o Estado, pela cobrança do reajuste de 7,69% aos servidores da Educação.

Os grevistas da Educação fecharam a passagem sobre a ponte Sérgio Motta, entre Cuiabá e Várzea Grande, na manhã desta terça-feira (06) e programa uma série de atos em verdadeira guerra declarada contra o Governo do Estado, após a greve da Educação ser declarada ilegal e o Estado cobrar o retorno dos servidores às salas de aula, sob o risco de demissão por abandono de cargo.

A situação causou longo engarrafamento e revolta dos motoristas impedidos de ir e vir.

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) montou acampamento na Praça Ulisses Guimarães, na Avenida do CPA e ameça trancar, ainda nesta terça-feira (06), outra via em Várzea Grande, em ato de manifestação.

Na próxima quinta-feira (08), o Sintep ameaça trancar a saída da MT-251 (estrada que liga Cuiabá a Chapada dos Guimarães) e fazer atos simultâneos e trancar diversas rodovias federais e estaduais em Mato Grosso.

A série de atos é prevista em todo o Estado até o dia 13, com a realização de uma “marcha” com a participação de caravanas do interior.

Apesar da greve ter sido declarada ilegal, o Sintep ignorou a determinação para voltar às salas de aula e recusou a proposta do Governo do Estado, feita na segunda-feira (05),  que prevê conceder o reajuste de 7,69%, cobrado pela categoria, em 2020, assim que o Governo voltar a ter o controle de gastos com pessoal, dentro o limite de 49%, conforme estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Nova proposta

O governador Mauro Mendes (DEM), fez um pronunciamento na tarde desta segunda-feira (05), por meio da página no Instagram, anunciando, o que considera ser a última proposta do Governo do Estado para pôr fim à greve dos servidores da Educação, que já dura mais de dois meses.

Leia mais:  Taques tem 5 dias para explicar contratação de 1.030 servidores

Após reunião com deputados estaduais da bancada governista, Mauro Mendes explicou os tópicos da proposta para o pagamento de revisão geral anual e reajuste de 7,69% cobrado pela categoria em greve. Segundo ele, esse pagamento seria feito a partir de 2020, conforme a melhora dos índices do Estado em gastos com pessoal, já que hoje Mato Grosso gasta 52% e o máximo permitido é de 49% da receita.

“Quando o Estado de Mato Grosso reduzir abaixo de 49% [gasto com pessoal] o que deve acontecer já no próximo ano, nós usaremos o seguinte critério: 75% do espaço fiscal criado abaixo de 49% será usado para pagar RGA de todos os servidores e 25% desse limite, abaixo de 49%, será usado para pagar os ganhos reais de algumas leis de carreira, inclusive da Educação. Essa proposta garante que o Governo vai cumprir todas as leis vigentes, desde que elas estejam vigentes, serão cumpridas e com isso nós criamos segurança jurídica para os próximos anos”, declarou Mauro.

Em seguida, o governador agradeceu aos professores que voltaram às salas e aula e fez um apelo para que os demais retornem na terça-feira, sem citar o risco de afastamento, por abandono de cargo, já que a greve foi considerada ilegal.

Segundo ele, pelos dados da Secretaria de Educação do Estado, 62% dos professores estão em sala de aula e apenas 38% ainda mantém a greve.

“Houve uma decisão do Tribunal de Justiça determinando o retorno à sala de aula e eu conclamo todos os profissionais da Educação para que possam voltar no dia de amanhã”, ressaltou.

Abandono de cargo e demissão

Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado de Mato Grosso quanto o Código Disciplinar do Servidor Público Civil do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso disciplinam que a ausência injustificada ao trabalho por mais de 30 dias consecutivos configura abandono de cargo, cuja pena é a demissão.

Leia mais:  Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência por 370 votos a 124

Sendo assim, a Procuradoria Geral do Estado orientou aos servidores grevistas o retorno ao posto de trabalho, sob pena de demissão.

A greve foi declarada ilegal no último dia 30 pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), ocasião em que houve a notificação para que o movimento cessasse até esta segunda-feira (05).

Em parecer enviado à Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o procurador do Estado Alexandre Apolonio Callejas explicou que a partir do momento em que a decisão do TJ-MT passou a vigorar, os servidores grevistas passaram a ter o dever de voltar imediatamente às atividades.

“Abandono de cargo é uma infração disciplinar punível com demissão. Configurado o abandono, é dever da administração instaurar o PAD [Procedimento Administrativo Disciplinar] e demitir o servidor. E, sobre esse ponto, a principal característica é que não pode ser objeto de transação, de acordo. Ou seja, necessariamente a administração deve abrir o procedimento e realizar a demissão. Está previsto em lei, é obrigatório”, disse.

Além da abertura do PAD, o procurador esclareceu que o artigo 323 do Código Penal configura como crime o abandono de função pública, cuja pena varia de 15 dias a um ano de prisão, além de multa.

Desta forma, na hipótese de não ocorrer o retorno ao trabalho, a Seduc também deverá oficiar o Ministério Público Estadual (MPE) para instaurar, individualmente, ação penal pelos crimes de abandono da função pública e desobediência.

“Essas medidas estão previstas em lei e devem ser tomadas pelo Estado sob risco de o próprio Estado incorrer em omissão e ser responsabilizado”, acrescentou.

Por: RepórterMT

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Medicina Univag traz ensino inovador e atrai estudantes de todos os estados

Publicado

por

Se o seu amor pela Medicina é maior do que qualquer desafio, o Univag- Centro Universitário de Várzea Grande é a escolha certa para você. Com conceitos máximos nas avaliações do Ministério da Educação (MEC), o curso de Medicina do Univag tem chamado a atenção em Mato Grosso e em todo país. Prova disso é a procura e o número de alunos do interior do estado e de outros estados brasileiros.

Na avaliação do MEC, com escala de 01 (mínima) a 05 (máxima) o curso de Medicina Univag recebeu nota máxima, 05.

Outro fator que chama atenção entre os que procuram a Medicina do Univag é o método de ensino inovador, com resgate de valores e uma formação mais humanística e abrangente.

A Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL – Problem Basic Learning, sigla em inglês) coloca o acadêmico como sujeito ativo no processo de ensino-aprendizagem e a inserção precoce em práticas na comunidade como principais estratégias para alcançar esses objetivos.

“O Univag oferece uma estrutura única no estado e que se equipara aos melhores centros universitários do país. Contamos com uma metodologia que trabalha a aprendizagem através de soluções de problemas. Semanalmente o conhecimento é aprofundado nos laboratórios de habilidades e morfofuncionais e nas ações ao atendimento da comunidade”, ressaltou o Diretor da Área de Ciências Médicas, professor pós-doutor José Eduardo de Aguilar Siqueira do Nascimento.

Leia mais:  Vereador debaterá assuntos sobre os agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias

No PBL, os alunos discutirão casos clínicos semanais nas tutorias. O aprendizado será aprofundado nos laboratórios de habilidades (médicas, de comunicação e informática) e morfofuncional (integração das disciplinas de anatomia, histologia, patologia e imagens), realizados em conjunto com o atendimento da comunidade.

VESTIBULAR

As inscrições para o vestibular 2019/1 estão abertas e seguem até o dia 05 de novembro. São 60 vagas para período integral. Os candidatos podem se inscrever no site da Vunesp, www.vunesp.com.br, e do Univag, www.medicinaunivag.com.br. O valor da taxa de inscrição é de R$ 280,00.

A prova do processo seletivo acontecerá no dia 22 de novembro (quinta-feira), das 13h30 às 18h, horário local, no campus do Univag, bloco D, localizado na Avenida Dom Orlando Chaves, nº 2655, bairro Cristo Rei, Várzea Grande.

Duas etapas compõem a avaliação: 60 questões de múltipla escolha e redação. O candidato deve estar munido de documento oficial com foto para realizar a prova. As aulas têm previsão de início no dia 18 de fevereiro de 2019.

Leia mais:  Fiscalizações e prevenções das barragens no estado são debatidas em audiência

Para mais informações o telefone é (65) 3688-6006.

Autor: Patricia Xavier
Fonte: Assessoria Univag

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana