conecte-se conosco


Entretenimento

Globo sai em defesa de Miriam Leitão e chama Bolsonaro de mentiroso

Publicado

Nesta sexta-feira (19) o “Jornal Nacional”, noticiário da Globo , rebateu as críticas feitas pelo presidente da república Jair Bolsonaro (PSL) à jornalista Miriam Leitão.

Leia também: Reforçando boatos de ida para CNN, Mari Palma se demite da Globo

Jornal Nacional arrow-options
REPRODUÇÃO / GLOBO

Jornal Nacional

Em um café, realizado na manhã desta sexta (19), com jornalistas estrangeiros Jair Bolsonaro foi questionado sobre os protestos contra Miriam Leitão em uma Feira Literária, em Santa Catarina. 

Leia também: Após término com jornalista, Secretário da Cultura é visto com atriz da Globo

Em resposta aos correspondentes internacionais, o presidente disse que sempre foi a favor da liberdade de imprensa e que críticas devem ser aceitas em uma democracia, mas depois afirmou que Miriam foi presa, quando estava indo para a Guerrilha do Araguaia, para tentar impor uma ditatura no Brasil, e repetiu duas vezes, que ela mentiu sobre ter sido torturada e vítima de abuso em instalações militares durante a ditadura.

Em resposta, a Globo defendeu Miriam e alegou que Jair Bolsonaro estava mentindo: “Essas afirmações do presidente causam profunda indignação e merecem absoluto repúdio. Em defesa da verdade histórica e da honra da jornalista, é preciso dizer com todas as letras que não é a jornalista quem mente”, iniciou o comunicado da emissora.

Leia mais:  Deborah Secco e Maria Flor em sete momentos que aqueceram nossos corações

“Miriam nunca participou ou quis participar da luta armada. À época militante do PCdoB, ela atuou em atividades de propaganda. Ela foi presa e torturada, grávida, aos dezenove anos, quando estava detida 38ª batalhão de infantaria, em Vitória”, continuou.

“No auge da ditadura de 64, em 1963, Miriam denunciou a tortura perante a primeira auditoria da aeronáutica no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao auditor. E esse relato consta nos autos para quem quiser pesquisar. A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações atribuídas a ela na ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias”.

Leia também: Simone e Simaria discutem durante gravação de programa na Globo: “Tu é burra”

Para finalizar o comunicado da emissora, Renata Vasconcellos leu: “Esses insultos apenas mostram a maior das virtudes de Miriam Leitão como profssional: a independência em relação a governos, sejam de esquerda ou de direita ou de qualquer tipo. A Globo aplaude essa independência e se solidariza com Miriam”. 

Leia mais:  Repórter da Band se confunde e chama Michelle Bolsonaro de Michelle Obama

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Monja Coen diz que o autoconhecimento pode ser antídoto para pandemia

Publicado

por

O programa Impressões, da TV Brasil, convidou a Monja Coen, fundadora da Comunidade Zen Budista Zendo Brasil, para falar sobre as aflições típicas dos tempos de pandemia e apontar caminhos para se buscar o equilíbrio neste momento.

Mestra dos ensinamentos de Buda e autora de diversos livros, ela recomenda a meditação, que começa pela respiração consciente. Coen admite: “Quando comecei a meditar era muito difícil. Colocava um reloginho à minha frente e cinco minutos pareciam uma eternidade. Era um horror”. Durante a entrevista, a monja ensina algumas técnicas que podem ajudar os iniciantes na prática, que garante trazer alívio para incômodos emocionais comuns neste período, como ansiedade, medo e raiva.

“Você perceber o que está acontecendo com você é a única maneira de você ter algum controle. E não é controlar as emoções. É percebê-las e deixar que passem. Quando a gente fala de budismo, a gente fala de autoconhecimento e autoconhecimento é libertação”, afirma a religiosa.

Este não é um momento para acerto de contas emocionais, nem para remoer os rancores, segundo a monja, mas de considerar tudo o que foi vivido como uma bagagem extra para encarar o presente com plenitude.

“O que passou serviu como uma experiência para o que estamos passando agora, e o que vai chegar, ainda não chegou. Estar presente no momento e ver com plenitude o agora é a única maneira de atravessarmos (esta fase). Só tem uma maneira: atravessar com presença pura. Nós dizemos, no budismo, que presença pura é sabedoria”, ensina Coen.

A missionária zen-budista declara respeito a outras religiões e reconhece que, qualquer que seja o caminho escolhido, exige determinação.

“A mente é incessante e luminosa. Ela não para. Tem inúmeros estímulos. Você pode perceber esses estímulos todos e escolher o que você quer estimular. Como você escolhe que programa você assiste, que livro você lê, como você escolhe seus amigos e como você conversa com essas pessoas e quais são os assuntos. Através das nossas escolhas, nós vamos encontrando estados mentais. E podemos encontrar estados mentais de tranquilidade que a gente chama de estado Buda, de sabedoria e compaixão, onde há tranquilidade, assertividade e ternura”, afirma.

A monja explica que o estado mental tem relação com a imunidade. Manter aceso o olhar curioso da criança, de ver o mundo de uma forma inédita e se apaixonar pelos pequenos detalhes, pode ser um hábito poderoso. “A imunidade depende do nosso estado de tranquilidade. Não só, mas muito. Quando o coração fica quentinho, quando é gostoso. A gente tem que encontrar alguma coisa na vida que sinta prazer em ver”, acrescenta.

Leia mais:  Repórter da Band se confunde e chama Michelle Bolsonaro de Michelle Obama

Quanto aos questionamentos com os quais muitas pessoas se deparam na atual situação, a monja é assertiva: “Pare de se lastimar e falar ‘queria poder abraçar’. Tem que ser bom agora. Onde você está é o melhor lugar do mundo, porque sua vida está aqui. Aprecie a sua vida. Aprecie as pessoas perto de você”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana