conecte-se conosco


Política

Gilberto Cattani assume vaga na ALMT aberta após a morte de deputado por Covid-19

Publicado

O primeiro suplente da vaga aberta com a morte do deputado Silvio Fávero (PSL), o pecuarista Gilberto Cattani (PSL) assumiu vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), nesta quinta-feira (18).

Silvio Fávero faleceu aos 54 anos no último sábado (13) após nove dias internado com Covid-19 em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular, em Cuiabá.

Ele fazia parte do Partido Social Liberal (PSL), mas se desfiliou em janeiro deste ano para se filiar ao Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Depois retornou para o PSL.

Cattani teve 11.629 votos em 2018 e ficou na primeira suplência.

Fávero estava internado desde o dia 4 de março e intubado com Covid-19 uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ele era autor de um projeto que tramita na Assembleia Legislativa contra a obrigatoriedade da vacina contra a Covid. Segundo ele, o cidadão tem o direito de escolher se vai vacinar ou não.

Segundo suplente
O segundo suplente da chapa, Emílio Pópulo, entrou com um pedido na Assembleia para assumir a vaga com a alegação de Cattani deixou o partido temporariamente no ano passado. Emílio é médico e empresário em Juína.

Comentários Facebook
Leia mais:  Congresso vai aprovar reestruturação da carreira militar, diz ministro
publicidade

Política

Secretário vê risco em reabrir escolas e afirma que neta estudante foi infectada

Publicado

Andhressa Barboza/ rdnews

O retorno das aulas presenciais em Mato Grosso não deve ocorrer em breve. Com risco alto de contaminação pela Covid-19, as escolas são locais críticos para espalhar o vírus e preocupa autoridades como o secretário chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. Ele relata ter visto toda sua família ser infectada após sua neta de apenas 4 anos, que estava frequentando a escola, ficar doente e acabar contaminado parentes próximos.

Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada

Chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho

Ele contou o caso, que é recente, após ser questionado sobre um Projeto de Lei que tramita na Assembleia que prevê a inclusão das instituições de ensino públicas e privadas na lista de serviços essenciais.

“Eu tenho muita dúvida com relação a isso. Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada. Então, tenho muita dúvida com relação ao retorno das aulas”, alertou.

Leia mais:  Congresso vai aprovar reestruturação da carreira militar, diz ministro

Na última semana, o governador Mauro Mendes (DEM) sinalizou que não deve sancionar o projeto que já passou em primeira votação pela AL. Ele também alertou, sem citar o caso de Carvalho, que crianças podem ser infectadas e contaminar parentes.

“Você pega uma escola estadual como a presidente Médici, tem 2 ou 3 mil alunos uma escola dessa. Como vamos fazer? Temos que avaliar cientificamente e eu não gostaria de dar a minha opinião, até pelo que aconteceu com a minha família, mas é uma situação que vamos avaliar com muito carinho”, ponderou Mauro Carvalho.

Em relação ao PL, o secretário preferiu não ser direto em defender uma postura contrária. Mas quis deixar evidente o risco de abrir escolas em um momento crítico para a saúde pública que está em colapso há mais de um mês. Já são mais de 8,4 mil mortos pela doença no Estado e, diariamente, a fila de espera de pessoas graves que aguardam vaga em UTI passa de 100 pessoas.

Leia mais:  Governador destaca respeito entre poderes em vinda à Assembleia

“Eu não conversei com o governador sobre essa situação (do PL), mas isso merece um estudo bem aprofundado para que a gente não cometa nenhum ato que vá prejudicar as pessoas. Os critérios precisam ser pensados com muito equilíbrio”, concluiu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana