conecte-se conosco


Mato Grosso

Gerência de Combate ao Crime Organizado forma 22 profissionais em curso antissequestro

Publicado

Aulas sob sol quente, chuva, em ambiente interno, urbano e rural, que somaram 140 horas de instruções ministradas a 22 alunos do 2º Curso de Operações Antissequestro da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso, em parceria com a Academia de Polícia.

 

O curso iniciou no dia 23 de novembro e terminou nesta sexta-feira, 7 de dezembro, com a deflagração de uma operação real, a “Omega 2”, para o cumprimento de 11 de mandados de prisão preventiva e 13 de buscas e apreensão contra suspeitos de furto a banco, possibilitando aos alunos colocar as técnicas aprendidas ao longo da capacitação.

 

Durante duas semanas, os alunos passaram por intenso treinamento nas áreas investigativa e operacional, que testaram os limites físico, psicológico e mental. Foram 100 horas para práticas investigativas e 40 horas de treinamento operacional.

O delegado titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Diogo Santana Souza, coordenador do curso, falou da segunda capacitação voltada a preparar, especialmente, policiais de outras unidades para auxiliar na pronta-resposta aos crimes complexos de atribuição da unidade.

 

“Conseguimos um nivelamento de conhecimento muito bom nas áreas de sequestro, roubo e furto a banco, roubo e furto de defensivos agrícolas, organizações criminosas. Nossos palestrantes são altamente qualificados. Foram selecionamos profissionais de várias partes do país para falar sobre as matérias específicas e passar conhecimento aos nossos alunos, que agora serão difundidos em todo o estado”, disse o delegado.

 

No sábado (1°), os alunos tiveram o segundo dia de aulas com o Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPaer). O grupamento aéreo é uma das ferramentas estratégicas e de apoio nas ocorrências da Gerência.

 

O delegado Valter Furtado, coordenador da Gerência de Operações Aérea da PJC, dentro da estrutura do CIOPAer, falou do treinamento. “São 16 horas de instrução. A primeira parte é para conhecerem os componentes e o funcionamento do CIOPaer. Depois é feita a apresentação do imageador térmico, que é o instrumento muito útil para investigação. Fazemos uma instrução teórica do aparelho e suas possibilidades de uso. Após fazemos um vôo com os alunos para verificarem de dentro da aeronave como são as imagens captadas de 3 a 4 quilômetros, ideal para instrução de algum inquérito”, disse.

 

Outra parte do treinamento, importante em uma operação de resgate, consiste no embarque e desembarque na aeronave, nas técnicas mata-leão e preguiça, que na prática poderão ser usadas numa investigação em mata fechada, para resgate ou transposição de um rio que não tenha ponte ou embarcação.

Leia mais:  Conjuv realiza processo de escolha dos membros representantes da Sociedade Civil

 

“É feito o embarque e o desembarque na aeronave, no pairado, e depois o transporte dos alunos como carga externa, fora da aeronave, nos esquis, nas técnicas de mata-leão e preguiça. Após cada instrução a gente pousa e passa os erros e acertos”, explicou o delegado Valter Furtado.

 

O coordenador pedagógico, investigador Joelson da Costa Almeida, ressaltou que os alunos tiveram instruções de abordagem, inteligência policial, PH tático operacional, entradas para cumprimento de mandados de buscas e prisão com o Grupo de Operações Especiais, instruções com o Ciopaer, entre outras. Ele destacou a importância da aeronave durante uma ocorrência se sequestro, por exemplo.

 

Divulgação/PJC-MT

CURSO GCCO

“A aeronave é fundamente porque a gente corre contra o tempo. Se for localizado o cativeiro, uma equipe tem que ser lançada nesse local e ao mesmo tempo ser extraída sem aproximação de viatura. A aeronave é o processo mais rápido e seguro de aproximação do cativeiro”, destacou.

 

Primeira delegada no curso operacional, a adjunta do GCCO, Juliana Chiquito Palhares, falou que muito mais que os aspectos teóricos e técnicos das metodologias que a GCCO já aplica, a união, o comprometimento, amizade e o companheirismo são os pontos fortes da capacitação, que faz o profissional crescer no exercício da função e como ser humano.

 

“São experiências que a gente vivencia aqui, que nos eleva não só como profissionais, mas especialmente como seres humanos . Em que pese eu já, de alguma forma já tinha isso dentro do meu coração, o curso só corrobora a isso, que a equipe tem que estar coesa técnica, mas também um corpo, uma lealdade, um comprometimento e a GCCO por lidar com crimes envolvendo organizações criminosas, a sensibilidade dos alvos, a periculosidade das ações envolve muita confiança”, enalteceu.

 

Para a delegada, as técnicas já aplicadas nas ocorrências da Gerência de Operações Especiais (GCCO) são comprovadamente são eficientes. “Essa metodologia está sendo repassada não só para os integrantes da Gerência, mas também por outros policiais que passaram no Taf, para, em suas unidades no interior, auxiliarem no atendimento de alguma crise”, completou.

 

O delegado Leonardo Augusto Simões Matos, titular da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos, Extorsões e Sequestro, da Polícia Civil de Rondônia, com sede em Porto Velho, participou do curso junto com mais um investigador de sua unidade. Ele destacou o nível de especialização dos instrutores.

Leia mais:  Fapemat orienta Politec sobre financiamento público de projetos de pesquisa

 

“Experiência fabulosa, única. Oportunidade de participar de um curso com os colegas de Mato Grosso, vivenciar as experiências, a didática, fora as aulas ministradas que têm uma riqueza imensa de conteúdo que será certamente muito útil para a Polícia Civil do Estado de Rondônia”, disse.

 

Investigadora Cristina da Silva Friozo, lotada na Delegacia Especializada do Adolescente (Dea), junto com outra investigadora e uma delegada, são as únicas mulheres em meio a 20 homens.

 

“Fazemos as mesmas coisas que os homens fazem. Não em diferenciação por ser homem ou mulher. O que conta muito no curso é o psicológico, que precisa estar preparado não só fisicamente. A gente é testada o tempo todo e é bem cansativo, mas a experiência é maravilhosa. Aprendemos muito, principalmente, a união, que nos torna uma pessoa melhor, pois aprendemos a dividir e sofremos junto com os parceiros. Saímos um profissional melhor por contas das instruções desse curso”, pontuou.

 

De Brasnorte, o investigador Kleber Nascimento foi aprovado na seleção e concluiu o curso de duas semanas. No interior, as técnicas apreendidas poderão ser empregadas em ocorrências de pronta-resposta ou no primeiro atendimento de fatos complexos até a chegada da unidade especializada da capital.

 

“Além de um curso de intenso aprimoramento em investigação também temos conhecimento nivelado na parte operacional. Estou muito feliz por essa oportunidade de participar desse curso”, disse.

 

Especialização

 

O curso trouxe representantes das maiores empresas (Bayer, Basf, Syngenta) produtores de agrotóxicos no Brasil, que transmitiram orientações valiosas quanto a identificação de produtos falsos, análise de rótulos, embalagens, notas fiscais para procedência de produtos.

 

Na disciplina de roubos e furtos a banco, o curso contou com a presença do diretor de segurança do Banco do Brasil, de Brasília, que trouxe informações específicas sobre roubo e furto a bancos, extorsão mediante sequestro de gerentes de bancos e outras questões relacionada a segurança das instituições financeiras.

 

“Áreas que certamente auxiliaram no enfrentamento desses crimes no Estado de Mato Grosso”, finalizou o delegado.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Servidor é preso por roubar pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras

Publicado

Foram desviados pelo menos 12 pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 35 mil.

Um servidor público suspeito de desviar pneus de veículos da prefeitura de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, prestou esclarecimentos na delegacia do município. Segundo a Polícia Civil, ele deve responder pelo crime de peculato.

As investigações começaram no dia 22 de março, quando o prefeito Adilson Gonçalves de Macedo registrou um boletim de ocorrência denunciando o suposto desvio.

O delegado Wilyney Santana Borges disse que várias buscas foram realizadas, até que o suspeito acabou confessando o crime. Em depoimento, ele contou que os pneus foram repassados para um comerciante como parte do pagamento na aquisição de um carro dele de luxo.

Os pneus desviados eram de veículos da Secretaria Municipal de Urbanismo.

De acordo com a polícia, nas investigações, foi apurado que pneus adquiridos para serem utilizados nas automóveis da secretaria foram desviados nos meses de novembro e dezembro de 2020, por um servidor  que exercia funções no setor de frotas da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Leia mais:  Conjuv realiza processo de escolha dos membros representantes da Sociedade Civil

Segundo o delegado, os indícios apontados no inquérito indicam que foi possível constatar o desvio de pelo menos 12 pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 35 mil.

A Polícia Civil informou que o investigado pela venda dos pneus deverá responder ação penal pelo crime de peculato, vez que na época dos desvios, exercia o cargo de funcionário público. Já o comerciante que recebeu os pneus desviados, em troca de pagamento, responderá pelo crime de receptação.

A delegacia de Barra do Garças continua as investigações para saber se havia a conivência ou participação de outros servidores municipais, envolvidos no caso dos pneus desviados.

Por G1 MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana