conecte-se conosco


Polícia

Gado roubado em Nossa Sra. do Livramento é recuperado pela Polícia Civil em Várzea Grande

Publicado

Assessoria | PJC-MT

Um rebanho de gado roubado de uma propriedade na zona rural do município de Nossa Senhora do Livramento (42 km ao Sul) foi recuperado pela Polícia Judiciária Civil, na terça-feira (21.05), durante diligências realizadas pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (Derf-VG).

O assalto aconteceu na manhã de segunda-feira (20.05), na Fazenda Monjolo, na Rodovia BR 070. Três indivíduos armados invadiram o local onde renderam o proprietário que foi amarrado e mantido em cárcere dentro de um dos cômodos, por cerca de 10 horas.

Na ocasião, foram levadas vinte cabeças de gado, um touro e uma motosserra. Os criminosos usaram o telefone rural da vítima para ligar para os freteiros buscar os bois, e ainda fizeram almoço na casa.

Em investigação para apurar o roubo, os policiais civis da Derf Várzea Grande levantaram as informações que os animais estariam em um sítio em Várzea Grande. Com base nas suspeitas, a equipe foi até o endereço onde recuperaram o gado.

Leia mais:  Autor de estupro de vulnerável tem prisão cumprida em Cuiabá

O responsável pelo sítio não foi encontrado no momento da chegada dos policiais civis. No entanto, o já foi identificado e intimado para esclarecimentos dos fatos.

As diligências continuam com objetivo de prender os autores do roubo.

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Equipe Especial interroga esposa de cabo em investigações das interceptações ilegais

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

A Polícia Civil, por meio da Equipe Especial, designada exclusivamente para conclusão dos inquéritos sobre as interceptações ilegais, ouviu em interrogatório, na tarde desta quarta-feira (18), a esposa do Cabo Gerson Correa, para esclarecimentos sobre questões apuradas nas investigações.

A delegada Ana Cristina Feldner informou que a mulher (E.M.O) aparece em algumas situações, como assinatura de fiadora no contrato de locação da sala usada para fazer as escutas ilegais, além da conta de internet usada no escritório clandestino estar em seu nome. Também por ter levado um aparelho celular ao cabo quando ele estava preso na Rotam. E ainda sobre a origem de um valor de R$ 35 mil, emprestado pelo cabo a um amigo.

Conforme a delegada, todas as informações serão analisadas, inclusive se  a mulher  tinha conhecimento e envolvimento com a organização criminosa investigada. Ela  alegou que acredita na inocência de seu marido.

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Leia mais:  Investimentos e planejamento fizeram a diferença na Segurança Pública
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana