conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Fome obriga mães a darem os próprios filhos na Venezuela

Publicado

Dados oficiais mostram que 87% da população do país vive em situação de pobrezaAos seis meses de gravidez, uma venezuelana se mostra decidida: vai dar o bebê que carrega no ventre quando ele nascer.

Ela não é a única a recorrer a esse caminho em meio à crise que assola o país —e que tem deixado cada vez mais gente com fome e sem condição de alimentar os próprios filhos.

No poder desde 1999, o grupo de Hugo Chávez —morto em 2013 e substituído no poder por Nicolás Maduro em uma eleição realizada no mesmo ano— adotou medidas econômicas que levaram o país à escassez de alimentos, à hiperinflação e ao colapso dos serviços públicos.

As críticas internacionais ao chavismo na região esbarraram, muitas vezes, no apoio de governos alinhados ao projeto – como setores do próprio PT, no Brasil, que ainda manifestam apoio ao governo de Maduro, mesmo que seu candidato à Presidência, Fernando Haddad, tente se distanciar da questão.

O país, que já foi um dos mais ricos da América Latina e chegava a distribuir empréstimos e doações na região, enfrenta hoje uma crise sem precedentes.

Com a queda, alguns anos atrás, no valor da cotação do petróleo, que responde por 95% das exportações venezuelanas, o país viu secar sua principal fonte de renda.

Leia mais:  Bolsonaro divulga redução dos juros do cheque especial a partir de segunda-feira

Ainda que os preços tenham se recuperado parcialmente no mercado internacional, a falta de modernização do setor tornou extrair petróleo uma operação menos lucrativa.Dados oficiais mostram que 87% da população do país vive em situação de pobreza, contra 48% em 2014.

A taxa de inflação, estimada em 1.000.000% até o final do ano, tem piorado ainda mais o cenário. Em 2017, os venezuelanos perderam 11 kg em média por causa da fome.

Como resultado, cada vez mais crianças têm ido parar nas ruas e cada vez mais mulheres se veem forçadas a entregar seus filhos às autoridades ou a famílias em melhores condições financeiras – um efeito devastador da crise sobre a futura geração.

“Eu expliquei aos meus filhos que não queria abandoná-los”, diz outra mulher à BBC News. “Mas não tenho como sustentá-los.”

A mulher tem cinco filhos e há três anos entregou três deles às autoridades. Ela diz que “um dia” vai tentar recuperá-los.

Histórias semelhantes de separação entre mães e filhos em função da crise surgem nas favelas venezuelanas.

Leia mais:  Congresso Nacional aprova salário mínimo previsto de R$ 1.006

Judith entregou sua filha logo após o nascimento. E chora quando relembra a história. “Eu pensei que, fazendo isso, conseguiria alimentar meus outros filhos e que minha bebê teria um futuro melhor”, diz ela, emocionada. “Me sinto arrasada por não tê-la comigo.”

A busca por comida, inclusive no lixo, tem se tornado uma visão comum no país. Com a pobreza crescente, também virou comum a imagem de crianças vivendo nas ruas.Tinha comida às vezes lá em casa, mas não suficiente. Éramos muitos”, diz um menino em um grupo com outros jovens.

Um adolescente sentado ao lado dele também revela traços de uma vida difícil. “Saí de casa porque minha mãe me maltratava”, conta. “Me cansei disso, mas também pensei nos meus irmãos. Queria deixar a comida para eles.”

Apesar das dificuldades, o primeiro menino demonstra esperança em dias melhores. “Eu sei que um dia vou estudar e, quando eu crescer, vou ajudar a quem precisa, porque eu sei o que é depender de ajuda.”

A figura paterna era ausente na maior parte das famílias que conversaram com a reportagem.

BBC NEWS BRASIL

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

Cartórios já podem autenticar documentos por meio digital

Publicado

Os cartórios brasileiros já podem autenticar documentos por meio eletrônico. O novo serviço possibilitará a certificação de cópias de forma online pelo site

A novidade vem para complementar a digitalização de outros serviços que já estavam sendo prestados na plataforma de atos notoriais eletrônicos chamada e-Notoriado. Entre eles, assinaturas digitais de escrituras, procurações por videoconferência, atas notariais e testamentos, bem como separações e divórcios extrajudiciais.

Segundo o Colégio Notarial do Brasil (CNB), órgão responsável por gerir o módulo da Central Notarial de Autenticação Digital (Cenad), o novo recurso permite “a materialização e a desmaterialização” de autenticações em diferentes cartórios. Dessa forma, torna mais rápido o envio do documento certificado para pessoas ou órgãos, além de verificar de forma segura a autenticidade do arquivo digital.

A Cenad foi é o único meio nacional válido para a autenticação digital de documentos. Para tanto, será necessária a apresentação de um documento originalmente físico, junto a algum cartório de notas, para que ele seja digitalizado para, então, ser enviado para autenticação.

Leia mais:  Antes de dar posse a presidentes de bancos, Bolsonaro se reuniu com Guedes para afinar discurso

Segundo a presidente do CNB, Giselle Oliveira de Barros, o novo procedimento permite ao usuário trabalhar com o documento eletrônico, mas com segurança jurídica.

“Após o documento ser autenticado pela Cenad, ele pode ser enviado eletronicamente (emailwhatsapp ou qualquer outra ferramenta) a órgãos públicos ou pessoas físicas e jurídicas para a concretização de negócios, tendo o mesmo valor que o documento original, físico ou digital, apresentado pelo cidadão”, informou.

Como acessar o serviço

Para acessar esse serviço, “o usuário deve solicitar a autenticação digital a um tabelionato de notas de sua preferência e enviar o documento por e-mail, caso o original seja digital. Se o documento a ser autenticado for físico, é necessário levar o impresso ao cartório para digitalização e autenticação.

Ao receber o documento por meio da plataforma, que segue as normas de territorialidade para distribuição dos serviços, o tabelião verifica a autenticidade e a integridade do documento”, informa o CNB.

A autenticação notarial gera um registro na plataforma, com dados do notário ou responsável que a tenha assinado, a data e hora da assinatura, e código de verificação. “O usuário receberá um arquivo em PDF assinado digitalmente pelo cartório. O envio do arquivo poderá ser feito por e-mailWhatsApp ou outro meio eletrônico”, finaliza.

Leia mais:  Sisu 2019 abre inscrições; tire suas dúvidas e saiba como funciona

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana