conecte-se conosco


Entretenimento

Filha de Glória Pires mostra corpo sequinho com biquíni brilhante

Publicado

Ana Morais
, filha de Glória Pires, chamou atenção nas redes sociais na tarde desta segunda-feira (22) ao publicar uma foto usando um biquíni brilhante
. Na imagem, a morena aproveita para renovar o bronzeado em dia de sol e ainda deixa seu corpo sequinho em evidência.

Leia também: Ousada! Cleo aparece poderosa com seios cobertos por adesivo


Ana Morais, filha de Glória Pires
Reprodução/Instagram

Ana Morais, filha de Glória Pires

Sem legenda, a foto da filha de Glória Pires
ganhou vários likes e muitos elogios com a imagem de biquíni brilhante. “É muito bela”, “Eu só quero essa barriga”, “Linda demais” e “Maravilhosa” foram alguns dos comentários.

Filha de Glória Pires e o DNA da família


Filha de Glória Pires puxa a mãe e também exibe corpo esbelto
Reprodução Instagram

Filha de Glória Pires puxa a mãe e também exibe corpo esbelto


Não é à toa que Antonia exibe tanta beleza por aí. No auge de seus 54 anos, Glória Pires, mãe da atriz, ostentou seu corpão em foto de biquíni. Deitada na beira de uma piscina, a também atriz compartilhou a boa forma com a barriga sequinha. 

Leia mais:  Criadores de “Game of Thrones” fecham acordo com a Netflix

Leia também: Deu match? Cleo lista possíveis peguetes famosos, mas descarta Cauã Reymond

Em cerca de uma hora no ar o clique da mãe de Cleo Pires e Antonia Morais já ultrapassava mais de 40 mil curtidas. Os fãs da atriz adoraram a imagem e não se acanharam em elogiar a bela. “Eu com 17 anos não tenho um corpão desse”, garantiu uma seguidora. “Incentivo pra eu voltar pra dieta”, se inspirou um segundo internauta. “Que Deusa maravilhosa! Quero chegar pelo menos nos 30 anos assim. Linda, te amo!”, fez questão de ressaltar um terceiro.

Quem também vive usando a web para postar fotos provocativas são Cleo e Antonia Morais. Antonia, inclusive, usou a internet recentemente para publicar uma foto  tomando sol e mostrar seu bumbum. “Vivendo pelo bronze real oficial”, escreveu.

Com quase 40 mil curtidas, a foto foi muito elogiada. “Bumbum lindo”, “Gata demais” e “Que foto maravilhosa”, foram alguns comentários. Quem também comentou na foto foi Cleo Pires. “Aqui. Avisa a gente antes? Só pra gente colocar o colete, ok? Brigada querida”, escreveu. Não satisfeita, comentou novamente. “Cara*** calmaê po***!!! Dalhe rabeta linda da pleura”, disse a atriz.

Leia mais:  Família Real divulga foto com os pés de Archie para comemorar Dia das Mães

Leia também: Antonia Morais mostra bumbum e Cleo responde: “Rabeta linda”

Com apenas 18 anos, Ana Morais,  filha de Glória Pires,
vem fazendo sucesso nas redes sociais. A bela sempre compartilha fotos e atualiza sua página e os elogios sempre aparecem também.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Série “Pico da Neblina” vai além da maconha legalizada no Brasil

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Fafá de Belém se engasga ao vivo durante programa da Globo

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana