conecte-se conosco


Polícia

Fazendeiro é rendido, amarrado e encapuzado enquanto ladrões levam cabeças de gado

Publicado

A fazenda Monjolo localizada às margens da BR 070 trinta e oito quilômetros do trevo do Lagarto em Várzea Grande  foi alvo da ação de ladrões de gado na madrugada desta última segunda-feira (20). Em menos de um ano este é o quarto roubo de gado na propriedade, a maioria deles com agressões.

Segundo o boletim de ocorrência o dono da Fazenda Monjolo chegava em sua propriedade logo pela manhã quando foi rendido por três indivíduos armados  usando de violência física e verbal. Segundo o proprietário após as ameaças ele conta que foi amarrado e encapuzado enquanto furtavam cerca de 20 cabeças de gado.

O fazendeiro disse ainda que os ladrões levaram cerca de dez horas para carregarem os animais e enquanto isso um mantinha a vítima amarrada, dizendo para ele se acalmar que logo estaria indo embora. A folga e a certeza da impunidade foi tão grande que até almoço os bandidos fizeram na propriedade.

A vítima que prefere não se identificar por medo de represarias acredita que os suspeitos  são especializados neste tipo de crime, pois tinham habilidade com a lida de animais e não apresentavam sinais de nervosismo.

Leia mais:  Polícia Civil prende autor de homicídio ocorrido em Pedra Preta

Esse tipo de crime tem preocupado fazendeiros da baixada cuiabana pela truculência das quadrilhas que estão agindo seguidamente e as forças policiais de Mato grosso não conseguem dar uma resposta aos pecuaristas de Mato grosso. O boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia de Roubos e Furtos de Várzea Grande, onde várias diligências aconteceram. No final da tarde a polícia localizou num frigorifico clandestino de Várzea Grande, cerca de 10 cabeças de gado roubadas. As investigações continuam até fechamento dessa edição nenhum suspeito foi preso.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

COMUNICADO: Central de Ocorrências, DHPP, Decon e Derf Cuiabá estão sem internet

Publicado

por

Assessoria | PJC-MT

Devido a rompimento de cabo de fibra ótica da empresa de telefonia OI, as seguintes unidades da Polícia Judiciária Civil, Central de Ocorrências, Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), Delegacia Especializada do Consumidor (Decon) e Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá estão sem acesso à internet.

O rompimento ocorreu no início da noite de terça-feira (18) e sem internet, as unidades ficam impossibilitadas de confeccionar boletins de ocorrências e realizar consultas nos sistemas de Segurança. Técnicos da concessionária de telefonia já estão trabalhando para restauração da fibra, para o retorno mais breve dos serviços prestados pelas unidades prejudicadas.

 

Fonte: PJC MT
Comentários Facebook
Leia mais:  Programas da PJC promovem atividades preventivas com crianças dos projetos Siminina e Chuteirinha de Ouro
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana