conecte-se conosco


Entretenimento

Fã que viralizou na web com foto de Ana Paula Arósio dá detalhes do encontro

Publicado

Neste domingo (28), os brasileiros de todos os cantos do globo terrestre foram às urnas para escolher o novo presidente do Brasil, e em alguns estados governador. A professora de educação física e funcionária pública Ana Paula Tobias, estava indo votar no bairro Jardim Marajoara, na cidade de São Paulo, quando encontrou com Ana Paula Arósio.

Leia também: Eleição do chef Henrique Fogaça para síndico provoca brigas e ação judicial


Ana Paula Arósio posa com fã em seção eleitoral
Divulgação

Ana Paula Arósio posa com fã em seção eleitoral

Admiradora de Ana Paula Arósio
, que está longe das telas desde 2010, Ana Paula Tobias contou ao iG Gente
como foi o encontro com a famosa na seção eleitoral:“Eu a reconheci quando ela tirou os óculos escuros. Não tinha como esquecer aquele olho… clamoroso!”.

Leia também: Ana Paula Arósio ressurge em São Paulo e posa sorridente com amigo de escola

Em seguida, ela continuou: “Esperei ela votar, e quando ela estava indo embora, eu perguntei se podia tirar uma foto, e ela falou: ‘sim, claro’.  Ela foi muito simpática e sorridente”, relata a professora de educação física, acrescentando não ter visto ninguém acompanhar a celeb.

Leia mais:  Destaque no “Programa do Ratinho”, Milene Uehara fala do SBT e carreira no humor

Segundo a fã, ninguém mais teve a sorte de tirar uma foto com a atriz
, porque ninguém a reconheceu: “Depois que ela saiu do colégio, as pessoas que estavam lá falaram para mim: ‘Nossa, se você não falasse que era ela, a gente nem ia perceber…”.

O reencontro com Ana Paula Arósio


Ana Paula Arósio tira foto com fã em seção eleitoral
Divulgação

Ana Paula Arósio tira foto com fã em seção eleitoral

Ana Paula Tobias ainda comentou que já conhecia a artista
de vista, da época em que as duas frequentavam a mesma igreja católica do bairro, no final dos anos 1980, antes da atriz ficar famosa. Porém, nunca teve uma aproximação. “Ela também estudou com o meu irmão mais velho. A família dela mora aqui no bairro. Mas depois que ficou famosa, foi embora”.

Ana, a admiradora, explica também que ficou bastante assustada com a repercussão da foto com Arósio na internet e espera que ela não fique chateada com a repercussão. “Sei que ela não tem rede social, mas fiquei preocupada por não saber como ela vai reagir”.

Leia mais:  Chamado de “misógino” por telespectadora, Silvio Santos ironiza: “Gostei!”

O momento de Arósio


Pôster de
Divulgação

Pôster de “Na Forma da Lei”, última atração na TV de Ana Paula Arósio

Leia também: Mãe de Ana Paula Arósio: “Não a vejo há um tempão, já perdi até as contas”

Atualmente com 43 anos, Ana Paula Arósio
vive na Inglaterra, para onde se mudou em 2015 com o marido, o arquiteto Henrique Pinheiro. O último trabalho dela na TV foi em “Na forma da lei”, em 2010. Em outubro de 2015, ela esteve no Brasil lançando o filme “A Floresta que Se Move”. Os familiares da artista continuam morando em São Paulo.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Sete derivados de “Game of Thrones” que gostaríamos de ver

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  “Fleabag” combina humor e melancolia com rara beleza em seu ano final

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana