conecte-se conosco


Polícia

Ex-delegado de MT foi contratado por facção com salário de R$ 500 mil

Publicado

Preso na última quarta-feira (17), o ex-delegado de Mato grosso Arnaldo Agostinho Sottani, confessou à polícia ter sido contratado por uma facção criminosa de Cuiabá por R$ 500 mil (mês).

A prisão aconteceu em Goiás, quando Sottani, que também é advogado e piloto, foi flagrado transportando R$ 260 mil reais em espécie – que seriam utilizados para a compra de um avião.
As investigações apontam que a aeronave comprada seria usada para o transporte internacional de drogas. A compra estava programada para acontecer na cidade de Belo Horizonte.

Entenda o caso
De acordo com a ocorrência, a Polícia Militar (PM) recebeu denúncia apontando que o advogado estaria em posse do alto valor para fazer a compra de uma aeronave.
Por se tratar de um fato suspeito, já que se caso fosse uma transação lícita, o dinheiro estaria em um banco, os militares comunicaram o fato à Delegacia de Polícia Civil e foi montada uma operação para verificar a denúncia.
Arnaldo foi abordado pelos policiais logo após solicitar uma corrida de transporte por aplicativo do aeroporto para o Centro de Caratinga, quando o dinheiro foi encontrado dentro de uma caixa.
Além de todo o dinheiro estar sendo transportado, outra situação que chamou atenção foi o fato da grande quantidade de notas de pequeno valor, apontando que poderia ser dinheiro de vendas de drogas, e ainda de estarem ‘encapadas’ com papel film, o que segundo o delegado regional de Caratinga, Ivan Sales, é para não deixar as cédulas mofarem.

Leia mais:  Traficante foragido de Alto Araguaia é preso pela Polícia Civil na Capital

Por: reporterMT

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Enfermeira é presa em flagrante por roubar kits para teste de covid da Santa Casa

Publicado

Com a profissional foram encontrados equipamentos de propriedade do hospital e testes da covid-19

Uma enfermeira de 44 anos foi presa em flagrante pela Polícia Civil na madrugada deste domingo (11.04) pelo crime de peculato cometido contra uma unidade hospitalar pública, na Capital. Com a profissional foram encontrados diversos kits utilizados para testagem da covid e também materiais de acesso venoso e nasal de uso estritamente médico-hospitalar.

A equipe plantonista da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) recebeu uma denúncia e seguiu na noite de sábado até o Hospital Estadual Santa Casa para checar as informações sobre uma servidora da unidade que estaria furtando testes de covid.

Na presença de uma recepcionista e de outras pessoas que estavam no local, os investigadores revistaram a bolsa da profissional e encontraram dentro de uma sacola plástica preta, diversos instrumentos e medicamentos utilizados para o teste de covid, sendo: 25 cotonetes em um envelope plástico lacrado; um frasco de reagente; 25 frascos para pipetagem; dois equipos macro gotas; dois equipos dupla via; quatro cateteres nasais tipo óculos de oxigênio e vários cateteres intravenosos de marcas diversas.

Os investigadores foram informados de que nenhum servidor do hospital tem autorização para retirar medicamentos ou instrumentos hospitalares da unidade.

A profissional foi encaminhada para a DHPP e alegou desconhecimento sobre a maioria dos objetos encontrados em sua bolsa, somente reconhecendo os cateteres nasais, que disse ter o costume de “manter em sua bolsa” para atender emergência de estabilização. Porém, em depoimento, ela respondeu que eram seus e que os utilizava em plantões particulares.

Leia mais:  Polícia Civil apreende caixas de cigarros contrabandeados

Um profissional de enfermagem ouvido na delegacia confirmou que todos os materiais encontrados com a enfermeira são de propriedade do hospital e que os códigos que constam são de controle interno da farmácia da unidade, como forma de saber como está sendo utilizado. Ele informou ainda que a profissional detida tinha a função da triagem dos pacientes, o que não abrangia a realização de testes covid, que é realizada por enfermeiros próprios da unidade hospitalar. Ele destacou que servidor do hospital não tem autorização para sair com medicamentos ou instrumentos de trabalho.

A diretora do hospital compareceu à DHPP e também atestou a propriedade do material encontrado como sendo da unidade e frisou que os equipamentos de acesso venoso e nasal são de aquisição e uso estritamente médico hospitalar.

Outras informações coletadas pelos investigadores foram obtidas em conversa de aplicativo de mensagem do celular da enfermeira, que foi acessado pelos policiais com o consentimento formal dela e de seu advogado. Em um trecho de conversa entre ela e um médico para acertar o valor de uma visita, a enfermeira pergunta se será necessário levar os materiais ou o paciente já tem, pois caso tenha que levar, o valor cobrado será maior. “..vai ter que cobrar R$ 300,00 pois o material é muito caro e não consegue achar”, diz trecho do diálogo, conforme consta no auto da prisão em flagrante.

Leia mais:  Ação liderada por Virginia Mendes arrecada mais de R$ 100 mil para instalação do Plantão 24 horas

Na mesma conversa, a enfermeira avisa ao médico que se ele precisar de qualquer material, “é só ele avisar que ela consegue também, pois quem não tem conhecimento hospitalar, pra comprar é complicado.”

Flagrante por peculato 

O delegado Caio Fernando Albuquerque, que atendeu o flagrante, explica que, mesmo sendo contratada da Santa Casa, por exercer suas funções em unidade pública hospitalar, ela é equiparada a servidora pública, conforme previsto no Artigo 327 do Código Penal.

“Deparamos com a situação de uma servidora pública, por equiparação, que, mesmo vendo, diariamente, toda a terrível situação a que passamos, agindo na contramão, objetivando interesses próprios, e valendo-se das facilidades que seu emprego proporciona, apropriou-se de testes para constatação da covid, e mais, apropriou-se de equipamentos de uso exclusivo médico hospitalar, estes já deveras escassos por conta do incontrolável aumento da pandemia”, pontuou Caio Albuquerque.

Com os elementos coletados, o delegado autuou a enfermeira em flagrante pelo crime de peculato (artigo 312 do CP) e encaminhou representação ao Poder Judiciário pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva.

O auto de flagrante será remetido à 2ª Delegacia de Polícia de Cuiabá, que dará sequência à investigação.

A enfermeira foi encaminhada para audiência de custódia da Justiça.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana