conecte-se conosco


Mato Grosso

Estudantes e professores de escola estadual visitam aldeia para conhecer etnia Bororo

Publicado

Alunos e professores da Escola Estadual Elizabeth de Freitas Magalhães, em Rondonópolis (212 quilômetros ao sul de Cuiabá), celebraram o Dia do Índio de uma forma diferente. Sessenta estudantes do ensino médio e educação de jovens e adultos (EJA), acompanhados de 25 professores, visitaram nesta quarta-feira (17.04) a aldeia Tadarimana da etnia Bororo e passaram o dia realizando  diversas atividades.

Segundo o coordenador pedagógico Rodrigo Lemes, desde a chegada na aldeia, os alunos e professores participaram das festividades iniciada com as boas-vindas, por meio da dança de festa conhecida como “tóro”. Durante a tarde, as festividades incluíram danças e conhecimentos da etnia Bororo.

“Tivemos uma aula sobre os índios da etnia Bororo. Num dos grandes momentos de nossa aula de campo, o cacique e um representante indígena responderam a todas as perguntas dos alunos. Eles tiveram a oportunidade de tirar dúvidas sobre vários assuntos, como religião, alimentação, aposentadoria e outros”, destaca.

A professora de história Márcia Salgueiro classificou a visita como muito proveitosa. “Não só para os professores como também para os alunos”, ressaltou.

Leia mais:  Trinta e cinco obras de abastecimento de água são retomadas em 2019

Ela acrescenta que o bate-papo com o cacique foi enriquecedor, pois abriu as portas do local. “O maior momento foi quando os alunos puderam fazer as perguntas e todas foram respondidas. As danças também desmistificaram a imagem que tínhamos dos indígenas”, explica.

Para a professora, a visita à aldeia foi uma forma de, tanto os alunos como os professores, conhecerem melhor a cultura dos Bororo e trazer de lá uma imagem menos preconceituosa para os demais alunos.

O professor de sociologia André Brandão concorda. Ele explica que, apesar da Escola Elizabeth receber alunos Bororo há bastante tempo, levar os estudantes não indígenas até a aldeia foi uma experiência enriquecedora. A Escola tem 62 alunos da etnia Bororó, matriculados nos três períodos, que utilizam o transporte escolar para o deslocamento de cerca de 60 quilômetros diários.

“Foi um passo extremamente importante para superarmos a visão folclorizada que ainda se tem dos povos indígenas. O aprendizado se tornou mais efetivo quando mergulhamos em uma realidade local que nem sempre é abordada nos livros didáticos, as falas dos Bororos sobre sua organização social, suas perspectivas e seus desafios atuais nos fazem refletir sobre mais ações de integração que vão para além da Semana do dia 19 de Abril”, ressaltou.

Leia mais:  Polícia Civil prende sete de associação criminosa envolvida no latrocínio de investigadora

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Sema resgata 12 tartarugas nas Regiões do Araguaia e do Xingu; 8 pessoas foram presas

Publicado

por

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), em parceria com a Diretoria de Unidade Desconcentrada de Confresa, ONG aliança da Terra e Polícia Militar, resgatou 12 tartarugas durante operação de 10 dias, realizada no fim de julho, que  abrangeu 13 municípios de Mato Grosso. A ação envolveu áreas de preservação permanente e do Parque Estadual do Xingu.

As tartarugas foram devolvidas ao seu habitat natural. Também foram apreendidos 110 quilos de peixes das espécies matrinchã, pacu, ferrada, piau, sardinha e pirarucu, carnes de caça e apetrechos proibidos de pesca como redes, espinhéis, arpão e bóias.

A operação ocorreu nos seguintes municípios: Bom Jesus do Araguaia, Serra Nova, Novo Santo Antônio, São Félix do Araguaia, Luciara, Santa Teresinha, Vila Rica, Confresa, Porto Alegre do Norte, Cana brava do Norte, Alto Boa Vista, Santa Cruz do Xingu e São José do Xingu.

Além das ações contra a pesca predatória, os fiscais atuaram também contra as queimadas florestais, ao se depararem com um foco de incêndio de grande porte em Jacaré Valente, Distrito de Confresa, atingindo cerca de 60 hectares de mata.

Leia mais:  Policiais impedem crime e prendem assaltantes de carro em flagrante

Ao final da operação oito pessoas foram conduzidas para delegacia e os peixes apreendidos foram doados para o Hospital de São Félix do Araguaia.

Denúncias

O cidadão pode denunciar a pesca depredatória e outros crimes ambientais à Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838 ou via WhatsApp no (65) 99281-4144. Outros telefones para informações e denúncias: (65) 3613-7394 (Setor Pesca), nas unidades regionais da Sema ou aplicativo MT Cidadão.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana