conecte-se conosco


Política

“Estado transfere má gestão ao bolso do contribuinte”, diz deputado

Publicado

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

A falta de execução do planejamento de corte de despesas programado pelo Executivo levou o governador Mauro Mendes Ferreira (DEM) a aproveitar a exigência de convalidação dos incentivos fiscais pelo governo federal para propor aumento da carga tributária que entrará em vigência a partir de janeiro de 2020.

Essa é a avaliação do deputado estadual Wilson Santos (PSDB) feita em discurso durante a sessão ordinária realizada nessa quinta-feira (18), segundo a qual o governo do estado não conseguiu cumprir suas metas de contenção de despesas, o que está devidamente exposto nas primeiras contas do quadrimestre realizada pelo secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, no mês de junho em audiência na Assembleia Legislativa.

“Foram criados 45 cargos meramente políticos que levou a um gasto com pessoal mais alto do que na gestão do ex-governador Pedro Taques. Se em 2018 foram gastos R$ 3,4 bilhões, no primeiro quadrimestre deste ano o Estado gastou R$ 3,487 bilhões. Agora, com a frustação nas medidas de contenção de despesas, aumenta a carga tributária com a redução dos incentivos fiscais. É o transferindo ao contribuinte a responsabilidade pela má gestão ”, destacou.

Leia mais:  PL que institui jornada de trabalho e cria gratificação de atividade de trânsito segue para sanção governamental

O parlamentar avalia ainda que o percentual de economia foi irrisório, e agora o Estado implementa aumento da carga tributária mesmo que os registros oficiais apontem evidente aumento de arrecadação.

“Houve uma economia de apenas 0,5% comparado ao primeiro quadrimestre de 2018. Isso mostra que a reforma administrativa do Estado foi tímida. Apesar de necessária, não avançou como deveria e o resultado é insignificante para a melhoria das contas públicas. De acordo com dados da Secretaria de Fazenda, o Executivo arrecadou em excesso mais de R$ 1,4 bilhão nos primeiros quatro meses. Neste período, foi arrecadado com o FETHAB R$ 706 milhões. Nos primeiros quatro meses, o ICMS recebeu incremento de R$ 235 milhões ”, ressaltou.

O parlamentar ressaltou ainda que a reforma tributária proposta pelo governo do Estado pode ser totalmente alterada em razão das discussões em Brasília envolvendo a equipe econômica do governo federal com o Congresso Nacional para poôr fim a tributos como o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

“O presidente Jair Bolsonaro conseguiu emplacar a reforma da previdência e, sem dúvida, vai viabilizar a reforma tributária com reflexos em âmbito nacional”, concluiu.

Leia mais:  Vereador Orivaldo traz Farmacêutica Dra. Maria das Graças à Tribuna Livre da Câmara

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política

Bolsonaro descarta criação de novos pedágios na Via Dutra

Publicado

por

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (21), por meio de sua conta no Twitter, que não procede a informação de que seriam criadas, na Rodovia Presidente Dutra (Via Dutra), uma praça de pedágio em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo e outra na região de Barra Mansa, no estado do Rio de Janeiro.

Ainda pelas redes sociais, o presidente disse que no momento da renovação da concessão da Rodovia, que vence em 2021, o governo vai propor a diminuição do valor do pedágio e não permitirá a construção de novas praças de pedágio.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, a concessão da Nova Dutra (BR-116/465/101) deve ser o ativo que mais vai despertar o interesse dos investidores dentre os leilões rodovias, aeroportos, ferrovias e portos previstos para 2020.

Leia mais:  Vereador Orivaldo traz Farmacêutica Dra. Maria das Graças à Tribuna Livre da Câmara

A Via Dutra é administrada pela empresa CCR desde 1996. O contrato vence em março de 2021, mas a intenção do governo é realizar o certame no final do segundo semestre de 2020. O trecho a ser leiloado liga as duas maiores regiões metropolitanas do país (Rio de Janeiro e São Paulo), passando por 34 cidades.

Pelo cronograma, as informações sobre o leilão estão em consulta pública a cargo da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). As contribuições serão recebidas até fevereiro de 2020.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana