conecte-se conosco


Mato Grosso

Esses gaúchos não pagam um real de imposto para Mato Grosso, diz Júlio Campos

Publicado

O ex-governador Júlio Campos (DEM) concordou com o posicionamento do senador eleito Jayme Campos (DEM), que defende a taxação do agronegócio como uma das soluções para o deficit orçamentário do Estado, em 2019. Segundo Júlio, o Estado tem que cobrar dos “gaúchos” que exploram as terras de Mato Grosso e estão bilionários, sem pagar o imposto dos produtos vendidos no mercado interno.

“Tem que cobrar do agronegócio, esses gaúchos que vieram para Mato Grosso não pagam um real de imposto para o Estado, estão podres de ricos, você paga mais imposto que Blairo Maggi e Eraí Maggi, eles estão bilionários, e o povo pobre não tem saúde, educação e não tem segurança, até quando vamos continuar? O que acontece, o produto que sai do agronegócio, 70% é importado, isto é isento por Lei Federal – pela Lei Kandir, mas os 30% que eles vendem aqui, não deve ser isento, tem que pagar. Então, essa é a tese que Jayme Campos defende”, argumentou.

O democrata afirmou que 25 ou 30 empresários do setor mentem que exportam toda a produção, mas na verdade investem no mercado interno. “Esses 25 ou 30 produtores que não pagam o imposto mentem que exportam tudo que produz, mas na verdade industrializa em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Amazonas e vendem no mercado interno.”

Leia mais:  Reeducandos realizam manutenção na Creche Estadual Maria Eunice

Júlio Campos ainda alertou sobre a necessidade do governador eleito, Mauro Mendes (DEM) enfrentar estes empresários, e assumir o desafio de cobrar os impostos: “Ou o Mauro Mendes seja homem de assumir o Governo com postura de executar os devedores, ou então, o Estado está acabado, ele vai ser pior do que o Pedro Taques, a situação do Estado é grave, o débito de Mato Grosso é de R$ 4 bilhões.”

O Democrata destacou que a classe é privilegiada pela Lei que os isentam de pagar ICMS e outros impostos. “Não pagam ICMS, não pagam PIS, não pagam Pasep, não pagam imposto de renda, são os privilegiados.”

Júlio afirmou também, que os valores pagos ao Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) ainda não são os ideais: “Tem que recolher no mínimo de 12 a 17% do que eles produzem para Mato Grosso, sabe quanto Mato Grosso vai arrecadar se cobrar esse custo? R$ 6 bilhões à mais, com esse valor não tem problema de saúde, de segurança e Mato Grosso vai ser um Estado feliz e vai voltar a ter estradas boas. Não tem dinheiro hoje para investir, se continuar desse jeito, 1% só que sobra, só ficarão fazendo benefícios para os agros.”

Leia mais:  Sistema que reunirá ações municipais, estaduais e federativas de saúde é tema de oficina

Já sobre a “queda de braço” entre Mauro Mendes e Pedro Taques (PSDB), que discordam quanto a permanência ou não do Fethab 2, Júlio Campos, sugeriu: “Se o Pedro Taques se acovardar e não mandar a mensagem reformulando o Fethab 2, Mauro Mendes assim que assumir, convoca extraordinária e vota, os deputados estão dispostos a votar. O Pedro não vai fazer picuinha de não aceitar isso, o Taques pode ter todo defeito, mas acho que ele não é ladrão, nem incompetente.”

Por: Adriana Assunção/VG Notícias

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Servidor é preso por roubar pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras

Publicado

Foram desviados pelo menos 12 pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 35 mil.

Um servidor público suspeito de desviar pneus de veículos da prefeitura de Barra do Garças, a 516 km de Cuiabá, prestou esclarecimentos na delegacia do município. Segundo a Polícia Civil, ele deve responder pelo crime de peculato.

As investigações começaram no dia 22 de março, quando o prefeito Adilson Gonçalves de Macedo registrou um boletim de ocorrência denunciando o suposto desvio.

O delegado Wilyney Santana Borges disse que várias buscas foram realizadas, até que o suspeito acabou confessando o crime. Em depoimento, ele contou que os pneus foram repassados para um comerciante como parte do pagamento na aquisição de um carro dele de luxo.

Os pneus desviados eram de veículos da Secretaria Municipal de Urbanismo.

De acordo com a polícia, nas investigações, foi apurado que pneus adquiridos para serem utilizados nas automóveis da secretaria foram desviados nos meses de novembro e dezembro de 2020, por um servidor  que exercia funções no setor de frotas da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Leia mais:  4º Batalhão da PM comemora 29 anos com redução em números da criminalidade

Segundo o delegado, os indícios apontados no inquérito indicam que foi possível constatar o desvio de pelo menos 12 pneus novos utilizados em caminhões e retroescavadeiras, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 35 mil.

A Polícia Civil informou que o investigado pela venda dos pneus deverá responder ação penal pelo crime de peculato, vez que na época dos desvios, exercia o cargo de funcionário público. Já o comerciante que recebeu os pneus desviados, em troca de pagamento, responderá pelo crime de receptação.

A delegacia de Barra do Garças continua as investigações para saber se havia a conivência ou participação de outros servidores municipais, envolvidos no caso dos pneus desviados.

Por G1 MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana