conecte-se conosco


Esportes

Entenda como bilionário egípcio ligado à Coreia do Norte lucra com o Brasileirão

Publicado


Naguib Sawiris, o bilionário egípcio que consegue lucrar com Brasileirão
Reprodução

Naguib Sawiris, o bilionário egípcio que consegue lucrar com Brasileirão

O bilionário egípcio Naguib Sawiris
é dono de uma das maiores fortunas do mundo, segundo a revista Forbes, e ainda consegue lucrar com Brasileirão. Mas como assim? De acordo com a Folhapress, o magnata africano é o principal investidor por trás da Riza Capital
, empresa que coordena os investimentos para exploração dos direitos do Campeonato Brasileiro no exterior.

Leia também: Média de público do Brasileirão 2018 é a maior em 30 anos; Flamengo lidera

Além de lucrar com Brasileirão
, Sawiris ainda tem um patrimônio estimado em R$ 16 bilhões, sendo reconhecido no mundo todo por fazer negócios dentro da Coreia do Norte, considerado o país mais fechado do planeta.

Sawiris já foi apontado, inclusive, como um dos raros estrangeiros com “acesso sem precedentes às lideranças” da Coreia do Norte, de acordo com o The Wall Street Journal.

Segundo informações da FanFoot, fundo de investimentos dos EUA e detentora dos direitos do Brasileirão no exterior, a Riza Capital está ajudando a captar investidores brasileiros e estrangeiros na operação.

Os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro ficaram a cargo da FanFoot para fora do país a partir do último mês de setembro, quando a empresa comprou a BR Foot Mídia, que não participou da licitação da CBF, mas assina os contratos de R$ 550 milhões para transmissão do torneio.

Leia mais:  Granada surpreende, bate Barcelona e dorme na liderança do Espanhol

Leia também: Árbitro de Internacional e Santos se exalta e vai pra cima de dirigente Colorado

Marco Gonçalves, fundador e CEO da Riza Capital, confirmou à Folhapress a participação de Naguib Sawiris no no momento de criação da empresa, em 2017, quando o egípcio fez um grande aporte financeiro. 

Documentos da Junta Comercial de São Paulo mostram que, no momento em que a CBF anunciou que a BR Foot Mídia havia chegado a um acordo com 18 clubes da Série A do Brasileiro para assinatura do contrato, a Riza aumentou seu capital social de R$ 1,7 milhão para R$ 26,7 milhões, com o valor aportado por Sawiris.

Essa não é a primeira vez que o egípcio mostra interesse no futebol. Em setembro de 2015, ele adquiriu os direitos de transmissão do Campeonato Egípcio. “As pessoas estão aborrecidas com os políticos, mas nunca estarão aborrecidas com o futebol”, disse à imprensa local na ocasião.

Além de lucrar com Brasileirão


Naguib Sawiris, o bilionário egípcio que consegue lucrar com Brasileirão
Reprodução

Naguib Sawiris, o bilionário egípcio que consegue lucrar com Brasileirão

A proximidade do investidor com a Coreia do Norte começou em 2008, quando ele construiu a primeira rede de telefonia móvel no local, em parceria com a ditadura do país asiático. O bilionário se aproximou do ditador Kim Jong-il, que governou o país de 1994, após a morte do seu pai, Kim Il-sung, até 2011, quando morreu.

Leia mais:  Cristiano Ronaldo revela mágoa com Florentino Perez em saída do Real Madrid

A morte do ditador não mudou a relação de Sawiris com a Coreia do Norte, mesmo após Kim Jong-un, filho de Kim Jong-il, virar o líder e não permitir que o egípcio repatriasse seus lucros.

Leia também: Com a chancela do ex-jogador Zé Roberto, Bundesliga lança campanha no Brasil

Na capital Pyongyang, Sawiris ainda investiu na construção de um hotel gigantesco em forma de pirâmide, colocou R$ 500 milhões em uma empresa de cimento e criou um banco para ajudar a transferir fundos para dentro e fora do país, fato que era impossível por conta das sanções impostas pela ONU.

Por conta disso, o egípcio que consegue lucrar com Brasileirão
ainda ofereceu conselhos ao presidente americano Donald Trump sobre como se comportar no encontro com o ditador Kim Jong-un, em 2018. “Não o intimide e prometa prosperidade em troca de concessões nucleares”, disse. 

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Apresentado, Rogério Ceni cita Zico e promete Flamengo ofensivo

Publicado

Apresentado à torcida e à imprensa como técnico do Flamengo, Rogério Ceni prometeu um time agressivo, “com o máximo de atacantes possível”. Na entrevista coletiva que concedeu nesta terça-feira (10) à tarde, pouco antes de comandar a primeira atividade no Ninho do Urubu, o treinador enalteceu o elenco que terá à disposição para trabalhar.

“O que importa é que os atletas se sintam à vontade. A longo prazo, temos que seguir o estilo do Flamengo, que é de um time ofensivo, que marca à frente e gosta da posse de bola. Se tenho bons jogadores em uma mesma posição, tenho de encontrar um jeito de colocá-los para jogar. O problema é que aqui tem muitos bons em várias posições, então alguém acaba ficando fora. Você pode usar o [Giorgian De] Arrascaeta e o Everton [Ribeiro] pelos lados. Pode usar Bruno [Henrique], Gabriel [Barbosa, o Gabigol] na frente. Ainda tem Vitinho, Pedro, Pedro Rocha, Michael. Essa [ataque] é a área que mais gosto de mexer, pois libera a criatividade. Além de um meio-campo que tem Gerson, [Thiago] Maia, [William] Arão e outros tantos jovens da base”, descreveu Ceni.

O técnico Rogério Ceni visita as instalações do Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo.

Se no ataque sobram opções, a defesa tem sido uma dor de cabeça no Flamengo. O time carioca sofreu 29 gols em 20 partidas pela Série A do Campeonato Brasileiro – oito apenas nas duas últimas partidas do torneio, nas derrotas por 4 a 1 para o São Paulo e 4 a 0 para o Atlético-MG. Somente o Goiás, que é o último colocado, foi mais vazado que o Rubro-Negro, que ocupa o terceiro lugar.

Leia mais:  Deputado federal do PSL propõe ‘Lei Neymar da Penha’ contra denúncias caluniosas

“Só amanhã [quarta-feira, dia 11] é que vamos poder responder, mas acho que erro defensivo é fruto de [erros de] sistema de jogo. A crítica existe a um determinado jogador ou outro, principalmente zagueiros, goleiros, enfim. Quando se tem um número elevado de gols sofridos, temos que tentar ajustar, com a colaboração de todos. Aqui a gente vem para gerar ideias e colocar situações para os atletas. São eles que vão resolver dentro de campo”, avaliou o técnico, já projetando a possível estreia no comando do Rubro-Negro, diante do São Paulo, às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Ceni é o substituto do catalão Domènec Torrent, demitido após a goleada sofrida para o Atlético-MG no último domingo (8). O ex-goleiro deixou o comando do Fortaleza após cerca de três temporadas no clube – com uma rápida passagem pelo Cruzeiro no período. Pelo Leão do Pici, foi bicampeão cearense e conquistou os títulos da Copa do Nordeste e da Série B do Brasileirão, com 60% de aproveitamento em 153 jogos.

Leia mais:  Cristiano Ronaldo revela mágoa com Florentino Perez em saída do Real Madrid

“Primeiro, sou muito agradecido ao Fortaleza. Eu sei que o torcedor fica triste e eu, logicamente, deixo parte do meu coração em Fortaleza. Mas acho que ele compreende o tamanho do desafio. Um convite do Flamengo, no momento que o Flamengo vive, é difícil de recusar”, disse o treinador, que revelou ter contatado o ex-jogador Zico, maior ídolo rubro-negro, antes de assumir o cargo.

“Esse é meu 30º ano trabalhando com futebol. Já enfrentei muitas vezes o Flamengo. Vi Maracanã com casa cheia, vi Zico, Júnior, e tantos craques da história do Flamengo. Até mandei uma mensagem ao Zico antes de chegar aqui, se ele me permitia a entrada. É um cara por quem tenho um fanatismo grande, talvez pela relação com as faltas. É um ícone do futebol brasileiro, um cara único. Ele me respondeu do Japão. Então, eu me sinto com permissão de sentar nessa cadeira”, declarou Ceni, que assinou contrato até dezembro do ano que vem.

Confira a classificação da Série A do Campeonato Brasileiro aqui.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana