conecte-se conosco


Mato Grosso

Empresários são conduzidos à delegacia por fabricação ilegal de reboques

Publicado

Nesta quarta-feira (19), foram presos em Juína os empresários E.P.S. e R.P.S., sócios proprietários da empresa Procópio Carretas e Artefatos de metal, especializada na fabricação de reboques, que produzia os equipamentos com nota fiscal de uma empresa de Goiânia/GO. Os empresários irão responder pelo crime de falsidade ideológica.

De acordo com a equipe da Coordenadoria de Fiscalização de Credenciados (Cfisc) do Detran, após denúncias, houve uma investigação preliminar em que foi solicitado informações  sobre a fabricação dos equipamentos. O proprietário afirmou que os reboques, ou carretinhas, como são conhecidos, seriam fabricados por ele mesmo, bem como a marcação de chassi.

Para constatar as informações, as equipes da Unidade Setorial de Correição e a Cfisc do Detran, em conjunto com a Polícia Civil, Militar e Politec de Juína, realizaram fiscalização na empresa e foram constatados a presença de vários modelos de reboques produzidos de forma irregular, contrariando a Portaria do Detran Nº 22/1999, tendo em  vista que a empresa não é credenciada ao órgão e não segue as regras estipuladas pela  Portaria.

Leia mais:  Projeto de Reestruturação de Hospitais Públicos integra agenda da Secretaria de Saúde

A empresa também não possui o certificado de segurança veicular, expedido por entidade credenciada ao INMETRO, e nem um engenheiro legalmente habilitado pelo CREA para assinar os reboques fabricados, contrariando a Resolução do Contran Nº 63/1998.

A equipe encontrou no local vários veículos sem numeração de chassi e outros sem numeração de motor, além de verificar várias irregularidades que contrariam a legislação vigente. Os suspeitos foram conduzidos à delegacia de Juína para esclarecimento dos fatos apurados.

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Fantástico denuncia hospital sem álcool em gel, sabão e toalha

Publicado

por

MATO GROSSO

A reportagem revelou que num hospital na cidade de Rondonópolis os profissionais de saúde não tem nem mesmo álcool em gel, papel toalha e sabão. É mostrando um vídeo gravado pelos profissionais mostrando a falta dos produtos básicos para conter a pandemia.

O Fantástico teve acesso com exclusividade aos relatos colhidos pela Associação Médica Brasileira e e pelo Conselho Federal de Enfermagem nas duas últimas semanas. Ao todo, são quase cinco mil denúncias e elas vêm de profissionais de todos os estados do país. São pedidos de orientação e de fiscalização de norte a sul do país, em hospitais públicos e particulares.

Comentários Facebook
Leia mais:  Governo e UNICEF capacitam gestores municipais para atender crianças
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana