conecte-se conosco


Polícia

Empresário denuncia que facções compram postos em MT para “lavar dinheiro”

Publicado

O presidente do SindiPetróleo (Sindicato do Comércio Varejista de Derivado de Petróleo de Mato Grosso), o empresário Aldo Locatelli, denunciou hoje (23) a existência de postos de combustíveis pertencentes à facções criminosas, como o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital (PCC), em Mato Grosso. A afirmação foi feita durante explanação feita à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal, da Assembleia Legislativa.

O empresário falava sobre as dificuldades que os empresários do ramo de combustíveis têm em disputar o mercado com aqueles que praticam a sonegação fiscal, quando acabou mencionando a existência destes postos, supostamente, pertencentes à facção criminosa.

“Aqui tem postos dos Comando Vermelho. São Paulo tem mais de 150 postos do PCC e isso é intolerável, porque eles vendem barato”, denunciou o presidente.

O presidente do Sindipetroleo explicou que, na capital paulista, os postos comandados pela facção são, inclusive, caracerizado. “Em São Paulo eles tem, me parece, que um caso de flores, que não é só para enfeitar, mas para identificá-los”, explicou.

Leia mais:  Homem é rendido por populares após tentativa de assalto em Cáceres/MT.

Locatelli colocou ainda que o “investimento” das facções em postos de combustíveis tem o objetivo de “lavar dinheiro” arrecadado com o crime organizado. “Aqui em Cuiabá temos a informação que são três ou quatro postos dessas facções. Mas não posso entrar muito em detalhes até por questão de segurança”.

CRÍTICAS AO MPE 

Locatelli também criticou a interferência do Ministério Público do Estado (MP) em relação à tabela de preços no comércio de combustíveis. Isso porque, em suas palavras, o órgão acaba forçando os empresários a venderem no mesmo preço que empresas sonegadoras de impostos e que adulteram o produto comercializado, o que dificulta a sobrevivência daquelas que obedecem à legislação fiscal.

No início deste mês, o MP divulgou que, graças à sua atuação, postos de combustíveis de Cuiabá estavam limitados a praticar o limite máximo de 20% de lucro ao comercializar combustíveis. O órgão explicou que isso foi garantido por meio de ações judiciais propostas em 2006 e 2007 e que transitaram em julgado – quando já não cabe mais recursos – em 2017.

Leia mais:  Operação combate a pirataria e apreende produtos falsificados em comércio da Capital

MAIS BARATO

O empresário também afirmou que possui empresas em outros estados do país, onde os preços são melhores. “Eu tenho hoje mais postos fora de Mato Grosso. Hoje, eu vendo óleo diesel no Paraná mais barato do que eu compro aqui e ganhando mais”.

Locatelli atribuiu à carga tributária de Mato Grosso a diferença de preços.

A CPI

A CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal foi instalada na Assembleia Legislativa no mês de fevereiro. Esta é a terceira vez que a Casa instaura inquérito para investigar o tema nos últimos cinco anos. A autoria da CPI é do deputado estadual Wilson Santos (PSDB).

Até o momento, as especulações são de que o Estado de Mato Grosso perde R$ 3 bilhões anualmente devido à soma de renúncias fiscais e sonegação de impostos. No setor de combustíveis, estima-se que os cofres percam, anualmente, cerca de R$ 300 milhões.

 

Por: Folhamax

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Gefron intensifica barreira para impedir entrada de estrangeiros em Mato Grosso

Publicado

por

O Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron-MT) vai reforçar a atuação policial em toda faixa que liga o Brasil com a Bolívia. A medida visa restringir, de forma excepcional, a entrada de estrangeiros em Mato Grosso e evitar a propagação do coronavírus (Covid-19).

Com o empenho da tropa do grupamento e da Polícia Militar (PM-MT), a vigilância será contínua nos postos de fiscalização e por meio de barreiras volantes. A intensificação das ações atende à Portaria 125, de 19 de março deste ano, do Governo Federal.

A medida restritiva é de caráter excepcional e temporária no prazo de 15 dias, podendo ser prorrogado.

No período estão proibidos a entrada de cidadãos da Bolívia, Argentina, Colômbia, República Francesa, Paraguai, Peru, Suriname e Guiana. O trabalho será desenvolvido dentro “Operação Hórus”, do Programa Vigia, do Ministério da Justiça e Segurança Pública

“Vamos aumentar nosso efetivo de policiais atuando na fronteira para cumprir a determinação do Governo Federal. Já desempenhamos um trabalho periódico de enfrentamento aos crimes transfronteiriços e agora vamos intensificar ainda mais”, afirma o comandante do Gefron, tenente-coronel PM, Fábio Ricas.

Leia mais:  Investigação da Polícia Civil leva a operação e descobre crimes ligados a grupo de extermínio

A base operacional do grupamento fica no município Porto Esperidião. Outros pontos de fiscalização estão distribuídos na região do Matão (no município de Pontes e Lacerda), Vila Cardoso, Avião Caído (em Cáceres), Canil Integrado (Cáceres).

A portaria traz algumas exceções. Fica autorizada a entrada de brasileiro, nato ou naturalizado, imigrante com prévia autorização de residência definitiva em território brasileiro, profissional estrangeiro em missão a serviço de organismo internacional, desde que devidamente identificado, funcionário estrangeiro acreditado junto ao Governo brasileiro.

A restrição de que trata esta portaria não impede o livre tráfego do transporte rodoviário de cargas, na forma da legislação vigente, a execução de ações humanitárias transfronteiriças previamente autorizada pelas autoridades sanitárias locais, o tráfego de residentes de cidades gêmeas com linha de fronteira exclusivamente terrestre.

O descumprimento das medidas disciplinadas nesta portaria implicará em responsabilização civil, administrativa e penal do agente infrator, a deportação imediata e a inabilitação de pedido de refúgio.

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana