conecte-se conosco


Entretenimento

Em ensaio fotográfico, Isis Valverde faz topless e mostra o barrigão de grávida

Publicado

Isis Valverde é uma das famosas grávida
em 2018! A espera de seu primeiro filho, Rael, fruto do seu relacionamento com André Resende, a atriz está com trinta e oito semanas de gestação e fez um ensaio de gravidez
para marcar essa etapa da sua vida. Em seu Instagram, a morena compartilhou com seus seguidores nesta segunda-feira (29) um novo clique do ensaio, dessa vez, a musa está fazendo topless e usando uma saia branca em meio a um cenário tropical. 

Leia também: Selecionamos as fotos mais maravilhosas da gravidez de Isis Valverde


Grávida de trinta e oito semanas, Isis Valverde compartilha ensaio fazendo topless
Reprodução/Instagram

Grávida de trinta e oito semanas, Isis Valverde compartilha ensaio fazendo topless

Isis Valverde
, que teve seu último trabalho na TV atuando como Ritinha, na novela “A Força do Querer”, a atriz recebeu diversos elogios dos seus fãs ao compartilhar a foto. “Ensaio no coração da floresta”, escreveu a atriz na legenda. 

“Já era linda agora sendo mais ainda. Amei a ideia “Salve A Natureza”. Você não poderia ter escolhido outro. Amei”, disse uma seguidora. “Mais é muito linda. Muita saúde para vocês dois e que você tenha um parto seja cheio de luz e maravilhoso”, falou outra. “Uma deusa maravilhosa. Parabéns minha flor, você ficou ainda mais linda grávida”, completou outra. 

Leia mais:  Família de Gugu quer expulsar irmão de viúva da casa nos EUA

Leia também: De biquíni, Isis Valverde mostra evolução da barriga na gravidez

Durante toda a sua gravidez, Isis compartilhou diversos momentos sensuais e belos. Os cliques foram desde momentos praticando yoga e de biquíni até curtindo a sua cidade natal deixando a barriga de fora e apostar no estilo de Ritinha posando em meio a natureza usando uma saia longa e um top. 

Isis Valverde fala sobre sexo durante a gravidez


Gravidez de Isis Valverde gera belas fotos da atr5iz
Reprodução/Instagram

Gravidez de Isis Valverde gera belas fotos da atr5iz

Em entrevista à colunista Marina Caruso, do jornal O Globo
, nesta segunda-feira (29), a estrela falou que manteve o libído durante toda a sua gestação

“Mesmo com o barrigão, mantivemos o pique. Na consulta, quando a médica disse ‘a criança já encaixou a cabeça’, meu marido mudou de cor (risos). Eu falei: ‘Para de falar isso perto dele’. Homem não entende, tem medo de machucar a criança”, falou sobre o relacionamento com o marido. 

Leia também: Conta misteriosa de yoga faz sucesso entre famosas como Isis Valverde

Isis Valverde
também revelou que pretende ter o filho de parto natural. “Cesárea só será uma opção caso algo dê errado, haja algum risco. A cirurgia me apavora. Odeio agulha. Tenho mixed feelings. Tem dias em que quero que chegue logo. Depois, penso: ‘Ai, não, que medo’”, revelou. 

Leia mais:  Em “Bom Sucesso”, Paloma é hostilizada ao saber que está saudável

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Após polêmica com Loreto, Marina Ruy Barbosa é “ameaçada” por Juliana Paes

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Manu Gavassi revela que “não dá para ser hétero no Brasil”

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana