conecte-se conosco


Entretenimento

Em casa e sem roupas, top Daiane Sodré compartilha série de fotos na internet

Publicado

O fim de semana chegou e a top Daiane Sodré aproveitou a sexta-feira (19) para abusar da sensualidade e compartilhar alguns cliques para lá de provocantes em sua conta do Instagram
. Completamente nua em sua cama, diante do espelho, a top baiana chamou atenção da web.

Leia também: De férias em Ibiza, Alessandra Ambrósio posa como veio ao mundo e recebe elogios


Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram
Reprodução / Instagram

Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram

À vontade, Daiane Sodré
deixou seu corpão à mostra, porém, recatada ela também fez questão de cobrir sua intimidades na série de fotos que compartilhou. “Bedtime stories”, escreveu na legenda de sua publicação no Instagram. Em tradução literal, a modelo
quis dizer: “Hora de dormir”, dando a entender que, apesar do sol latente entrando pela janela, ela estava indo descansar.

Leia também: Mais que um rostinho bonito: as modelos que se tornaram apresentadoras de TV

Em pouco tempo de sua publicação, as selfies de Daiane já detém centenas de likes e incontáveis comentários. Dona de uma fã base forte, com mais de 200 mil seguidores, a modelo recebeu uma série de elogios picantes, provocantes e eróticos em suas fotos.

Leia mais:  Modelo Naomi Campbell posta selfie fazendo topless

Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram
Reprodução / Instagram

Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram

“Essas fotos são absolutamente inacreditáveis! Incríveis”, elogiou um internauta. “Gostosa, você é obra prima mais linda de todas”, comentou um segundo seguidor com tom poético. “Esses nudes eu não recebi”, brincou um terceiro fã da top com fama internacional.

O histórico de Daiane Sodré


Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram
Reprodução / Instagram

Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram

Natural de Baixa Grande, no interior da Bahia, a top foi descoberta por ninguém mais, ninguém menos, que Dilson Stein, o olheiro responsável por lançar grandes nomes do mundo da moda como Carol Trentini, Alessandra Ambrósio e Gisele Bündchen.

Considerada até uma forte candidata a sucessora de Bündchen, Daiane chegou a fazer uma participação na saudosa novela “Verdades Secretas”, na qual brilhou durante um dos desfiles que rolaram na trama.


Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram
Reprodução / Instagram

Daiane Sodré posta série de fotos no Instagram

Leia também: Polícia divulga autópsia do caso de modelo da Playboy e ex-marido se pronuncia

Leia mais:  Graciele Lacerda conta aos fãs que nunca teve intenção de ficar com Zezé

No ano seguinte, em 2016, Daiane Sodré
chegou a ser alvo de rumores após a informação de que ela estaria namorando o cantor Joe Jonas – atualmente noivo da atriz Sophie Turner – circularam pela internet. Se foi verdade ou não, até hoje não se sabe, o romance não foi confirmado e nem negado pelo suposto casal.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

A Voz do Brasil faz 85 anos

Publicado

O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

Leia mais:  Nova emissora: CNN estreia no Brasil em março de 2020

Vida longa

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF.
Inauguração da transmissão do programa A Voz do Brasil, Brasília, DF. – Arquivo Nacional

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Leia mais:  Cantor Eduardo Costa detona ex-mulher que pede reajuste de pensão para a filha

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil 

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana