conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Dólar dispara e fecha acima de R$ 5,70 pela 1ª vez, em dia de decisão do Copom

Publicado

Do CNN Brasil Business, em São Paulo

O dólar fechou acima de R$ 5,70 pela primeira vez na história nesta quarta-feira (6), em mais um dia em que o real liderou as perdas entre as principais moedas globais. O recorde foi marcado pouco antes de um provável novo corte de juros pelo Banco Central e após agência de classificação de risco Fitch rebaixar a perspectiva para a nota de crédito do país, citando renovada incerteza política.

No exterior, uma perda recorde nos empregos do setor privado nos Estados Unidos também colaborou para a aversão a risco.

A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 2,03%, a R$ 5,7035 na venda, nova máxima recorde nominal (sem considerar a inflação). No pico durante as negociações, a cotação foi a R$ 5,7072.

Na véspera, após o fechamento dos mercados locais, a agência de classificação de risco Fitch Ratings revisou para “negativa” a perspectiva para a nota de crédito soberana do Brasil, mencionando deterioração econômica e fiscal.

A revisão, segundo a agência, reflete riscos relacionados a tensões políticas e incertezas quanto à duração e intensidade da pandemia no país.

Leia mais:  Festival do Chopp começa hoje com show nacional de Jorge Aragão

De acordo com a agência Infinity Asset, o rebaixamento pode significar que o pior ainda está por vir: “outras agências tendem a seguir diretrizes ainda mais duras para as próximas classificações de risco.”

Expectativa de corte na Selic

Ao mesmo tempo em que reagiam à mudança na perspectiva da nota do Brasil, os mercados aguardavam o resultado da reunião de política monetária do Copom, com ampla expectativa de corte da Selic a nova mínima histórica de 3,25%.

Analistas citaram a perspectiva de outra redução como fator de pressão sobre o real, uma vez que juros menores prejudicam o rendimento de ativos locais atrelados à Selic, tornando o Brasil menos atraente para o investidor estrangeiro quando comparado a países de risco semelhante e maior rentabilidade.

Além disso, amargando o sentimento nos mercados internacionais, dados desta quarta-feira mostraram que os empregadores do setor privado dos Estados Unidos demitiram um recorde de 20,236 milhões de trabalhadores em abril, depois que o fechamento obrigatório dos negócios em resposta ao surto de coronavírus devastou a economia.

Leia mais:  Bolsonaro sanciona, com veto, Plano Plurianual

No exterior, divisas arriscadas, como rand sul-africano e peso mexicano apresentavam queda contra o dólar.

Na véspera, o dólar fechou em alta de 1,23%, a R$ 5,5902 na venda. Apenas em 2020, a moeda acumula ganhos de quase 40%.

Nesta quarta-feira, o Banco Central ofertou até 10 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em setembro de 2020 e janeiro de 2021.

*Com Reuters

 

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

EUA antecipam suspensão de viagens do Brasil; medida começa nesta terça

Publicado

por

Marcelo Favalli, da CNN em Nova York

A Casa Branca anunciou, no começo da noite de hoje, que a restrição de entrada de brasileiros nos Estados Unidos passa a vigorar às 23h59 de terça-feira, no horário de Washington (0h59 de quarta-feira, no horário de Brasília).

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Foto: Joshua Roberts/Reuters

A medida também afeta passageiros de qualquer nacionalidade que tenham passado pelo Brasil nos últimos 14 dias. Pessoas que tenham nacionalidade americana e residentes nos Estados Unidos estão liberados.

O anúncio de hoje antecipa a medida em dois dias. O governo federal americano não explicou por que mudou a data para a norma entrar em vigor. A administração do presidente Donald Trump também não estabeleceu uma data limite para o fim da norma.

Comentários Facebook
Leia mais:  Bolsonaro sanciona Lei de Abuso de Autoridade com 36 itens vetados
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana