conecte-se conosco


Economia

Dinheiro sem fim: fortuna de bilionários brasileiros cresceu 27% na pandemia

Publicado

Mesmo durante a crise econômica causada pela pandemia de Covid-19, os 73 bilionárias da América Latina e do Caribe ficaram ainda mais ricos. Um estudo mostrou que os que têm patrimônio acima de US$ 1 bilhão na região aumentaram suas fortunas em 17%, o equivalente a US$ 48,2 bilhões.

Só no Brasil, os 42 bilionários aumentaram suas fortunas em US$ 34 bilhões e agora têm, juntos, um patrimônio de US$ 157,1 bilhões. O aumento foi de 27% no período.

O relatório Quem Paga a Conta? – Taxar a Riqueza para Enfrentar a Crise da Covid na América Latina e Caribe, divulgado hoje (27) pela Oxfam, leva em consideração dados de março a junho deste ano. Os cáculos foram feitos com base em daos da Forbes, que publica a lista anual de bilionários e tem um ranking que acompanha as fortunas em tempo real.

O montante ganho pelos bilionários da América Latina e Caribe no período equivale a um terço do total de recursos previstos em pacotes de estímulos econômicos adotados por todos os países da região.

“Ser extremamente rico na região significa estar praticamente imune a esta crise econômica”, diz o relatório. No documento, a diretora executiva da Oxfam Brasil, Katia Maia, diz que “enquanto a maioria da população se arrisca a ser contaminada para não perder emprego ou para comprar o alimento da sua família no dia seguinte, os bilionários não têm com o que se preocupar”.

Leia mais:  Indicador econômico mostra que investimentos caíram 27,5% em abril

Conforme mostra a organização, desde o início das medidas de distanciamento social para combater a disseminação da covid-19, oito novos bilionários surgiram na região, ou seja, um a cada duas semanas. Enquanto isso, a estimativa é que 40 milhões de pessoas devem perder seus empregos e 52 milhões vão entrar na faixa de pobreza na América Latina e Caribe em 2020.

Reforma tributária

Segundo a organização, no Brasil, a discussão da reforma tributária não tem levado em conta a necessidade de reestruturar o sistema para que haja a redução das desigualdades e para torná-lo mais progressivo.

Os debates, em andamento no Congresso Nacional, têm tratado da simplificação da tributação sobre o consumo, o que, segundo a Oxfam, não resolve as distorções do sistema no qual quem ganha menos paga proporcionalmente mais imposto do que quem ganha muito. “Ninguém parece ter a intenção de tocar nos privilégios dos mais ricos, que nunca pagaram uma parte justa de impostos. É como se a maioria da população não tivesse o direito a uma vida digna”.

Leia mais:  Copom reduz juros básicos da economia para 2% ao ano

Com o desenho atual de impostos sobre patrimônio nos países da América Latina e Caribe, a região arrecadria um total máximo de US$ 281 bilhões dos bilionárias da região. Uma estimativa conservadora, segundo a Oxfam, mostra que se fosse aplicado um imposto extraordinário sobre as grandes fortunas, com caráter progressivo, entre 2% e 3,5% em cada país, sobre os patrimônios acima de US$ milhão, seria possível arrecadar até US$ 14,26 bilhões, cinquenta vezes mais.

Para a Oxfam, a recuperação dos impactos da Covid-19 implica uma reconstrução social e econômica do país. A ONG defende uma reforma tributária “justa e solidária, que enfrente as distorções e privilégios existentes no sistema tributário nacional e que tenha como uma de suas prioridades a redução das desigualdades”.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Contribuintes podem parcelar impostos em até 10 vezes no cartão

Publicado

A Câmara de Cuiabá aprovou, nesta terça-feira (29), o uso do pagamento de tributos da Prefeitura de Cuiabá com cartões de débito de crédito.

O projeto de lei, apresentado em 2019 pelo então vereador Adilson Levante (PSB), permite ainda o parcelamento dos débitos com o municíos em até 10 vezes no crédito. Neste caso, não está incluindo o Imposto Territorial Urbano (IPTU) por já possuir desconto.


No projeto, o parlamentar justificou que o cartão é um meio de facilitar a transação e pagamento dos impostos.

“De um lado, a prefeitura poderá receber imediatamente o valor do tributo por meio do cartão de crédito, especialmente no parcelamento de dividas fiscais, sem o risco do devedor desistir do pagamento com o decorrer do tempo”, justifica.

Além disso, também foi proposto a regulação do pagamento dos tributos municipais, nos caixas eletrônicos e pela internet.

Comentários Facebook
Leia mais:  Receita abre hoje consulta a segundo lote de restituição do IR 2020
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana