conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Dia de todos os Santos teve origem na Antioquia, no século IV, diz CNBB.

Publicado

O arcebispo emérito de Mariana (MG) e presidente para a Comissão Especial para a Causa dos Santos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Geraldo Lyrio da Rocha falou ao portal da CNBB sobre o dia de Todos os Santos, festa que teve origem na Antioquia, no século IV, com a celebração de todos os mártires.

“O dia de Todos os Santos é 1º de novembro. A Igreja Católica transfere a celebração deste dia para o domingo seguinte”, reforça dom Geraldo, que foi eleito presidente da CNBB em maio de 2007, na 45ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, em Itaici (SP), cumprindo seu mandato até 2011.

O religioso acentua que o sentido desta solenidade, introduzida em Roma no século VI, está explicitado na oração da Missão de Todos os Santos: “Numa só festa, celebramos os méritos de todos os Santos e Santas”. Desta forma, a liturgia reúne numa só solenidade os santos venerados ao longo do ano, assim como os demais que não comparecem no calendário litúrgico, incluindo também a multidão daqueles que já chegaram à glória do céu.

Leia mais:  Carnaval não é feriado nacional e falta no trabalho pode render até justa causa

Gaudete et Exultate – Dom Geraldo lembra que, com essa celebração, a Igreja recorda a santidade à qual os cristãos são chamados, como apresentao papa Francisco em sua Exortação Apostólica Gaudete et Exultate sobre o chamado à santidade no mundo atual: “O Senhor nos quer santos e espera que não nos resignemos com uma vida medíocre, superficial e indecisa” (GE, 1).

Atualmente, na CNBB, o bispo-emérito de Mariana, preside a Comissão Especial para as Causas dos Santos. Segundo ele, essa comissão, criada pelo Conselho Permanente da CNBB, tem como finalidade assessorar as dioceses e outras entidades que desejam introduzir (ou já introduziram) alguma causa de beatificação ou canonização junto aos órgãos competentes da Cúria Romana.

Também integram essa comissão dom Diamantino Prata de Carvalho, dom Giovanni Crippa, monsenhor Roberto Natali Starlino (assessor) e padre Leonardo José de Souza Pinheiro (secretário). Além de assessoria e informações, a comissão também promove cursos de preparação de peritos nessa matéria, bem como divulga as causas em andamento, informa sobre a situação em que se encontram as causas já introduzidas e programa outras iniciativas de acordo com as necessidades ou solicitações por parte das dioceses, congregações religiosas ou Institutos de Vida Consagrada.

Leia mais:  Final de MasterChef tem cantada em apresentadora e jurado 'grávido'

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

Telescópio Hubble divulga imagem inédita de nebulosa do Caranguejo do Sul

Publicado

por

Telescópio comemora 29 anos no espaço. Objeto cósmico é formado por duas estrelas desiguais.

O telescópio Hubble divulgou nesta quinta-feira (18) uma imagem inédita da nebulosa do Caranguejo do Sul para comemorar seus 29 anos no espaço.

A nebulosa é um dos muitos objetos que o Hubble desmistificou ao longo dos anos no espaço. Segundo o comunicado da Nasa e da Agência Europeia Espacial (ESA, na sigla em inglês), a nova imagem aumenta a compreensão sobre a nebulosa e demonstra as capacidades continuadas do telescópio.

Todo ano, para comemorar seu “aniversário”, o telescópio divulga uma nova imagem de seus objetos de estudo no espaço que sejam bonitos e significativos.

Par de estrelas forma a nebulosa

A nebulosa do Caranguejo do Sul tem estruturas aninhadas em formato de ampulheta e foi criada pela interação entre um par de estrelas no seu centro. O par desigual consiste em uma estrela gigante vermelha e uma estrela anã branca.

Uma estrela anã é pequena para ser qualificada como estrela, ou seja, tem massa menor e raio inferior às gigantes. É o tipo mais comum e o Sol é uma estrela anã. Já a estrela gigante é uma estrela de raio e luminosidade maiores.

Leia mais:  Final de MasterChef tem cantada em apresentadora e jurado 'grávido'

A gigante vermelha é uma estrela luminosa em fase avançada da evolução estelar.

No caso da nebulosa do Caranguejo do Sul, a estrela gigante vermelha está derramando suas camadas externas na última fase de sua vida antes de também viver seus últimos anos como uma anã branca. Parte do material que sai da gigante vermelha é atraído pela gravidade da sua companheira.

De acordo com a ESA, quando uma quantidade suficiente deste material é puxada para a estrela anã branca, ela também ejeta o material para fora em uma espécie de erupção, criando as estruturas da nebulosa. Eventualmente, a estrela gigante vermelha terminará este processo de eliminar suas camadas externas e parará de alimentar sua companheira. Antes disso, mais erupções podem ocorrer, criando estruturas ainda mais complexas.

A nebulosa foi descrita pela primeira vez em 1967, mas era considerada uma estrela comum até 1989, quando foi observada com ajuda de telescópios. A imagem resultante mostrou uma nebulosa extensa em forma de caranguejo, formada por bolhas simétricas de gás e poeira.

Leia mais:  Saúde mantém funcionamento nessa quinta-feira (01.11)

Em 1999, o Hubble voltou a fazer imagens da nebulosa revelando toda sua estrutura e sugerindo que o fenômeno que criou as bolhas externas ocorreu duas vezes no passado astronômico recente.

A nova imagem feita pelo Hubble contribui para o estudo da história de um objeto ativo e em evolução.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana