conecte-se conosco


Política

Deputados assinam termo de fomento para ajudar famílias de baixa renda

Publicado


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O primeiro-secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa (ALMT), deputado Eduardo Botelho (DEM), destacou a importância do termo de fomento celebrado entre a ALMT e a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), na segunda-feira (13), na Presidência, para a distribuição de cesta básica para famílias baixa renda.

Assinaram o termo os deputados Botelho, idealizador da ação, a deputada Janaina Riva (MDB) e o deputado Xuxu Dalmolin, além do presidente da Aprosoja, Fernando Cadore. O documento propõe a parceria, conforme o plano de trabalho discutido anteriormente com os deputados, para a consecução e doação de cestas básicas, buscando melhorar a qualidade de vida dos beneficiários carentes do estado, que passam por muitas dificuldades em detrimento aos impactos socioeconômicos causados pela pandemia do coronavírus.

Botelho agradeceu os deputados defensores das causas sociais. Lembrou que desde início da pandemia a Assembleia Legislativa enfrentou todas as situações para ajudar Mato Grosso a superar a pandemia. Um deles foi à criação do Observatório Socioeconômico, comissão especial que acompanhou os impactos negativos na economia, buscando soluções para ajudar, especialmente, os autônomos e microempreendedores.

Leia mais:  Sessão de Posse do Vereador Luís Cláudio nesta terça-feira

“Fizemos o atendimento aos pequenos empreendedores, que ficaram um tempo sem poder trabalhar por causa da pandemia. Investimos no Hospital Metropolitano, que foi ampliado e se tornou referência no tratamento de pacientes com Covid-19; teve o programa SER Família, instituído pelo governo, de iniciativa da Assembleia, o Desenvolve MT, o Fundo de Aval. Então, são inúmeras ações que partiram daqui. Temos ajudado muito os hospitais, implantamos três centros de vacinação. Enfim, estamos sempre trabalhando. E essa parceria com a Aprosoja é inusitada. Uma atitude nobre, vamos poder atender inúmeras pessoas com essa parceria”, destacou Botelho.

O projeto de distribuição dos alimentos faz parte do Agrosolidário, programa de responsabilidade social da Aprosoja, que tem mais de sete mil produtores filiados e, que prontamente, atendeu ao chamado dos deputados para a parceria.

Dessa forma, atuará na arrecadação mediante doação feita pelos associados, parceiros e apoiadores, com expectativa de conseguir recursos para a aquisição de até 50 mil cestas básicas, que serão distribuídas para os 47 municípios interligados aos núcleos da Aprosoja e que se enquadram no programa.

Leia mais:  Senador Eduardo Braga será relator da indicação de Aras à PGR

A deputada Janaína Riva também comemorou a ação. “Esse convênio é uma conquista para a população mato-grossense. A Assembleia entra com cinco milhões de reais e a Aprosoja com mais cinco milhões. É um trabalho para ajudar a combater a fome no estado, capitaneado pela Assembleia Legislativa, que partiu pela primeira vez do Botelho quando usou a tribuna para conclamar o setor produtivo a ajudar quem precisa. Vai levar conforto a muitas famílias!”, finalizou a parlamentar.

Cadore também ressaltou a ação. “Um estado tão próspero como Mato Grosso precisa diminuir a distância social. Sabemos que esse é um pequeno passo para ajudar as pessoas que tanto precisam e a Aprosoja é parceira do estado”.  

Dalmolin agradeceu a parceria e destacou as ações já consolidadas em defesa da população. “Quero agradecer a Assembleia que deu mais um passo importante multiplicando os pães. E pedir que outras entidades façam o mesmo”, disse, ao citar outra ação social que possibilitou a distribuição de álcool em gel e  equipamentos de proteção individual (EPIs).

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
publicidade

Política

Faissal apresenta projeto que efetiva alíquota de 12,5% para o etanol

Publicado


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O deputado estadual Faissal Calil (PV) apresentou na sessão da manhã desta quarta-feira (22), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT),  Projeto de Lei (PL) de n. 860/2021 que prevê a redução da alíquota de ICMS do etanol combustível no estado. O parlamentar quer reduzir a percentagem atual de 25% para 12,5%, formalizando assim o desconto de 50% no tributo atualmente aplicado pelo governo do estado.

O deputado aponta que a efetivação da alíquota cobrada pelo Estado atualmente é necessária, tendo em vista que o governo defende e “propagandeia” que Mato Grosso detém a menor tributação do país neste tipo de produto. Faissal destacou que não é concebível que Mato Grosso, sendo exportador de etanol, tenha seu cidadão pagando praticamente o mesmo preço cobrado em outras unidades da federação, sendo que aqui, segundo o governo, a alíquota é de metade em relação aos outros estados.

“O etanol sai da usina por R$ 1,57 por litro e os impostos federais correspondem a R$ 0,24, totalizando aproximadamente R$ 1,80. Quando chega no posto, esse combustível está R$ 4, ou seja, mais do que dobra entre a distribuidora e os impostos estaduais. Na bomba, o preço final é de R$ 4,50, onde estes 50 centavos pagam uma infinidade de gastos para que o posto funcione, rendendo ao empresário um lucro de apenas R$ 0,15 por litro. Ou seja, os donos de postos, vistos por muitos como vilões, possuem um “sócio oculto” chamado poder público, que não faz nada e as vezes até atrapalha”, afirmou.

Leia mais:  João Batista requer auxílio-alimentação aos profissionais do sistema penitenciário

A iniciativa de Faissal se dá após vários episódios onde consumidores ficaram confusos, sentindo-se até mesmo lesados, quando solicitavam as notas fiscais nos postos de combustíveis. No documento, é informado que a alíquota cobrada é de 25%, só que o Governo do Estado oferece um desconto de 50% na tributação, o que gera a confusão.

“O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), afirma que há um erro na emissão das notas fiscais e que isso ocorre porque os sistemas de Tecnologia da Informação utilizados pelos postos revendedores buscam a informação sobre tributos no Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), e a alíquota prevista na legislação é a que aparece nas notas fiscais. Este projeto visa corrigir este equívoco e efetivar a alíquota de ICMS cobrada atualmente”, afirmou.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana