conecte-se conosco


Política

Deputado alerta sobre importância da vacinação contra poliomielite

Publicado

Foto: JARDEL DA SILVA / ASSESSORIA DE GABINETE

Em alusão ao Dia Mundial do Combate à Poliomielite, o deputado estadual João Batista (Pros) apresentou na manhã de quinta-feira (24), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), uma moção de aplausos em homenagem ao Rotary Clube de Cuiabá Bandeirantes, pelos relevantes serviços prestados à sociedade mato-grossense, promovendo campanhas de combate à poliomielite no estado.

Na tribuna, o parlamentar falou sobre a importância da erradicação da poliomielite, ressaltando que não existe tratamento para a doença, sendo a vacina a única forma de prevenção.

“Com objetivo de homenagear todos os membros e voluntários do Rotary Clube de Cuiabá Bandeirantes, que merecem todo nosso respeito e admiração, não poderíamos deixar de externar nosso singelo agradecimento, a estes rotarianos que educam e alertam a população sobre o risco de não vacinar nossas crianças”, destacou João Batista.

Gisela Simona, que integra o Rotary Clube de Cuiabá Bandeirantes, fala sobre as ações do grupo dentro do Estado, enfatizando a importância de divulgar o dia estadual de combate à doença, uma iniciativa do Rotary Internacional, em combater a poliomielite no mundo.

Leia mais:  Empresa abre 100 vagas para brasileiros trabalharem em Portugal

“O Rotary é uma comunidade internacional que junto com parceiros, ajudaram a imunizar mais de 2,5 bilhões de crianças contra a poliomielite em 122 países, representando uma redução de 99,9% no número de casos mundiais da doença. Em Mato Grosso, a Lei n° 10.477 instituiu o Dia Estadual de Combate à Poliomielite, e é comemorado no dia 24 de outubro, em alusão a esta data, membros do Rotary no Estado, promovem ações de conscientização na tentativa de erradicar a doença em Mato Grosso”, explicou Gisela.

Marcos Pereira, um dos membros da organização da campanha de orientação, explica que pólio é uma doença infectocontagiosa, considerada de natureza gravíssima. “Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores. A doença é causada pelo poliovírus e a infecção se dá, principalmente, por via oral. Por isso a importância da vacinação, como forma de prevenir o vírus”, concluiu Marcos.

Comentários Facebook
publicidade

Política

Secretário vê risco em reabrir escolas e afirma que neta estudante foi infectada

Publicado

Andhressa Barboza/ rdnews

O retorno das aulas presenciais em Mato Grosso não deve ocorrer em breve. Com risco alto de contaminação pela Covid-19, as escolas são locais críticos para espalhar o vírus e preocupa autoridades como o secretário chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. Ele relata ter visto toda sua família ser infectada após sua neta de apenas 4 anos, que estava frequentando a escola, ficar doente e acabar contaminado parentes próximos.

Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada

Chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho

Ele contou o caso, que é recente, após ser questionado sobre um Projeto de Lei que tramita na Assembleia que prevê a inclusão das instituições de ensino públicas e privadas na lista de serviços essenciais.

“Eu tenho muita dúvida com relação a isso. Na minha família, até dias atrás, estavam todos contaminados e quem trouxe o vírus para casa foi minha neta de 4 anos que estuda em uma escola privada. Então, tenho muita dúvida com relação ao retorno das aulas”, alertou.

Leia mais:  Câmara publica edital para contratação de agências de publicidade

Na última semana, o governador Mauro Mendes (DEM) sinalizou que não deve sancionar o projeto que já passou em primeira votação pela AL. Ele também alertou, sem citar o caso de Carvalho, que crianças podem ser infectadas e contaminar parentes.

“Você pega uma escola estadual como a presidente Médici, tem 2 ou 3 mil alunos uma escola dessa. Como vamos fazer? Temos que avaliar cientificamente e eu não gostaria de dar a minha opinião, até pelo que aconteceu com a minha família, mas é uma situação que vamos avaliar com muito carinho”, ponderou Mauro Carvalho.

Em relação ao PL, o secretário preferiu não ser direto em defender uma postura contrária. Mas quis deixar evidente o risco de abrir escolas em um momento crítico para a saúde pública que está em colapso há mais de um mês. Já são mais de 8,4 mil mortos pela doença no Estado e, diariamente, a fila de espera de pessoas graves que aguardam vaga em UTI passa de 100 pessoas.

Leia mais:  Bussiki apresenta projeto para que o Executivo divulgue lista dos credores

“Eu não conversei com o governador sobre essa situação (do PL), mas isso merece um estudo bem aprofundado para que a gente não cometa nenhum ato que vá prejudicar as pessoas. Os critérios precisam ser pensados com muito equilíbrio”, concluiu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana