conecte-se conosco


Política

Defensor do VLT, Guilherme Maluf agora quer BRT

Publicado

Presidente do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Guilherme Maluf, se posicionou favorável à troca do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) pelo BRT (Bus Rapid Transit) definida na semana passada pelo governador Mauro Mendes (DEM).

 

Em artigo divulgado nesta segunda-feira (28), Maluf se justifica, ao afirmar que era favorável ao VLT, porém, segundo ele, o modal foi “inviabilizado pela má condução do governo na época da Copa”.  “Os custos para a conclusão e operação são inviáveis e por isso a decisão foi acertada”, completa o chefe da Corte de Contas.

O posicionamento de Maluf mostra a sua mudança em 100% do que defendia, quando foi presidente da Assembleia Legislativa entre 2015 e 2016.  Maluf logo após a sua posse defendia uma uma “agenda positiva do VLT”,  e sugeriu a criação de uma agência para discutir como funcionaria  o modal.

Na época, classificou como “demagogia a ideia de trocar o VLT pelo BRT. “Dizer em trocar o VLT para o BRT é demagogia, falta de conhecimento técnico. Seria jogar fora R$ 1 bilhão, que já foi aplicado”, disse Maluf na época.   O hoje presidente do TCE, foi um dos que integrou em 2011, a comitiva que viajou para a Europa passando por Portugal e Inglaterra para conhecer o sistema de transporte VLT e se reunir com empresários responsáveis pelos trens de superfície.

Leia mais:  Concursos e seletivos oferecem salários de mais de R$ 19 mil

 

Também integravam a comitiva, o então governador Silval Barbosa (PMDB), Eder Moraes (Agecopa), e ainda José Riva (PSD) e Sérgio Ricardo (PR) que à época eram deputados.

 

Em 2017, Maluf foi arrolado como testemunha de Silval Barbosa na ação do VLT que se encontra na Justiça Federal. O Ministério Público Federal (MPF) acusa o peemedebista de responsabilidade pelo atraso na entrega das obras do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT).

 

O governador Mauro Mendes (DEM) anunciou a mudança do modal para o BRT no último dia 21 de dezembro, afirmando que o BRT será mais viável, já que custará R$ 430 milhões aos cofres públicos, uma economia de aproximadamente R$ 300 milhões em relação ao VLT.  Ele também pede o ressarcimento de R$ 830 milhões do Consórcio VLT.

 

O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Cível de Cuiabá, concedeu liminar ao governo do Estado e bloqueou R$ 683,2 milhões do Consórcio VLT como forma de ressarcimento ao Estado, no último dia 25 de dexzembro. Ainda cabe recurso..

Leia mais:  Vereadores apresentam demandas ao Secretário de Serviços Urbanos

Comentários Facebook
publicidade

Política

Deputado assina TAC e promete não realizar mais festas

Publicado

O deputado estadual Faissal Calil (PV) assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Estadual (MPE) no qual se compromete a não realizar festas em sua residência, localizada no bairro Shangri-lá em Cuiabá, que excedam o volume de som permitido na “Lei do Silêncio”. O desrespeito à norma renderá multa no valor de R$ 3 mil.

“Se abster, a partir desta data, de produzir nos eventos realizados em sua residência ou sob sua responsabilidade, ruídos em níveis tais que possam resultar em danos à saúde humana”, diz o promotor 17ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá, Gerson Natalício Barbosa.

 

De acordo com o TAC, chegou ao conhecimento da promotoria de Justiça que o deputado realizou uma festa para comemorar a vitória do vereador Marcus Brito Jr. (PV), que é seu aliado político. O termo de compromisso foi assinado no dia 15 de dezembro.

Ainda consta no documento que as celebrações são realizadas com frequência no local. “De acordo com a notícia, as festas organizadas pelo senhor Faissal Jorge Calil Filho são recorrentes e causam grande perturbação à vizinhança”.

Leia mais:  Bolsonaro extingue prisão disciplinar para PMs e bombeiros

 

Veja vídeo da festa 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana