conecte-se conosco


Brasil / Mundo

De cada 3 sem trabalho, dois são negros, revela pesquisa do IBGE

Publicado

A publicitária Angélica Moreira, de 27 anos, é formada pela ECA-USP (Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo) e faz mestrado em comunicação na mesma instituição. No entanto, está há três meses desempregada buscando uma recolocação no mercado de trabalho.

 

Moreira faz parte do grupo de negros que estão desempregados no país, pessoas que são mais afetadas na busca por uma recolocação do que os brancos. Segundo os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 64,3% são pretos ou pardos entre os 12,8 milhões de desempregados. Isso equivale a 8,2 milhões de brasileiros — dois em cada três desempregados do país.

 

A Pnad ainda mostra que a taxa de desocupação dos que se autodeclaram pretos foi de 14,5%, de 14% para pardos e de 9,5% para brancos no segundo trimestre de 2019.

Mesmo com uma formação acadêmica robusta, a publicitária sente dificuldades de conseguir trabalho formal. “Por mais que eu seja formada na USP, eu não consigo emprego”, afirma.

 

A média nacional é de 12%. A pesquisa mostra que, dos 12,8 milhões de desempregados, 52,1% são pardos, 34,7% são brancos e 12,2% são pretos. Portanto, 8,2 milhões de desempregados do Brasil são pretos e pardos. Significa dizer que, de cada três desempregados, dois são negros (pretos ou pardos).

 

No Brasil, a população que se autodeclara preta ou parda representa 55,8% do total — segundo os dados da Pnad anual de 2018.

Leia mais:  TVAL e Rádio Assembleia transmitem, ao vivo, eleição em MT

 

De olho nessa disparidade, o MPT-SP (Ministério Público do Trabalho de São Paulo) criou, em 2018, o Grupo de Trabalho de Raça. Naquele ano, embora ainda haja grande número de subnotificações, houve 205 denúncias por discriminação em razão da origem, raça, cor ou etnia no mercado de trabalho — alta de 30,5% em relação a 2014, quando 157 casos foram registrados.

 

Durante entrevistas de emprego, Moreira diz sentir olhares diferentes para seu cabelo e sua roupa. “Eu já reparei que, quando eu não vou muito arrumada, a relação é bem diferente. Parece besta, mas eu tenho que ir de salto para passar firmeza, porque senão me tratam como criança”, afirma.

 

A publicitária afirma que já teve o currículo questionado por ter cursado na USP, uma das universidades públicas mais renomadas do país.

 

“Já disseram: ‘Você fez USP mesmo? Você entrou com cotas?’”, conta. Hoje, Moreira busca aprimorar o inglês, que é intermediário, para conseguir um emprego na área em que é formada. Os horários do mestrado também dificultam na recolocação no mercado.

 

Para o MPT-SP, os negros enfrentam mais dificuldade na progressão de carreira, na igualdade dos salários e são mais vulneráveis ao assédio moral dentro do ambiente de trabalho.

 

Leia mais:  Artistas e gestores reclamam da falta de investimentos estaduais em cultura

Para identificar esses desafios, foi lançado no dia 15 de agosto deste ano o Observatório da Diversidade e da Igualdade de Oportunidades no Trabalho.

 

A plataforma digital, criada em parceria com o escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, compila uma série de dados e informações com potencial para auxiliar na formulação de políticas públicas de promoção da igualdade e diversidade no mundo do trabalho.

 

O professor sênior da Faculdade de Economia da USP Hélio Zilberstein classifica como “uma realidade” a maior dificuldade dos negros para conquistar uma vaga de emprego. “Isso não representa uma novidade. Os dados confirmam que há uma discriminação no mercado de trabalho”, avalia ele.

 

Para Zilberstein, é necessário apenas tomar cuidado ao mensurar o tamanho da discriminação e incluir salários, cargos e escolaridade na análise. “É necessário considerar grupos iguais de brancos e negros antes de medir o tempo de desemprego. Claro que a dos negros vai ser maior, mas vai ser menor do que se você avaliar todos os brancos e todos os negros”, afirma o professor.

 

Ao olhar para o futuro, Zilberstein lista a ampliação da qualidade educacional como a única forma de reduzir a diferença entre bancos e negros no mercado de trabalho. “A educação é o instrumento mais eficaz para tornar uma sociedade menos desigual”, destaca ele, que cita os sistemas de cotas como uma forma mais rápida para diminuir a questão.

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

Confira lista de indicados ao Oscar 2020

Publicado

por

A Academia revela neste domingo os vencedores ao Oscar 2020. Famosos desfilaram no tapete vermelho do Dolby Theatre, em Los Angeles. Confira, abaixo, quem são os indicados deste ano e, em negrito, os vencedores.

Leia também: Acompanhe ao vivo tapete vermelho, discursos e o que está rolando no Oscar 2020

oscar
Arte iG

Cerimônia do “Oscar 2020” começa hoje às 22h

Melhor Filme

  • “Ford vs Ferrari”
  • “O irlandês”
  • “Jojo Rabbit”
  • “Coringa”
  • “Adoráveis mulheres”
  • “História de um casamento”
  • “1917”
  • “Era uma vez em… Hollywood”
  • “Parasita”

Direção

  • Martin Scorsese, “O irlandês”
  • Todd Phillips, “Coringa”
  • Sam Mendes, “1917”
  • Quentin Tarantino, “Era uma vez em… Hollywood”
  • Bong Joon-ho, “Parasita”

Atriz

  • Cynthia Erivo, “Harriet”
  • Scarlett Johansson, “História de um casamento”
  • Saoirse Ronan, “Adoráveis mulheres”
  • Charlize Theron, “O escândalo”
  • Renée Zellweger, “Judy”

Ator

  • Antonio Banderas, “Dor e glória”
  • Leonardo DiCaprio, “Era uma vez em… Hollywood”
  • Adam Driver, “História de um casamento”
  • Joaquin Phoenix, “Coringa”
  • Jonathan Pryce, “Dois papas”

Roteiro Adaptado

  • “O irlandês”, Steven Zaillian
  • “Jojo Rabbit”, Taika Waititi
  • “Coringa”, Todd Phillips e Scott Silver
  • “Adoráveis mulheres”, Greta Gerwig
  • “Dois papas”, Anthony McCarten

Roteiro Original

  • “Entre facas e segredos”, Rian Johnson
  • “História de um casamento”, Noah Baumbach
  • “1917”, Sam Mendes e Krysty Wilson-Cairns
  • “Era uma vez em… Hollywood”, Quentin Tarantino
  • “Parasita”, Bong Joon-ho e Jin Won Han

Atriz Coadjuvante

  • Kathy Bates, “O caso Richard Jewell”
  • Laura Dern, “História de um casamento”
  • Scarlett Johannson, “Jojo Rabbit”
  • Florence Pugh, “Adoráveis mulheres”
  • Margot Robbie, “O escândalo”
Leia mais:  INSS realiza força-tarefa para agilizar concessão de benefícios

Ator Coadjuvante

  • Tom Hanks, “Um lindo dia na vizinhança”
  • Anthony Hopkins, “Dois papas”
  • Al Pacino, “O irlandês”
  • Joe Pesci, “O irlandês”
  • Brad Pitt, “Era uma vez em… Hollywood”

Direção De Arte

  • “1917”
  • “O irlandês”
  • “Era uma vez em… Hollywood”
  • “Jojo Rabbit”
  • “Parasita”

Fotografia

  • “O irlandês”, Rodrigo Prieto
  • “Coringa”, Lawrence Sher
  • “O farol”, Jarin Blaschke
  • “1917”, Roger Deakins
  • “Era uma vez em… Hollywood”, Robert Richardson

Filme Internacional

  • “Corpus Christi”, Jan Komasa (Polônia)
  • “Honeyland”, Tamara Kotevska, Ljubo Stefanov (Macedônia do Norte)
  • “Os miseráveis”, Ladj Ly (França)
  • “Dor e glória”, Pedro Almodóvar (Espanha)
  • “Parasita”, Bong Joon-ho (Coreia do Sul)

Longa De Animação

  • “Como treinar o seu dragão 3″, Dean DeBlois
  • “I Lost My Body”, Jeremy Clapin
  • “Klaus”, Sergio Pablos
  • “Link perdido”, Chris Butler
  • “Toy Story 4”, Josh Cooley

Figurino

  • ”O irlandês”, Sandy Powell e Christopher Peterson
  • “Jojo Rabbit”, Mayes C. Rubeo
  • “Coringa”, Mark Bridges
  • “Adoráveis mulheres”, Jacqueline Durran
  • “Era uma vez em… Hollywood”, Arianne Phillips

Edição De Som

  • “Ford vs Ferrari”, Don Sylvester
  • “Coringa”, Alan Robert Murray
  • “1917”, Oliver Tarney e Rachel Tate
  • “Era uma vez em… Hollywood”, Wylie Stateman
  • “Star Wars: A Ascensão de Skywalker”, Matthew Wood e David Acord

Mixagem De Som

  • “Ad Astra”
  • “Ford vs Ferrari”
  • “Coringa”
  • “1917”
  • “Era uma vez em… Hollywood”
Leia mais:  TVAL e Rádio Assembleia transmitem, ao vivo, eleição em MT

Curta De Animação

  • “Dcera”, Daria Kashcheeva
  • “Hair Love”, Matthew A. Cherry
  • “Kitbull”, Rosana Sullivan
  • “Memorable”, Bruno Collet
  • “Sister”, Siqi Song

Curta-metragem

  • “Brotherhood”, Meryam Joobeur
  • “Nefta Football Club”, Yves Piat
  • “The Neighbors’ Window”, Marshall Curry
  • “Saria”, Bryan Buckley
  • “A Sister”, Delphine Girard

Trilha Sonora

  • “Coringa”, Hildur Guðnadóttir
  • “Adoráveis mulheres”, Alexandre Desplat
  • “História de um casamento”, Randy Newman
  • “1917”, Thomas Newman
  • “Star Wars: A ascensão Skywalker”, John Williams

Efeitos Especiais

  • “O irlandês”
  • “O rei leão”
  • “1917”
  • “Star Wars: A ascensão Skywalker”
  • “Vingadores: Ultimato”

Edição

  • “Ford vs Ferrari”
  • “O irlandês”
  • “Jojo Rabbit”
  • “Coringa”
  • “Parasita”

Maquiagem

  • “O escândalo”
  • “Coringa”
  • “Judy”
  • “Malévola: Dona do mal”
  • “1917”

Canção Original

  • “I Can’t Let You Throw Yourself Away”, “Toy Story 4”
  • “I’m Gonna Love Me Again”, “Rocketman”
  • “I’m Standing With You”, “Breakthrough”
  • “Into the Unknown”, “Frozen 2”
  • “Stand Up”, “Harriet”

Longa Documentário

  • “Indústria americana”, Steven Bognar, Julia Reichert e Jeff Reichert
  • “The cave”, Feras Fayyad, Kristine Barfod e Sigrid Dyejaer
  • “Democracia em vertigem”, Petra Costa, Joanna Natasegara, Shane Boris e Tiago Pavan
  • “For sama”, Waad Al-kateab e Edward Watts
  • “Honeyland”, Ljubo Stefanov, Tamara Kotevska e Atanas Georgiev

Curta Documentário

  • “In the Absence”, Yi Seung-Jun e Gary Byung-Seok Kam
  • “Learning to Skateboard in a Warzone”, Carol Dysinger
  • “Life Overtakes Me”, Kristine Samuelson, John Haptas
  • “St. Louis Superman”, Smriti Mundhra e Sami Khan
  • “Walk Run Cha-Cha”, Laura Nix

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana