conecte-se conosco


Esportes

Danilo: o silencioso adeus do craque calado

Publicado


Danilo completou mais de 300 jogos pelo Corinthians e fez história no clube
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Danilo completou mais de 300 jogos pelo Corinthians e fez história no clube

Danilo parece lento, mas tem passadas longas. Cérebro rápido. Canhota ágil. Danilo parece ser devagar, dorminhoco, alheio. Mas Danilo é o tipico craque que cresce nos momentos importantes. E acordou tantas e tantas vezes quem perde o sono pelo Corinthians. É jogador de passe simples. De toque de chapa. De lançamentos precisos. Enxerga além de seu tempo. Seu tempo é o ritmo do seu time. Seu tempo não é essa correria que se vê na grama afora. É técnica, jamais foi força. 

Danilo
é o calcanhar na hora certa. E é quieto. Tão quieto que destoa dos gritos de gol que provocou. Nunca foi chamado para representar o Brasil. Azar do Brasil. Pena de quem não deu uma chance sequer ao falso lento. Ao falso preguiçoso. Ao falso distraído. O raro tipo de gente que é muito mais do que aparenta. Num mundo onde aparentar é forçar ser, Danilo é natural. Passa despercebido por tantos olhos. Geralmente os olhos que não choraram com sua arte. É explosão. Mas – outra vez contraditório – explosão que jamais fez barulho. Ruído ou estrago.

Leia mais:  Gabriel Medina é indicado ao prêmio de melhor atleta do COB

Danilo não coleciona polêmicas, frases sem contexto, reclamações nos jornais. Danilo não carrega marra, soberba, ego exacerbado. Nem discussões, brigas, falta de ambiente. Danilo é grupo quando prefere achar o companheiro ao gol. Quando busca a cor da camisa que veste e não o ouro que pode vestir tantos diferente dele. É espécie rara na selva dos tempos atuais. Humildade deveria ser seu sobrenome. Segundo sobrenome. O primeiro: Corinthians. Atende pelo nome Corinthians
. Tem se confundido desde que chegou aqui. Não foi o melhor da Libertadores, o melhor do Mundial, o melhor dos Brasileiros e Paulistas. Mas sem ele ninguém seria majestade.

O anúncio do fim não gerou barulho, quebradeira, protesto. Trouxe – sim – tristeza, nostalgia, agradecimento. O anúncio do fim não veio com euforia, desespero e buchicho. Fofoca, deslize, ingratidão. Até seu anúncio de término é quase que mudo. Perceberá quem sabe seu tamanho na história. E só perceberá quem construiu sua própria história através do talento de Danilo. História e amor estão em um dos principais cantos da torcida que sentirá sua falta.

Leia mais:  Confira a agenda do futebol desta sexta-feira, dia 31 de maio de 2019

Danilo
dormirá em berço esplêndido diante da arte que proporcionou sem querer avisar o mundo. O grande artista é aquele que faz coisas maravilhosas e não se preocupa com recompensa ou aplauso. Assim será o silencioso adeus do craque calado. Será como seu jogo: elegante, fino e leve. As cortinas se fecharão no mesmo tom. 

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Apresentado, Rogério Ceni cita Zico e promete Flamengo ofensivo

Publicado

Apresentado à torcida e à imprensa como técnico do Flamengo, Rogério Ceni prometeu um time agressivo, “com o máximo de atacantes possível”. Na entrevista coletiva que concedeu nesta terça-feira (10) à tarde, pouco antes de comandar a primeira atividade no Ninho do Urubu, o treinador enalteceu o elenco que terá à disposição para trabalhar.

“O que importa é que os atletas se sintam à vontade. A longo prazo, temos que seguir o estilo do Flamengo, que é de um time ofensivo, que marca à frente e gosta da posse de bola. Se tenho bons jogadores em uma mesma posição, tenho de encontrar um jeito de colocá-los para jogar. O problema é que aqui tem muitos bons em várias posições, então alguém acaba ficando fora. Você pode usar o [Giorgian De] Arrascaeta e o Everton [Ribeiro] pelos lados. Pode usar Bruno [Henrique], Gabriel [Barbosa, o Gabigol] na frente. Ainda tem Vitinho, Pedro, Pedro Rocha, Michael. Essa [ataque] é a área que mais gosto de mexer, pois libera a criatividade. Além de um meio-campo que tem Gerson, [Thiago] Maia, [William] Arão e outros tantos jovens da base”, descreveu Ceni.

O técnico Rogério Ceni visita as instalações do Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo.

Se no ataque sobram opções, a defesa tem sido uma dor de cabeça no Flamengo. O time carioca sofreu 29 gols em 20 partidas pela Série A do Campeonato Brasileiro – oito apenas nas duas últimas partidas do torneio, nas derrotas por 4 a 1 para o São Paulo e 4 a 0 para o Atlético-MG. Somente o Goiás, que é o último colocado, foi mais vazado que o Rubro-Negro, que ocupa o terceiro lugar.

Leia mais:  Brasileiro: Chapecoense perde para Botafogo e acaba rebaixada

“Só amanhã [quarta-feira, dia 11] é que vamos poder responder, mas acho que erro defensivo é fruto de [erros de] sistema de jogo. A crítica existe a um determinado jogador ou outro, principalmente zagueiros, goleiros, enfim. Quando se tem um número elevado de gols sofridos, temos que tentar ajustar, com a colaboração de todos. Aqui a gente vem para gerar ideias e colocar situações para os atletas. São eles que vão resolver dentro de campo”, avaliou o técnico, já projetando a possível estreia no comando do Rubro-Negro, diante do São Paulo, às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Ceni é o substituto do catalão Domènec Torrent, demitido após a goleada sofrida para o Atlético-MG no último domingo (8). O ex-goleiro deixou o comando do Fortaleza após cerca de três temporadas no clube – com uma rápida passagem pelo Cruzeiro no período. Pelo Leão do Pici, foi bicampeão cearense e conquistou os títulos da Copa do Nordeste e da Série B do Brasileirão, com 60% de aproveitamento em 153 jogos.

Leia mais:  Vôlei Sentado: Brasil faz amistoso contra a Ucrânia

“Primeiro, sou muito agradecido ao Fortaleza. Eu sei que o torcedor fica triste e eu, logicamente, deixo parte do meu coração em Fortaleza. Mas acho que ele compreende o tamanho do desafio. Um convite do Flamengo, no momento que o Flamengo vive, é difícil de recusar”, disse o treinador, que revelou ter contatado o ex-jogador Zico, maior ídolo rubro-negro, antes de assumir o cargo.

“Esse é meu 30º ano trabalhando com futebol. Já enfrentei muitas vezes o Flamengo. Vi Maracanã com casa cheia, vi Zico, Júnior, e tantos craques da história do Flamengo. Até mandei uma mensagem ao Zico antes de chegar aqui, se ele me permitia a entrada. É um cara por quem tenho um fanatismo grande, talvez pela relação com as faltas. É um ícone do futebol brasileiro, um cara único. Ele me respondeu do Japão. Então, eu me sinto com permissão de sentar nessa cadeira”, declarou Ceni, que assinou contrato até dezembro do ano que vem.

Confira a classificação da Série A do Campeonato Brasileiro aqui.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana