conecte-se conosco


Política

Cuiabanos de ‘tchapa e cruz’ são homenageados pela Câmara

Publicado

class=”olho”>RÁDIO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
12/04/2019
Cuiabanos de ‘tchapa e cruz’ são homenageados pela Câmara
Nesta terça- feira dia 9 de abril, a Câmara Municipal de Cuiabá realizou a entrega de Honrarias e Outorga de Título de Cidadão Cuiabano, em comemoração aos 300 anos da Capital em um evento que contou com a participação dos vereadores, convidados, homenageados e familiares. O evento visou homenagear cidadãos pelos serviços prestados ao município que fomentam melhorias em diversas áreas, como a educação, a saúde, a segurança e a cultura e, assim contribuindo com a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos da nossa cidade.
Durante o evento, o vereador frisou como esse evento é importante e político, onde podemos reconhecer pessoas que vem contribuindo com ações sociais em prol de Cuiabá.
No total foram agraciadas 177 pessoas, onde os vereadores deram títulos de cidadão cuiabano, aqueles que aqui nasceram e pelo povo que escolheu a cidade para morar, cada qual com sua trajetória, superação e batalha.
O evento teve a abertura com apresentação do grupo Flor Ribeirinha, voltada para cultura cuiabana desde a devoção pelo São Benedito, o cururu e siriri até o rasqueado. A cantora Vera Capilé contemplou os presentes com o hino de Cuiabá. Fechando a cerimonia, a dupla Nico e Lau tiraram gargalhadas do público com muito humor.
Esta homenagem é prestada pelo Legislativo desde a década de 70, mas nos últimos anos, escolheu-se a proximidade do aniversário da cidade para realizar a outorga.
Marcely | Assessoria do Vereador Renivaldo Nascimento

Imprimir Voltar Compartilhar:  

Fonte: Câmara de Cuiabá
Comentários Facebook
Leia mais:  Primeira reunião ordinária da CPI da Previdência é realizada na ALMT
publicidade

Política

Presidente do BNDES está com “cabeça a prêmio”, diz Bolsonaro

Publicado

por

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (15) que o presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, “está com a cabeça a prêmio há algum tempo”.

Bolsonaro falou com jornalistas quando deixava o Palácio da Alvorada para a Base Aérea de Brasília, de onde embarca para agenda no Rio Grande do Sul: “Estou por aqui com o Levy”, afirmou o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro dá posse, em cerimônia no Palácio do Planalto, aos presidentes dos bancos públicos. Assume no Banco do Brasil, Rubem Novaes; no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, e na Caixa

Joaquim Levy (primeiro à esquerda) tomou posse em janeiro, junto com demais presidentes de bancos públicos – Marcelo Camargo/Agência Brasil

O motivo do descontentamento, disse Bolsonaro, foi a nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor de Mercado de Capitais do BNDES. Para Bolsonaro, o nome não é de confiança, e “gente suspeita” não pode ocupar cargo em seu governo.  

“Eu já tô por aqui com o Levy, falei para ele: ‘demita esse cara na segunda-feira ou eu demito você sem passar pelo Paulo Guedes‘”, disse Bolsonaro.

O presidente acrescentou que, em sua visão, Levy não está sendo leal. “[Ele] Já vem há algum tempo não sendo leal àquilo que foi combinado e àquilo que ele conhece a meu respeito. Ele tá com a cabeça a prêmio há algum tempo”.

Levy assumiu a presidência do BNDES em janeiro.

Moro

Questionado sobre sua confiança no ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que é alvo de vazamentos de conversas que teria mantido quando era juiz com o coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, Bolsonaro diz ter “zero” ressalvas.

“Quanto a minha pessoa zero, zero”, disse ele. “Moro foi o responsável não de botar um ponto final, mas de buscar uma inflexão na questão da corrupção, diminuindo drasticamente”, acrescentou o presidente.

Ele ressalvou, contudo, que ninguém pode contar com 100% de confiança. “Eu não sei das particularidades da vida do Moro, eu não frequento a casa dele, ele não frequenta minha casa, mas mesmo assim meu pai dizia pra mim: confie 100% só em mim e na mãe”.

Como exemplo, o presidente citou a demissão do general Santos Cruz da Secretaria de Governo, o que deve ter “surpreendido” muita gente, afirmou. Ao ser questionado, o presidente negou que a causa da dispensa tenha sido verbas de comunicação. “É fake essa informação de que o Santos Cruz teria tocado nisso”, disse.  

Previdência

O presidente comentou também o parecer do relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentado na quinta-feira. “[Com] a proposta que tá aí, o meu governo está garantido. A crise virá para 2023, 2024. A gente não quer deixar para o futuro governo que me suceder essa dor de cabeça da Previdência, não podemos continuar vivendo esse fantasma, nessa agonia”, disse.

Bolsonaro afirmou que “a bola está com o parlamento”, antes de concluir dizendo que “nós temos uma chance ímpar de tirar o Brasil do caos econômico que se aproxima”. 

Matéria ampliada às 17h39

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Política
Comentários Facebook
Leia mais:  Comissão de Saúde apresenta relatório da visita técnica ao hospital de Barra do Bugres
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana