conecte-se conosco


Saúde

Covid já matou 19 médicos e contaminou 334 em MT, conforme dados do CRM

Publicado

Por: Douglas Santos/Rdnews

O novo coronavírus já venceu 19 profissionais que atuavam na área médica em Mato Grosso. Ao todo, 334 médicos já foram infectados pelo vírus. Desses, 106 conseguiram se recuperar, seis estão hospitalizados e 97 permanecem em monitoramento domiciliar. O Estado tem um das maiores incidências de mortes por Covid-19 entre os trabalhadores da área da saúde. Os dados são do Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM-MT).

De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde desta sexta (09), até o dia 03 de outubro foram notificados 1.322.505 casos suspeitos de Covid em profissionais de saúde no e-SUS Notifica. Destes, 329.028 foram confirmados para o novo coronavírus. As profissões de saúde com maiores registros dentre os casos diagnosticado foram técnicos de enfermagem (112.241), seguido dos enfermeiros (48.480), e médicos (33.788).

Ao todo, 330 trabalhadores da área da saúde não resistiram à doença, sendo 112 técnicos de enfermagem, 63 médicos e 41 registros de óbitos entre os enfermeiros. O sexo feminino foi o mais frequente, com 211 (55,2%) mortes registradas em decorrência da Covid-19. Dados do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso apontam que 33 profissionais entre técnicos de enfermagem e enfermeiros foram vencidos pela doença.

Segundo o Ministério da Saúde, os estados que apresentaram o maior número de casos notificados hospitalizados por Covid-19 em profissionais de saúde foram: São Paulo (455), Rio de Janeiro (99) e Pará (73). Em relação às mortes causadas pela doença foram: São Paulo (114), Sergipe (27) e Rio de Janeiro (26).

Em geral, a doença causada pelo vírus já matou mais de 150 mil vidas no Brasil. O número de óbitos registrados no país representa como se um pouco mais de toda a população do município de Sinop (a 479 km da Capital) também tivesse perdido a batalha para o coronavírus.1ª morte entre médicos

O primeiro caso confirmado pela doença foi a do especialista em ultrassom Agnaldo Cesário da Silva, de 53 anos. Ele morreu no dia 21 de junho, em Lucas do Rio Verde, na região Médio-Norte do Estado. Ele deixou a mulher e dois filhos. O profissional atuava em um hospital da cidade de Lucas do Rio Verde.

Segundo o CRM-MT, Agnaldo foi um dos pioneiros da medicina no município.

Já a vítima mais recente se trata do médico neurologista Luiz Eugênio Cervellini, de 79 anos. Ele estava em tratamento, mas não resistiu aos sintomas e apresentou complicações e agravos no quadro respiratório, vindo a óbito no dia 26.

Leia mais:  Após romper contrato com Organizações Sociais, Governo economizou R$ 27 milhões

O neurologista atendia em uma clínica própria, no bairro Jardim Cuiabá. Era bastante requisitado para entrevistas por sua especialidade com tratamento voltado à dor de cabeça.

Veja outros 16 médicos vítimas da Covid-19 em MT

O pediatra Reinaldo Rodrigues de Oliveira, de 73 anos, perdeu a vida no dia 28 de junho, na Capital, e foi o segundo médico de Mato Grosso que morreu em decorrência da doença. De acordo com o CRM-MT, ele trabalhou na área de pediatria por 35 anos.

O clínico geral Marcel Baracat de Almeida, de 39 anos, morreu dia 9 de julho. Ele trabalhava no Hospital e Maternidade São Lucas, em Primavera do Leste. A vítima ficou três semanas internado em um hospital de Cuiabá, quando não resistiu às complicações da enfermidade e perdeu a batalha na mesma semana em que seu avô morreu também de Covid.O médico Gabriele Righetti Neto, de 45 anos, era otorrinolaringologista e morreu no dia 16 de julho. O profissional foi para o Paraná fazer tratamento e estava internado na UTI no Hospital da Cruz Vermelha, em Curitiba, quando não resistiu à doença e morreu.

O médico Fernando Augusto Moreno Gurginski, de 26 anos, morreu no dia 18 de julho, em Cuiabá. Ele tinha se formado na UFMT em 2018 e trabalhava em pronto-atendimento. Ficou intubado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) durante quase 20 dias.

O ortopedista Walter Tapias Tetilla, 65 anos, também faleceu no dia 18 de julho, na Capital. Ficou internado por aproximadamente um mês, mas o quadro se agravou e ele não resistiu às complicações do novo coronavírus.

O médico Clodoaldo Pirani Júnior, de 47 anos, morreu no dia 25 de julho, em Barra do Garças. Ele passou 22 dias internado, quando foi vencido pela doença.

O ginecologista do Hospital Geral e Maternidade de Cuiabá, Moyses Nadaf Neto, de 65 anos, morreu dia no dia 26 de julho. Ele estava internado com coronavírus em um hospital particular de Cuiabá.

O médico Valentim Neder perdeu a luta contra a doença no dia 9 de agosto em um hospital de Rondonópolis. O profissional era servidor da secretária municipal de Saúde de Alto Garças. Por conta da gravidade dos sintomas do vírus, Valentim havia sido transferido para uma UTI de Rondonópolis.

A médica Monique Silva Batista, de 29 anos, foi vencida pela Covid no dia 10 de agosto, em Cuiabá. Ela estava internada há aproximadamente um mês na UTI do Hospital Amecor, na Capital. Ela trabalhava no Hospital Coração de Jesus de Campo Verde, e também atendia em postos de saúde na zona rural da cidade.
Marco Aurélio Rodrigues Lima, de 68 anos, era clinico geral, anestesista e médico do trabalho. Ele faleceu no dia 25 de agosto. O profissional havia perdido a mãe pela mesma doença três dias antes de partir. O médico estava internado em Goiânia e residia em Barra do Garças.

Leia mais:  HMC fecha trimestre com 6,3 mil atendimentos de urgência e 100% de ocupação das UTIs, 60% são do interior do Estado

A médica Izabel Cuim, de 58 anos, morreu no dia 31 de agosto, na Santa Casa de Rondonópolis, após ficar internada cerca de um mês. Ela morava no município de Juscimeira e trabalhava no Distrito de Santa Elvira e no Hospital Municipal São Francisco de Assis. Izabel deixa dois filhos, que também são médicos e atuam em Paranatinga e no Paraná.

O médico neurologista Alexandre da Rocha Serra morreu no dia 1º de setembro, na Capital. Ele atuava no Hospital Geral de Cuiabá (HG) que lamentou a morte do profissional por meio de nota.

O especialista em oncologia clínica, Guido Vaca Céspedes, de 56 anos, morreu no dia 2 de setembro, em Sinop. Ele era especialista em oncologia clínica e foi o médico responsável técnico pela criação do ‘Kit Covid-19’ em Sinop.

O ginecologista e obstetra Valdir Faria de Moraes, de 76 anos, faleceu no dia 2 de setembro, após ficar 15 dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular de Rondonópolis.

O médico Luiz de Gonzaga Figueiredo morreu no dia 8 de setembro e atuava nas áreas de cirurgia geral e medicina do trabalho. Foi para São Paulo fazer tratamento contra a doença, quando veio a perder a luta da doença no município paulista. O médico trabalhou por anos na Santa Casa de Cuiabá.

O ginecologista e obstetra Nelson Hasegawa, de 71 anos, morreu no dia 22 de setembro, na cidade de Lucas do Rio Verde. Estava internado em um hospital em São Paulo, mas não resistiu às complicações do vírus. Deixou quatro filhos que também são médicos.

Pesar

O CRM-MT lamentou todas as mortes dos profissionais da área da saúde que honraram a profissão, mas foram vencidos pelo vírus que já afetou milhares de vidas no Brasil desde o início do ano.

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Cidade de MT tem 10 pacientes com Covid na fila por vaga em UTI

Publicado

Dez pacientes diagnosticados com Covid-19 esperam por vaga em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, após aumento no número de casos da doença e superlotação nos hospitais.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, nos últimos 30 dias, o município registrou 2.435 novos casos. Atualmente, Rondonópolis tem 33 leitos de UTI para atender casos da Covid.

Segundo o boletim divulgado nesse domingo (13) pela secretaria, 21 leitos são UTIs da rede privada e 12 na rede pública de saúde.

A situação preocupa porque resta apenas um leito disponível na rede pública. Já na rede particular há superlotação.

Na enfermaria, segundo o município, tem 78 leitos livres entre rede pública e particular. Há também 10 leitos semi-intensivos livres na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Rondonópolis.

Outras cidades do sudeste do estado também dependem da estrutura de Rondonópolis para atender casos da doença.

Dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) apontam que Mato Grosso, até esse domingo (13), registrava 166.974 casos confirmados da Covid-19 e 4.259 óbitos em decorrência do coronavírus.

Leia mais:  Oxford anuncia que vacina induziu 'fortes respostas imunes'

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana