conecte-se conosco


Esportes

Conmebol sorri com seus filhos campeões e contentes

Publicado


Lucas Pratto marcou o gol do River Plate sobre o Boca Juniors na final da Libertadores
Twitter/Reprodução

Lucas Pratto marcou o gol do River Plate sobre o Boca Juniors na final da Libertadores

Mamãe Conmebol está feliz. Deu pra ver. Deu pra ver seu sorriso cheio de dentes amarelos, cáries e tártaros. Seu hálito se fez perceber lá da distante Espanha. Seu hálito diante de seus gritos eufóricos. River, o atual filho preferido, ganhou. Ganhou depois de tantos favorecimento e carinhos. Foi bem cuidado por toda competição.

Mamãe Conmebol
está feliz. Com seus cabelos brancos, nariz que cresce a cada mentira. E enverga em cada confusão. Que demorou para definir. Que pensou em passar o pano após a pedrada. Que tem tantos dirigentes presos. Que não tem respeito e nem credibilidade.

Mamãe Conmebol está feliz. Seus dois filhos foram finalistas. O maior e mais velho – veja só – foi prejudicado. O menor e menos vezes campeão foi abraçado. Se acostumou com o bafo, com o cheiro azedo, com expulsões de técnico. Os filhos da mamãe Conmebol já nem são mais cinquentões. São – sei lá – centenários, quiça. Mas são tratados com fraldas e chupetas. Café e leite. E bolacha.

Leia mais:  Atlético-MG vence Botafogo e avança às quartas da Sul-Americana

Mamãe Conmebol detesta quem fala português. Surra, ataca, põe de castigo. Grêmio, Cruzeiro, Santos e quem quer que seja. Mamãe Conmebol bate com força em brasileiro. Prefere argentino. Escolheu seus filhos e não abre mão. Faturou com seus filhos em Madrid. Foi um passeio de luxo.

Mamãe Conmebol
ama seus filhos. Está orgulhosa. Felizes são os órfãos. Alegres e dignos.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Apresentado, Rogério Ceni cita Zico e promete Flamengo ofensivo

Publicado

Apresentado à torcida e à imprensa como técnico do Flamengo, Rogério Ceni prometeu um time agressivo, “com o máximo de atacantes possível”. Na entrevista coletiva que concedeu nesta terça-feira (10) à tarde, pouco antes de comandar a primeira atividade no Ninho do Urubu, o treinador enalteceu o elenco que terá à disposição para trabalhar.

“O que importa é que os atletas se sintam à vontade. A longo prazo, temos que seguir o estilo do Flamengo, que é de um time ofensivo, que marca à frente e gosta da posse de bola. Se tenho bons jogadores em uma mesma posição, tenho de encontrar um jeito de colocá-los para jogar. O problema é que aqui tem muitos bons em várias posições, então alguém acaba ficando fora. Você pode usar o [Giorgian De] Arrascaeta e o Everton [Ribeiro] pelos lados. Pode usar Bruno [Henrique], Gabriel [Barbosa, o Gabigol] na frente. Ainda tem Vitinho, Pedro, Pedro Rocha, Michael. Essa [ataque] é a área que mais gosto de mexer, pois libera a criatividade. Além de um meio-campo que tem Gerson, [Thiago] Maia, [William] Arão e outros tantos jovens da base”, descreveu Ceni.

O técnico Rogério Ceni visita as instalações do Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo.

Se no ataque sobram opções, a defesa tem sido uma dor de cabeça no Flamengo. O time carioca sofreu 29 gols em 20 partidas pela Série A do Campeonato Brasileiro – oito apenas nas duas últimas partidas do torneio, nas derrotas por 4 a 1 para o São Paulo e 4 a 0 para o Atlético-MG. Somente o Goiás, que é o último colocado, foi mais vazado que o Rubro-Negro, que ocupa o terceiro lugar.

Leia mais:  Coluna – Qual será o limite?

“Só amanhã [quarta-feira, dia 11] é que vamos poder responder, mas acho que erro defensivo é fruto de [erros de] sistema de jogo. A crítica existe a um determinado jogador ou outro, principalmente zagueiros, goleiros, enfim. Quando se tem um número elevado de gols sofridos, temos que tentar ajustar, com a colaboração de todos. Aqui a gente vem para gerar ideias e colocar situações para os atletas. São eles que vão resolver dentro de campo”, avaliou o técnico, já projetando a possível estreia no comando do Rubro-Negro, diante do São Paulo, às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Ceni é o substituto do catalão Domènec Torrent, demitido após a goleada sofrida para o Atlético-MG no último domingo (8). O ex-goleiro deixou o comando do Fortaleza após cerca de três temporadas no clube – com uma rápida passagem pelo Cruzeiro no período. Pelo Leão do Pici, foi bicampeão cearense e conquistou os títulos da Copa do Nordeste e da Série B do Brasileirão, com 60% de aproveitamento em 153 jogos.

Leia mais:  Veja as 10 maiores goleadas da história da Copa do Brasil

“Primeiro, sou muito agradecido ao Fortaleza. Eu sei que o torcedor fica triste e eu, logicamente, deixo parte do meu coração em Fortaleza. Mas acho que ele compreende o tamanho do desafio. Um convite do Flamengo, no momento que o Flamengo vive, é difícil de recusar”, disse o treinador, que revelou ter contatado o ex-jogador Zico, maior ídolo rubro-negro, antes de assumir o cargo.

“Esse é meu 30º ano trabalhando com futebol. Já enfrentei muitas vezes o Flamengo. Vi Maracanã com casa cheia, vi Zico, Júnior, e tantos craques da história do Flamengo. Até mandei uma mensagem ao Zico antes de chegar aqui, se ele me permitia a entrada. É um cara por quem tenho um fanatismo grande, talvez pela relação com as faltas. É um ícone do futebol brasileiro, um cara único. Ele me respondeu do Japão. Então, eu me sinto com permissão de sentar nessa cadeira”, declarou Ceni, que assinou contrato até dezembro do ano que vem.

Confira a classificação da Série A do Campeonato Brasileiro aqui.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana