conecte-se conosco


Esportes

Coluna – Sobre a ingrata missão de tentar parar o rei do NBB

Publicado

Um dos patrocinadores do NBB distribui o prêmio “King of the Month” (em português, “Rei do Mês”) para o atleta que mais se destacou naquele período. Na atual temporada, até o momento, foram só dois prêmios. Ambos foram parar nas mãos do mesmo jogador: Georginho, armador do São Paulo. É difícil afirmar que o jogador de 23 anos seja uma unanimidade como o principal nome do momento, mas o que ele vem produzindo em quadra torna a tarefa de escolher um destaque para esse começo de campeonato bem menos complicada. Georginho traz consigo argumentos que vão além das ideias. Os números são os grandes aliados dele. 

Não são quaisquer números. O que Georginho vem fazendo não tem precedentes. O basquete é um esporte em que fica muito mais fácil quantificar grandeza, justamente pelo leque de estatísticas à disposição. O triplo-duplo (dois dígitos em três fundamentos diferentes) é talvez a representação do que há de mais difícil de fazer: empilhar números em categorias que exigem virtudes variadas, que muitas vezes estão relacionadas a tipos físicos muito distintos. Quem pensa e enxerga bem o jogo nem sempre tem a altura necessária para pegar muitos rebotes e vice-versa. Georginho vem tornando isso comum. Em apenas dez partidas, já registrou quatro triplos-duplos (todos com pontos, rebotes e assistências). Mesmo sendo armador, é o líder em rebotes do NBB, com média de 9,6 por partida. E poderíamos estar falando de uma sequência ainda mais impressionante. Nas últimas duas vezes que entrou em quadra, o jogador do São Paulo ficou a apenas uma assistência de registrar mais triplos-duplos.

Quando se conversa com quem tem a tarefa de frear o impacto de Georginho, fica evidente que esses números exorbitantes são explicados por outros números. Ele tem altura e envergadura incomuns para a posição de armador (1,97m de altura, 2,13m de envergadura). Também é forte (96 kg). O armador Ricardo Fischer, do Corinthians, apresenta o perfil físico de Georginho como um grande trunfo.

“Ele tem altura até de pivô. Isso facilita na hora de achar os passes mais facilmente. Quando ele encontra armadores com 20, 25 centímetros a menos que ele, é naturalmente mais fácil jogar a bola para o pivô. Hoje, o mais difícil para o armador é conseguir rebotes. Ele, com quase 2 metros de altura, não tem essa dificuldade”, opina Fischer.

Leia mais:  Na volta dos estaduais, Corinthians empata e Flamengo vira contra o Bangu

Outros dados completam a figura. Quem está acostumado a acompanhar a NBA pode achar que um triplo-duplo não é um feito tão considerável, mas existem diferenças marcadas entre o jogo nos Estados Unidos e o que é praticado aqui. A principal é o ritmo que as equipes imprimem na partida, que produz mais posses de bola e, logicamente, mais oportunidades para registrar pontos, rebotes, assistências, roubos, tocos etc. Nas últimas cinco temporadas da liga norte-americana, esse aumento no ritmo fez o número de triplos-duplos saltar de 46 em 2014-15 para 127 na temporada passada. Na atual temporada, que não chegou ainda nem a um terço do caminho, já são 27. Por outro lado, nas doze edições da liga nacional disputadas até hoje, foram apenas oito – sem contar os de Georginho. 

“Se você olhar, na Europa também não é muito fácil conseguir esses números. Isso é mais comum nos Estados Unidos porque eles jogam muito em transição, com grande volume de jogo. Até os critérios para computar assistências também são diferentes. Aqui, o que ajuda o Georginho é que ele é muito versátil, justamente pela altura e envergadura. Mérito total dele”, afirma o ala Cauê Borges, do Botafogo.

Existe uma outra diferença bem simples de lá para cá. São oito minutos a menos (48 lá, 40 aqui). A duração menor do jogo no NBB é compensada pela presença constante do armador do São Paulo em quadra. Georginho é o jogador com maior média de minutos por partida em toda a liga, com 37:30. Ou seja, geralmente ele permanece no jogo 93% do tempo, um índice elevadíssimo. Para manter o nível alto mesmo com tanto desgaste, é preciso muito vigor. Georginho tem a favor dele a juventude, que inclusive pode permitir voos mais altos. É o que pensa o técnico Helinho Garcia, do Franca, ele próprio um ex-armador. Para Helinho, a razão para a dominância que tem sido vista é o período que o atleta passou fora do Brasil. Georginho começou a se destacar muito cedo e chamou a atenção de olheiros nos Estados Unidos quando tinha apenas 19 anos e jogava pelo Pinheiros. Inscreveu-se no draft de 2017, mas não foi escolhido. Porém, pouco depois o Houston Rockets deu uma oportunidade para o armador no time B da franquia, que disputa a G-League (Liga de Desenvolvimento). Georginho passou uma temporada jogando pelo Rio Grande Valley Vipers, sem muito destaque, e acabou retornando ao Brasil em 2018 para jogar no Paulistano.

Leia mais:  Presidente do Flamengo lamenta mortes: “Maior tragédia do clube em 123 anos”

“Ele vem amadurecendo. Muita gente falou que esse período na G-League não foi bom para ele, mas ele voltou melhor. Domina os fundamentos do jogo, bate para dentro, cai no pivô, tem um leque de opções muito grande, além, é claro, da parte atlética. O lado mental dele também evoluiu muito. Eu particularmente acredito que em breve ele pode encontrar uma oportunidade na NBA”, destaca Helinho.

Quem também já começa a apostar fichas no jogador é o técnico da seleção brasileira, Aleksandar Petrovic. Recentemente, em um podcast da Confederação Brasileira de Basquete, o croata não só adiantou que Georginho estará nas próximas convocações como disse também que a presença dele não é surpresa, porque percebeu uma mudança de cabeça do jogador. Só o próprio Georginho pode dizer o que vem mais acima na hierarquia de metas dele, uma vaga na NBA ou o espaço na seleção. Para atingir esses objetivos, um bom caminho é manter o que vem fazendo. Pleitear a vaga de rei da principal competição do país fazendo o que ninguém achava que era possível.

Edição: Verônica Dalcanal

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Fórmula 1 cancela GP Brasil este ano em Interlagos

Publicado

A Fórmula 1 cancelou hoje (24) o Grande Prêmio (GP) do Brasil que ocorreria em 15 de novembro. Será a primeira vez, desde 1973, que a corrida não será realizada no país. O anúncio feito nesta sexta-feira (24) por meio de nota oficial da  Fórmula One Management, organizadora do evento. 

Além do GP do Brasil no autódromo de Interlagos, também foram cortadas da temporada deste ano outras três provas: Canadá, Estados Unidos e México. As corridas estavam previstas para acontecer entre outubro e novembro, com exceção do GP do Canadá, que seriam em em junho.

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, comentou a decisão durante coletiva de imprensa sobre a situação da pandemia do novo coronavírus (covid-19), em São Paulo. Covas disse que a prefeitura vai respeitar a decisão dos organizadores da Fórmula 1. No entanto, ressaltou que a capital paulista, em novembro, estará em situação melhor do que nas cidades onde já ocorreram corridas este ano. Covas afirmou ainda que as tratativas pra renovação do contrato da Fórmula 1 em Interlagos no ano que vem continuam. O contrato termina este ano.

No início deste mês, o chefe da Mercedes, o austríaco Toto Wolff, já havia se pronunciado sobre a inviabilidade de realização do GP no país. Na ocasião, ele revelou o teor da conversa que teve com o diretor executivo da F1, o norte-americano Ross Brown, sobre o risco de realizar o GP no Brasil diante do descontrole da pandemia do novo coronavírus (covid-19) no país.

Leia mais:  Ex-técnico do Milan, Mihajlovic se afasta para tratar leucemia: “Vou vencer”

Por meio de mensagem publicada o Twitter, os organizadores comentaram a decisão.

“Com a pandemia da COVID-19 em curso, significa que, infelizmente, não será possível competir no Brasil, EUA, México e Canadá este ano. Esperamos voltar na próxima temporada para as Américas para fazer um show para nossos fãs apaixonados da região.” e ainda completou em nota publicada no site – “Também queremos prestar homenagem aos nossos incríveis parceiros nas Américas e esperamos voltar com eles na próxima temporada, quando mais uma vez conseguirem emocionar milhões de fãs ao redor do mundo.”

Por meio de nota oficial, a  assessoria de comunicação da empresa Interpub, responsável pelo GP Brasil, disse: “Sobre as notícias divulgadas hoje, 24/07/2020, dando conta do cancelamento do GP Brasil de Fórmula 1 e das demais corridas das Américas, comunicamos que não recebemos até o presente momento nenhuma comunicação oficial da Federação Internacional de Automobilismo e, dessa forma, não poderemos nos manifestar”.

A Fórmula 1 deveria iniciar em março, mas teve de ser adiada por causa da explosão de casos de covid-19 pelo mundo. Ao todo, 15 provas já foram afetadas pela insegurança sanitária, sendo que sete delas (Austrália, Mônaco, França, Holanda, Azerbaijão, Cingapura, Japão, Brasil, Canadá, Estados Unidos e México) foram canceladas. Já outras quatro provas acabaram adiadas (Bahrein, Vietnã, China e Espanha).

Leia mais:  Rádio francesa faz enquete polêmica sobre Neymar e PSG defende o brasileiro

Por outro lado, mais três circuitos foram confirmados para a temporada 2020. Em Nürburgring (GP da Alemanha), acontecerá em 11 de outubro. Já o de Portimão (GP de Portugal) aparece como novidade. Ele foi agendado para 25 de outubro, e será a primeira vez que o Circuito Internacional de Algarve sediará uma corrida de F1. O país não recebia um evento de Campeonato Mundial da categoria desde 1996. Por fim, o de Ímola (GP da Emilia Romagna) está marcado para 1º de novembro, na Itália.

Com o calendário revisado devido à pandemia, os organizadores da Fórmula 1 reiteraram o objetivo de completar o Campeonato Mundial com a disputa de 15 a 18 provas. Inicialmente era previsto 22 circuitos. O encerramento da competição deverá acontecer em dezembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Por Rafael Monteiro – Repórter da Rádio Nacional – Rio de Janeiro

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana