conecte-se conosco


Esportes

Coluna – O legado do professor

Publicado

O paradesporto brasileiro sofreu uma perda grande na semana passada com o falecimento do professor Décio Roberto Calegari. Na última terça-feira (11) ele não resistiu a uma parada cardiorrespiratória em Vitória (ES). As redes sociais de atletas e profissionais ligados ao esporte adaptado, dentro e fora do Brasil, foram tomadas por mensagens de luto e homenagens, o que mostra a importância dele para o movimento.

“Te vi no final de semana e na correria de aquecer e competir logo para não perder o voo para São Paulo, você gritou rindo da minha situação: ‘Conversamos em São Paulo então!’. Não conversamos. Fui pega de surpresa, assim como todos que te amavam muito”, escreveu a velocista Verônica Hipólito, medalhista paralímpica da classe T37 (atletas com paralisia cerebral).

“Muito obrigado por tudo, e pela oportunidade de fundar o handebol de surdos do Paraná. Deixou grande aprendizado e, com certeza, iremos lembrar de ti a cada gol que fizermos”, registrou Anderson Santana Júnior, da seleção brasileira de handebol para surdos.

“Jamais vou esquecer a nossa amizade e as alegrias que passamos juntos. Ninguém tem a alegria que você tinha, a paixão que você tinha pelo esporte paralímpico. Neste campeonato, em março, que é a seletiva para (a Paralimpíada de) Tóquio, vou nadar por você”, prometeu a nadadora Beatriz Carneiro, da classe S14 (atletas com deficiência intelectual).

Entidades como o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), a Associação Nacional de Desporto para Deficientes (Ande) e Confederação Brasileira de Desportos para Deficientes Intelectuais (CBDI) também manifestaram pesar pelo falecimento. Dá para reparar, pelas mensagens e por quem as escreveu, que o trabalho de Décio se estendeu por diferentes áreas do paradesporto.

Leia mais:  Jogando no PSG, Neymar tem melhor início de temporada desde que chegou na Europa

Ele, por exemplo, coordenou a seleção de petra (ou race running), modalidade voltada a pessoas com paralisia cerebral ou distrofia muscular em que os atletas correm com apoio de um triciclo. Apaixonado pelo esporte, motivou iniciativas até fora do país. Como o Monviclu, desenvolvido na Universidade de Viña del Mar, no Chile, que propicia equipamentos semelhantes ao da petra, feitos de madeira, para crianças de 5 a 10 anos com algum tipo de deficiência.

“Estamos em etapa de testes. Quando terminarmos o projeto, subiremos o arquivo em um portal digital, e ele poderá ser baixado de forma gratuita em todas as partes de mundo. Esperamos fazer o lançamento em junho de 2020”, escreveu um dos responsáveis pela iniciativa, Felipe Herrera Miranda, em uma rede social, fazendo também, uma homenagem ao mentor. “Quero agradecer profundamente ao professor Décio, que descansa em paz há alguns dias. Em 2018, no congresso da Ande, ele nos compartilhou sua paixão pela petra. Um abraço ao céu”, completou.

O professor foi, ainda, um dos criadores do handebol em cadeira de rodas em 2005 e um de seus maiores incentivadores – apenas três anos depois, o Brasil já recebia o Chile para um amistoso internacional. “Antes havia o basquete para cadeirantes, mas era uma modalidade que exigia um técnica apurada e uma boa mobilidade. Tem também o rugby, que é para tetraplégicos, ou seja, com pouca mobilidade. Precisava de uma modalidade que ficasse no meio termo”, disse Décio há oito anos, em depoimento ao site dos Jogos Abertos do Paraná.

Leia mais:  Juanfran deixa o Atlético de Madrid e pode vir jogar no Brasil

O handebol esteve em destaque da primeira edição dos Jogos Paradesportivos daquele Estado, evento do qual o professor foi coordenador geral nas duas primeiras edições. “Ele tinha o sonho de (o esporte) se tornar paralímpico”, relatou, em uma rede social, Gévelyn Almeida, presidente da Abrahcar (Associação Brasileira de Handebol em Cadeira de Rodas), cargo ocupado por Décio entre 2009 e 2018.

Formado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com mestrado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Décio foi, ainda, peça importante do projeto Paralímpicos do Futuro, semente para o surgimento da Paralimpíada Escolar. Participou, também, da criação da Paralimpíada Universitária, além de coordenar a comissão científica do Congresso Paradesportivo Internacional e do Seminário Regional Escolar.

Décio Calegari faleceu aos 54 anos, deixando esposa, duas filhas e uma legião de admiradores. Mas com um legado que o paradesporto, dentro e fora do país, terá muito a desfrutar.

Edição: Verônica Dalcanal

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Martine Grael e Kahena Kunze estarão em Tóquio 2020

Publicado

por

As campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze garantiram, no último final de semana, a participação na próxima edição dos Jogos Olímpicos. A vaga, em Tóquio, na disputa da classe 49er FX de vela, foi garantida no mundial realizado em Geelong (Austrália).

As brasileiras, que ficaram com o ouro nos Jogos do Rio (2016), carimbaram o passaporte para Tóquio ao terminarem o mundial na 12ª posição.

Além de Martine e Kahena, o final de semana também foi de classificação olímpica para Marco Grael e Gabriel Portilho. Eles defenderão o Brasil na classe 49er ao encerrarem o Mundial de Geelong na 13ª posição.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários Facebook
Leia mais:  Jogando no PSG, Neymar tem melhor início de temporada desde que chegou na Europa
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana