conecte-se conosco


Mato Grosso

Ciclismo movimenta turismo, economia e prática esportiva na Baixada Cuiabana

Publicado

por: Hipernoticia

Seja como alternativa para aliviar a tensão ou como atividade física, no deslocamento diário, na academia ou no lazer dos finais de semana, o ciclismo tem conquistado espaço na Baixada Cuiabana e movimentado o turismo e a economia na região.

Equipe De olho no pedal. Instagram @deolhonopedal_mt

Os benefícios para a saúde, com a prática de exercícios físicos, e para o meio ambiente estão também entre os pontos que favorecem a busca pela atividade.

A equipe do HNT encarou um passeio com um grupo de ciclistas em Várzea Grande. O pedal saiu da praça Aquidabã, no Centro, com destino a Bonsucesso, com percurso de ida e volta compreendendo 25 km. No trajeto, inúmeras histórias de superação, saúde, empreendedorismo, terapia, qualidade de vida e muito mais.

No último ano, com pandemia da covid-19, o número de ciclista aumentou cerca de 300% na região, segundo o empresário e organizador de passeios ciclísticos, Sérgio Urel, popularmente conhecido como ‘Cachorrão’. Ele conta que foi um dos primeiros ciclistas a levantar a bandeira do esporte em Várzea Grande.

Cachorrão pedala há mais de 12 anos, a paixão pela prática no ciclismo o levou a ver um mercado novo. Há cerca sete anos, ele ariscou no empreendedorismo do ciclismo, com aluguéis de bicicletas, além de Equipamentos Proteção Individual (EPI) e serviço de manutenção. A ideia deu tão certo que hoje é a maior empresa do seguimento na região.

Cachorrão criou uns dos primeiros grupos de pedal de Várzea Grande, o Pedal do Cachorro, que também virou o nome da empresa. Em 2015, o empresário se uniu à Guarda Municipal de Várzea Grande e criaram o Pedal da Guarda. De lá para cá, número grande de ciclistas vem conquistando ruas e espaço na cidade.

“Eu comecei a pedalar há mais de 12 anos e estou nas ruas todos os dias, acompanho todos os grupos de pedal, prestando assistência, alugando bikes. De um ano para cá, com a pandemia, aumentou uns 300% o número de ciclistas. Antes, tínhamos um público em torno de 100 a 150 pessoas. Hoje, nosso passeio chega a reunir mais de 400 ciclistas em uma terça-feira”, conta Sérgio.

O empresário revela que, durante a pandemia, com o fechamento das academias e parques e a imposição de medidas restritivas de prevenção à covid-19, como não aglomerar, a procura pelos serviços aumentou. “As pessoas estão procurando com mais frequência o ciclismo, todo dia tem passeio na Grande Cuiabá. Em Várzea Grande, toda quinta-feira tem o Pedal da Guarda, com concentração as 19h30 e saída as 20h que reúne cerca 400 pessoas saindo pelas ruas da cidade com escolta da Guarda Municipal e da Polícia Militar. Minha empresa também acompanha prestando assistência, com aluguel de bikes, assessoria para iniciantes, somos uma empresa completa e estamos prontos para ajudar aqueles que querem mudar o estilo de vida”, explica.

O grupo Pedal da Guarda vem crescendo a cada semana. Ciclistas e outros grupos de pedal de Cuiabá e Várzea Grande se reúnem e ganham as ruas da cidade. “Nós já estamos junto com o Cachorrão há alguns anos, começamos de forma tímida e, hoje, somos um dos maiores grupos de ciclistas da região. O Pedal da Guarda é um projeto para ciclistas iniciantes, toda semana fazemos um percurso diferente. Devido à pandemia, está crescendo a cada semana o número de ciclistas nas ruas. E essa é a nossa intenção, incentivar a prática esportiva e promover qualidade de vida à população. O ciclismo está virando um estilo de vida, além disso, tem muitas pessoas que passaram a utilizar a bicicleta como meio de transporte”, conta o superviso da GM e coordenador do grupo, Juliano lemos.

Leia mais:  Polícia Civil e PRF apreendem 3,8 toneladas de maconha em rodovia na divisa entre MS e SP

Saúde mental

Os benefícios do pedal são inúmeros para a saúde física e mental. O jornalista  Lucky Marlon relata que conheceu o pedal após receber um diagnóstico clínico com alterações na saúde. Ele seguiu as orientações médicas e mudou os hábitos alimentares. Em conversa com um amigo, foi convidado a participar de um passeio ciclístico.

Lucky conta que o ciclismo foi um encontro  ao primeiro passeio, além de ser um remédio para saúde. Em cinco meses praticando a atividade física, ele já eliminou 14 quilos e controlou a diabetes.

“Eu encontrei no pedal uma atividade, um esporte e fui gostando, a mudança de hábitos foi uma transformação instantânea. Com um mês pedalando, reuni alguns amigos e fundamos um grupo de pedal, De Olho no Pedal MT, que tem o intuito de incentivar a prática esportiva, além de mostrar à população os benefícios que o ciclismo pode trazer para vida de quem pratica”, salienta Lucky.

O grupo De Olho No Pedal MT já tem sua marca registrada, com uniformes e bandeiras, e até um grupo no Instagram foi criado para incentivar as pessoas com postagens dos pedais, que pode ser acessado neste endereço; @deolhonopedal_mt.

“É uma brincadeira que ficou séria, hoje já somos 34 membros. As pessoas vão chegando e começam a praticar. Pedalamos durante a semana e aos finais de semana fazendo um passeio para os distritos, com percurso maior. Aqui, as pessoas conseguem conciliar atividade, saúde, amigos e família. Somos um pedal familiar”, destaca.

Em média, o grupo De Olho no Pedal pedala de 43 a 50 km ao dia. Aos finais de semana, promove passeios as distritos e comunidades do entorno de Cuiabá e Várzea Grande, com percursos de até 100 km, entre eles idas a Barão de Melgaço, Jangada, Santo Antônio de Leverger, Mimoso, por exemplo.

“O ciclista tem movimenatado também o ecoturismo e a economia na Baixada Cuiabana, consegue divulgar aquela comunidade onde a gente vai, isso tem fomentado a atividade economica das regiões”, pondera o comunicador.

Um dos locais beneficiados com o crescimento do turismo com os passeios ciclísticos é a região de Bonsucesso. A Peixaria do Bola, por exemplo, firmou parceria com o grupo e oferta caldo de peixe quando o local é o destino dos ciclistas.

“Nós estamos agregando o turismo ao esporte, isso vem valorizando nossa região. Tem muita gente que não conhecia Bonsucesso e, através dos passeios ciclísticos estão, conhecendo e voltando depois com as famílias para apreciar os restaurante daqui e nossa culinária tradicional na Rota do Peixe de Várzea Grande”, conta o proprietária do restaurante, cohecido como Bola.

Leia mais:  PM prende quadrilha e recupera veículo em Santo Antônio do Leverger

Além da Peixaria do Bola, os grupos de pedais tem parcerias com diversas empresas, que se tornaram ponto de parada para ciclistas, entres a, Movido Açai, Bananas Piu-Piu, Sorveteria Alasca.

Os grupos de pedal acabam se tornando grandes famílias, em um movimento de bem-estar, satisfação e felicidade. Explorar novos caminhos, estar em sintonia com a natureza, perceber a própria capacidade de superação e encarar os desafios com sabedoria são alguns dos ensinamentos da bike.

Sedentarismo

O fotógrafo Pablo Silva, sem poder trabalhar na pandemia e percebendo que estava ficando sedentário, decidiu pedalar. Chamou mais dois amigos e iniciou a praticar a atividade física. Em pouco tempo, formou um grupo, Brutos do Pedal, que hoje conta com 60 pessoas e é um dos maiores de Várzea Grande.

“Eu comecei a pedalar na pandemia, não tinha o que fazer, não tinha como trabalhar, daí eu pensei porque não andar de bicicleta?! E o grupo foi aumentando ao longo dos dias. Nesse meio tempo, perdi 10 kg, naturalmente, sem regime, sem mudanças na alimentação. E eu nunca mais parei. O que mais me motiva a continuar são as amizades. Aqui você conhece pessoas novas, os vínculos crescem, se torna uma segunda família. As lideranças dos grupos se conhecem, sentam e pensam em uma maneira que todos possam se ajudar e ajudar a todos. Ninguém tem um benefício para si, ninguém pensa em si, a gente pensa e luta pelo coletivo, um pelo grupo do outro, em empatia entre nós”, declara.

O fotografo conta que Cachorrão é o grande responsável pelo crescimento do ciclismo em Várzea Grande e Cuiabá. “É um incentivador, ele pedala junto com os iniciantes, para quem quer e não tem bicicleta e nem pode alugar, ele até empresta. Busca parceiros que beneficiam a todos os grupos”, revela.

A professora Alessandra Silva também descobriu no ciclismo uma paixão e estilo devida saudável. “Eu comecei a pedalar em março, meu primeiro pedal foi com o Cachorrão, sofri bastante, mas me senti viva, me deu emoção e eu decidi continuar isso. Hoje, estou no grupo De Olho no Pedal MT, que é uma família, ninguém fica para trás, um incentiva o outro, faz bem para saúde e para mente, traz bons resultados para vida. Quando você pratica pela primeira vez se apaixona e você não consegue explicar, você só quer voltar a pedalar e sentir a brisa”, relata Alessandra.

A médica Jeniffer Rodrigues começou a pedalar há cerca de um ano e encontrou no pedal o um novo estilo de vida. “Aqui não é só uma atividade física, mas também uma terapia em grupo, vivemos uma rotina cansativa e o pedal alivia o estresse, melhora a autoestima. É saúde para corpo e mente”, conta.

Para aqueles que ainda não pedalam e desejam iniciar a prática esportiva, a empresa Pedal do Cachorro oferece toda assistência para iniciantes, aluguéis de bicicletas, aulas práticas, EPIs e passeios personalizados.

 

Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

PM lamenta o falecimento do ex-comandante-geral da instituição

Publicado


É com profundo pesar que a Polícia Militar de Mato Grosso informa o falecimento do ex-comandante da PMMT, coronel Jorge Luiz de Magalhães, de 53 anos, no início da noite desta segunda-feira (06.12), na Capital.  

Coronel Jorge Luiz passava por um procedimento de cateterismo no Hospital São Mateus, quando sofreu uma parada cardíaca e não resistiu. O policial militar ingressou na instituição no ano de 1991. Comandou importantes unidades da PMMT na região metropolitana e no interior do Estado, além de conquistar o mais alto cargo da instituição, o de comandante–geral da PMMT, nos anos de 2016 a 2017. Atualmente, Jorge Luiz estava trabalhando na Coordenadoria Militar do Ministério Público Estadual. 

Para o comandante–geral da PMMT, coronel Jonildo José de Assis, o ex-comandante deixa seu legado na história da corporação. “O coronel Jorge Luiz formou na Polícia Militar do Estado de Goiás, serviu em unidades importantes, como o 1º Comando Regional de Cuiabá, Água Boa, e tantas outros Batalhões. É sem dúvida uma grande perda para nossa instituição”.  

Leia mais:  Sistema Estadual de Bibliotecas é destaque em evento nacional

O Comando Geral da Polícia Militar e toda sua tropa lamenta a repentina perda do oficial, que deixa esposa e filhos, para os quais oferece apoio e as mais sinceras condolências. Para se despedir do valoroso militar, a PM está organizando o cortejo fúnebre para prestar as merecidas honras militares ao coronel.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana