conecte-se conosco


Educação

Cerca de 96 mil inscritos devem fazer a prova do Enem em MT

Publicado

Neste domingo (04) e no próximo (11), 96.793 pessoas devem fazer a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em Mato Grosso.

O número de inscritos no Estado representa 1,8% do total de inscritos em todo o país, que é de 5.513.712.

Do total no Estado, 57.173 (12,3%) são do sexo feminino e, 39.620 (8,5%), masculino, de acordo com levantamento de perfil feito Inep.

Quanto a faixa etária, 26.748 (5,7%) disseram ter entre 21 a 30 anos. Já 16.718, têm 17 anos (3,6%), 15.003 (3,2%) têm 18 e 13.431 (2,9%) entre 31 a 59 anos.

Esta é a primeira edição em que a solicitação de isenção foi anterior à inscrição, e que os participantes que estavam isentos e faltaram tiveram que justificar a ausência para obter novamente a gratuidade.

Neste domingo, os alunos terão 5h30 para realizar as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e ciências humanas e suas tecnologias.

Já no dia 11 de novembro haverá a aplicação das provas de ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias. O tempo para a realização da prova será de 5 horas.

No dia 14, serão publicados os gabaritos e os cadernos de questões.

Os candidatos devem procurar com antecedência saber o local de prova. Todas as informações necessárias estão disponíveis no cartão de confirmação, que pode ser acessado na página do participante e no aplicativo do Enem 2018. É interessante fazer o trajeto antes do dia do exame, para verificar a distância, o tempo gasto e a melhor forma de chegar ao local de prova, evitando atrasos no dia da aplicação.

Leia mais:  Aluna de escola estadual ganha concurso de redação da Defensoria Pública da União

Horário
Os portões abrem às 11h e fecham às 12h, pelo horário de Mato Grosso. A prova começa às 12h30. Como é o primeiro dia do horário de verão, o Inep alerta que os participantes se preparem para a mudança.

Cartão de confirmação
O documento informa número de inscrição, local de prova (com endereço e número da sala), datas e horários do exame e opção de língua estrangeira escolhida, além de atendimentos específicos ou especializados e recursos de acessibilidade, caso tenham sido solicitados e aprovados. É preciso informar o CPF e a senha cadastrada na inscrição. Quem esqueceu a senha pode recuperá-la na página do Enem, por meio de um passo a passo elaborado pelo Inep.

Documentação
Nesta edição do Enem, vários documentos podem ser utilizados para identificação, mas só valem os originais, oficiais e com foto, como carteira de identidade, carteira de trabalho e previdência social, certificado de dispensa de incorporação, certificado de reservista, passaporte, carteira nacional de habilitação e identidade funcional. Não será aceito qualquer documento em formato eletrônico.

O que levar
Fique atento aos itens obrigatórios e proibidos no dia das provas. Todos os alunos devem levar, além do documento de identificação, uma caneta esferográfica de tinta preta e fabricada em material transparente. Como a leitura ótica do cartão de respostas só identifica a cor preta, está vetado o uso de canetas de tinta azul ou vermelha, lápis e lapiseira. O ideal é que o estudante leve mais de uma caneta. É aconselhável também portar o cartão de confirmação de inscrição.

Leia mais:  Seduc realiza ciclo de estudos para candidatos a diretor escolar

É proibido levar qualquer material impresso (livros, apostilas), borracha, caneta de material não transparente, corretivo, dispositivos eletrônicos, fones de ouvido ou qualquer transmissor, gravador ou receptor de dados e imagens, vídeos e mensagens, óculos escuros, relógio, chapéus, gorros e bonés.

Durante a prova
Antes de entrar na sala, guarde os objetos não permitidos no envelope porta-objetos, feche o lacre e deixe-o debaixo da sua cadeira. Não esqueça de conferir seus dados no cartão-resposta ou folha de redação e certifique-se de que não esteja faltando nenhuma pergunta ou página em seu caderno de questões.É possível se alimentar e hidratar durante as provas, mas é importante o candidato saber que os produtos poderão ser verificados a qualquer momento. O Inep recomenda que, nesse caso, o estudante leve alimentos de fácil manuseio e não exagere no consumo.

Resultado
A divulgação dos gabaritos se dará em 14 de novembro, sendo os resultados publicados em 17 de janeiro de 2019.

Por Flávia Borges, G1 MT

Comentários Facebook
publicidade

Educação

Juiz obriga Unic a matricular e não cobrar estudante de Medicina coberta pelo FIES

Publicado

por

O juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá, determinou que a Iuni Educacional S/A, dona da Universidade de Cuiabá (Unic), matricule e deixe de cobrar uma estudante de Medicina que tem cobertura do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A universidade tentava reajustar o valor da mensalidade, acima do limite do fundo, o que seria custeado pela aluna, que levou a questão à Justiça.

Pela decisão, a Unic não pode cobrar nada acima da mensalidade coberta pelo Fies, prevista no contrato. O magistrado também proibiu a instituição de incluir o nome de Gabrielly Menusi nos órgãos de proteção de crédito como SPC, Serasa, Pefin, Refin e similares. Caso já exista restrição de crédito, o nome da aluna deverá ser retirado em 24 horas sob pena de multa de R$ 500 por hora de descumprimento.

Gabrielly também tem 24 horas para realizar a matrícula do primeiro semestre de 2019. A universidade deve permitir que ela participe de todas as atividades acadêmicas, incluindo acesso aos ambientes físico e virtual de ensino, com recuperação integral de eventual falta ou nota pela falta de matrícula até o momento. En caso de descumprimento, outros R$ 500 de multa deverão ser aplicados por hora.

O juiz ponderou que existia risco ao resultado útil do processo pois, se não fosse concedida a liminar, a estudante teria o curso interrompido e “consequentemente a tão esperada habilitação profissional”.

Leia mais:  Enem 2018: três coisas que você não pode esquecer no check list para a prova

O valor total financiado é de R$ 585 mil pelos 12 semestres do curso, sendo R$ 39 mil pelo segundo semestre de 2014, quando o contrato foi fechado, R$ 429 mil para custear os demais semestres e ainda R$ 117 mil reservados para eventuais reajustes no valor na mensalidade. A cada semestre o aluno deve fazer o aditamento do contrato anotando o valor financiado e mais a diferença a ser paga.

“Nesse passo,  verifica-se do documento juntado com a inicial denominado Aditamento não simplificado de contrato de financiamento, referente ao 2º Semestre/2018, a indicação do valor da mensalidade financiada pelo FIES e R$00,00 como valor a ser quitado com recursos próprios da parte autora, conferindo assim, verossimilhança à alegação declinada na exordial, no sentido que os valores cobrados não teriam suporte legal para cobrança, não havendo sequer neste momento de cognição sumária, como traçar qualquer parâmetro para as diferenças apontadas”, escreveu o magistrado.

Yale lembrou que é a Unic, por meio da Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA), quem deve “verificar e validar as informações prestadas pelo estudante” para dar início ao aditamento do contrato.

Leia mais:  Professor da rede estadual e artista plástico se divide entre sala de aula e ateliê

O magistrado ainda determinou a realização de audiência de conciliação entre as partes para que se chegue a um acordo. Por meio da assessoria, a Unic informa que não foi notificada sobre a decisão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana