conecte-se conosco


Saúde

Cerca de 150 médicos pegam coronavírus e 2 morrem em MT

Publicado

Levantamento do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM) divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Sindicato dos Médicos (Sindimed) aponta que nada menos que 151 médicos já foram infectados coronavírus e contraíram a Covid-19 no Estado desde o início da pandemia. De acordo com o CRM, 23 casos foram cofirmados apenas nesta segunda-feira. Desse total, dois médicos no estado já morreram em decorrência do vírus, sendo Reinaldo Rodrigues de Oliveira, de 73 anos falecido no último domingo (28), de Cuiabá, e Agnaldo Cesário da Silva, de 53 anos, de Lucas do Rio Verde, falecido no dia 21.

Um consulta feita por HiperNotícias no Observatório da Enfermagem do Conselho Nacional de Enfermagem (Cofen) revela que já foram notificados 397 casos de contaminação de profissionais de enfermagem no Estado, e cinco mortesa até esta data.

Diante desse quadro o Sindimed teme que o quadro se agrave, já que as unidades de saúde, tanto públicas como privadas, não conseguem organizar um fluxo adequado para o atendimento aos casos de pacientes com sintomas de Covid-19.

“O quadro deve se agravar já que os médicos estão atendendo pacientes em salas sem ventilação adequada para diminuir a transmissibilidade do vírus, consultórios com janelas que muitas vezes dão para corredores dentro do próprio estabelecimento de saúde, isso tudo torna as unidades de saúde um lugar “perigoso”, muito insalubre”, alerta o diretor de comunicação do Sindimed, Adeildo Lucena.

Em reunião com a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, CRM e outros sindicatos nesta segunda-feira (29), o Sindimed apresentou a ideia de se atender pacientes em tendas que teriam a ventilação necessária para evitar que mais profissionais de saúde e pacientes que buscarem atendimento médico nas unidades de saúde se contaminassem propagando ainda mais a Covid-19.

“Outra sugestão é se colocar equipes para monitorar os pacientes. E seria necessário que realmente o poder público disponibilizasse os medicamentos (vitamina D, zinco, prednisona, ivermectina, Azitromicina, nitazoxamida, Enoxaparina e hidroxicloroquina) para as pessoas independente da classe social ou de ter o atendimento na UPA ou em um hospital para tratar no início impedindo que o quadro se agrave para evitar novas internações, já que estamos com 94% da taxa de ocupação de UTIs em Mato Grosso, um colapso. Não é só atender e medicar. Se faz necessário acompanhar os pacientes suspeitos ou já confirmados. A coordenação dos cuidados é muito importante para se antecipar o agravamento dos casos. Com uma coordenação adequada isso pode ser feito na atenção primária, que dispõe de profissionais competentes e comprometidos. Só precisam de proteção e condições de trabalho. Médicos têm, o que falta é gestão”, sugere Adeildo.

Leia mais:  Retomada da administração de hospitais regionais garante economia de R$ 27 milhões

Ele ainda expos que o Sindicato recebeu denúncias de médicos que estão na linha de frente de combate a Covid-19 que os pacientes têm voltado aos consultórios afirmando que não estão encontrando os medicamentos.

“Nenhuma unidade de saúde de Cuiabá possui os medicamentos e não tenho notícias que já existiram alguma vez. Tem muitos médicos prescrevendo precocemente esses medicamentos, mas os pacientes não encontram nem nas farmácias. Quando muito conseguem mandando manipular”, afirma Adeildo Lucena, diretor de Comunicação do Sindimed.

O Sindimed alerta que se medidas não forem tomadas, a população vai sofrer mais ainda, visto que um médico a menos na linha de frente gera mais lentidão no atendimento e lotação nas unidades de saúde. “Esse é o momento de pensar em diminuir a transmissão, não podemos deixar a população sem atendimento, mas os profissionais de saúde não podem trabalhar infectados e se tornarem vetores da Covid-19. Nós nos formamos para salvar vidas, mas não deixamos de ser humanos suscetíveis a esse vírus como qualquer pessoa”, desabafa o médico do Sindimed.

Leia mais:  Chega a 05 mortes por Covid-19 número de óbitos assusta agora são 63; Olhe o boletim

OUTRAS CATEGORIAS

A Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso também recebe, nesta segunda-feira denúncias que apontam a precariedade das condições de trabalho ofertadas a profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus, a baixa qualidade e quantidade dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) disponibilizados e até mesmo casos de coação e ameaças a trabalhadores.

As denúncias foram apresentadas por representantes do Conselho Regional de Medicina (CRM), Sindicato dos Médicos (Sindimed), Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito) e Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde do Estado de Mato Grosso (Sisma), durante reunião extraordinária da comissão.

O vice-presidente da Comissão de Saúde, deputado Dr. João (MDB), chamou atenção para o risco de haver um colapso de profissionais da saúde. “Esse vai ser o próximo colapso grave. Daqui a pouco não vamos ter profissionais”.

Protocolo – A presidente do CRM-MT, Hildenete Fortes, reforçou a autonomia de cada médico para prescrição de tratamentos precoces à Covid-19 e informou que não é função do CRM emitir protocolo com relação a isso. Acerca da questão, o deputado Dr. Eugênio lembrou que há um grupo de trabalho, do qual participa, que irá apresentar protocolos orientativos para os atendimentos.

Projetos de lei – Foram aprovados pareceres favoráveis ao Projeto de Decreto Legislativo 5/2020 e aos Projetos de Lei 461/2020, 13/2019, 398/2020, 38/2020, 390/2020, 401/2020, 237/2019, 509/2020, 414/2020, 459/2020, 436/2020, 441/2020, 444/2020, 99/2020, 81/2020, 489/2020 e 428/2020.

Por decisão dos deputados que compõem a comissão, os PLs 327/2020, 340/2020, 461/2020, 471/2020, 544/2020 e 545/2020 serão apreciados em reunião extraordinária na próxima segunda-feira (06).

Por: hnt

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Santa Casa terá 20 novas UTIs a partir de sexta-feira

Publicado

por

Governo de Mato Grosso finalizou o processo de abertura das 20 novas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para casos de covid-19 no Hospital Estadual Santa Casa, em Cuiabá, e os leitos estarão disponíveis para receberem pacientes a partir de sexta-feira (10).

A abertura segue à risca o planejamento de abertura de leitos, que foi entregue à Justiça estadual. As UTIs estarão à disposição para receber pacientes a partir desta sexta-feira (10), ocasião em que todos os profissionais de saúde já estarão aptos a gerenciar os leitos.

O governador Mauro Mendes explicou que a estrutura física das 20 UTIs foi finalizada há alguns dias, mas ainda não havia como disponibilizar os leitos em razão da falta de profissionais de Saúde.

Médicos fazem treinamento no hospital de campanha para tratamento de covid-19 do Complexo Esportivo do Ibirapuera.

“Os EUA, que é o país mais rico do mundo, está com dificuldade de contratar profissionais. Temos equipamentos, mas cadê os médicos, enfermeiros, fisioterapeutas? Estamos com dificuldades para contratar médicos, tentamos contratar de empresas de fora do estado. É um momento muito difícil, mas se Deus quiser nós vamos superar”, ressaltou.

Leia mais:  Funcionários de home care testam para Covid e transporte de pacientes atrasa em VG

A diretora da Santa Casa, Patrícia Dourado Neves, registrou que a dificuldade em contratar profissionais capacitados para atender aos casos de coronavírus não é exclusiva de Mato Grosso.

“Hoje nós temos muitos profissionais afastados pela doença ou por outras razões. Mas temos dificultades para encontrar profissionais habilitados para atuar na linha de frente, que são os profissionais com habilidade técnica para manuseio de área respiratória, manuseio de ventiladores mecânicos, protocolos mais invasivos. Profissionais com essa expertise são os mais experiemntes, e muitos estão afastados. Temos dificuldades diuturnamente para preencher o quadro, que é uma dificuldade a nível de país”, lamentou.

Além dos 20 leitos, o Governo já criou outras 50 novas UTIs para a covid-19 na Santa Casa e mais 40 no Hospital Metropolitano em Várzea Grande. A previsão é que ainda neste mês o Estado abra 94 novas UTIs covid em todas as regiões de Mato Grosso, além de custear outras 159 que as prefeituras se comprometeram em abrir.

Leia mais:  Mato Grosso registra 6.108 casos e 213 óbitos por Covid-19

Esforço para contratação

No momento, há um edital aberto para a contratação de médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, técnicos de enfermagem, técnicos de laboratório e maqueiros, para atender a demanda nos Hospitais Regionais de Alta Floresta, Cáceres, Colíder, Rondonópolis, Hospital Metropolitano e Hospital Estadual Santa Casa.

Além disso, outro edital foi aberto nesta semana visando a contratação de 24 médicos para atuar no Centro de Triagem e Diagnóstico da Covid-19, em Cuiabá, que começará a atender nos próximos dias. As inscrições podem ser feitas por meio do link: cadastro.mt.gov.br

O Governo do Estado também vai enviar ainda nesta quinta-feira um projeto de lei à Assembleia propondo que os profissionais contratados da Saúde que porventura contraiam a covid-19, possam continuar a serem pagos enquanto estão em período de recuperação, de forma a não ficarem desassistidos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana