conecte-se conosco


Carros e Motos

Carro tem gênero. E ele é masculino

Publicado

source


Ferrari vermelho arrow-options
Wolfang

Para jornalistas radiciais não é “a” Ferrari, mas sim “o” Ferrari, contrariando a “Lei Carsughi” ao se referir ao carro


Sabe aquele seu amigo que vive chamando alguns carros pelo gênero feminino? Então. Ele está errado! Ofende a gramática e vai contra a convenção adotada por quase toda a mídia automotiva. Parece estranho, mas alguns carros sempre aparecem com artigos ou pronomes no feminino não apenas na voz, mas também em posts nas redes sociais. Normalmente, eles aparecem vinculados a carros de maior potência, mas nã necessariamente.

LEIA MAIS: Onix Plus Joy não faz justiça aos bons trabalhos prestados pelo Prisma

 Alguns exemplos comuns são: “a” Porsche, “uma” BMW, “aquela Pajero”, “minha” Land Rover”. Mas os artigos e pronomes femininos aparecem também em carros mais simples, como “a” EcoSport, “aquela” Brasília, “minha” Tracker etc. Pois bem. Mesmo em carros como Brasília e Mercedes, que são nomes femininos, usar o artigo ou pronome feminino está errado quando estamos falando de carro. Por uma simples razão: respeito às regras do português.

 Afinal, o carro é um substantivo masculino. O automóvel também. E o veículo idem! Por que, então, algumas pessoas insistem em se referir aos carros no gênero feminino? É difícil saber a origem, mas a Itália e a França são duas boas pistas. Na Itália, o carro também é masculino, “il auto”, mas popularmente as pessoas se referem a eles como “a máquina”, “la machinna”. Na França é a mesma coisa. O automóvel é masculino, “l’automobile”, porém é muito usada a palavra viatura, que é feminina, portanto “la voiture”.

Ford Mustang verde arrow-options
Divulgação

Nada mais estranho do que falar “a” Mustang, mas se a regra vale para o EcoSport, por que não?

Leia mais:  Primo do Creta, Kia Seltos é revelado oficialmente. Deve chegar ao Brasil


 Isso encerra a questão? Não! Na França, também se diz “la Seine” para o rio Sena. Ou seja, eles não dizem “o” Sena, mas “a” Sena. Mas aqui no Brasil, convenhamos, não tem sentido dizer “a” rio Amazonas ou naveguei “pela” rio São Francisco. Tampouco dizemos “a” Tietê ou “a” Paraná quando nos referimos a esses rios. Cada língua é uma língua e a nossa tem origem em Portugal, onde o carro e o automóvel são substantivos masculinos.

 Não faz o menor sentido dizer “a” Ford Edge, “a” Porsche Boxster, “a” Mitsubishi Pajero se não podemos dizer “a” Ford Mustang, “a” Chevrolet Camaro ou “a” Volkswagen Up. Já pensou: “Comprei uma Up. Dei minha Monza de entrada, mas tenho saudade mesmo da minha Corcel”. É feio. É errado. É possível também que muitos tenham adquirido esse hábito por causa das corridas de Fórmula 1, onde se fala muito “a” Lotus, “a” McLaren e, claro, “a” Ferrari.

 Certa ocasião, na revista Quatro Rodas, muitos anos atrás, o jornalista Claudio Carsughi, um italiano que vive no Brasil há mais de 70 anos, adotou uma regra: “Todos os carros são masculinos, mas abrimos uma exceção para a Ferrari”. No meio automotivo, essa regra curiosa ficou conhecida como “ Lei Carsughi ” e até hoje é usada pela maioria dos jornalistas especializados.

LEIA MAIS: Novo Toyota Corolla provoca exame de consciência no consumidor

Pode reparar nas reportagens escritas (ou mesmo faladas) que o carro tem gênero e ele é masculino, mesmo quando tratamos de palavras femininas, portanto é correto dizer “o” Mercedes Classe C, “o” BMW Série 3, “o” Maserati Quattroporte, “o” Lotus Elise.

Leia mais:  Mazda revela teaser de novo SUV para o Salão de Genebra (Suíça)

Os carros e a “Lei Carsughi”

Chevrolet Opala vermelho arrow-options
Divulgação

Você diria que “aquela” Opala deixou saudades? Bem, se falam “a” Corvette, por que não?

Muitos jornalistas especializados ignoram a “Lei Carsughi” e se referem ao carro no masculino até mesmo no consagrado caso da Ferrari. Portanto, é “o” Ferrari La Ferrari, “o” Ferrari F40 e por aí vai. Faz sentido. Normalmente, esses jornalistas são também engenheiros e não abrem mão desses mínimos detalhes. Agora, toda regra, tem exceção.

 Além da Ferrari, costuma-se abrir exceção para as picapes. Exemplos: “a” Montana, “a” Courier, “a” Frontier, “a” S10. Isso não agride os ouvidos. Antes também havia exceções para peruas e minivans, mas elas quase não existem mais, pois os carros agora quase sempre têm o mesmo nome em sua família. Ou seja: é estranho dizer “o” Palio e em seguida falar “a” Palio Weekend. Por isso, se vocês repararem, a Fiat refere-se até à picape Toro como “o” Toro.

 Bem, no final, o que tudo isso significa? Nada, a não ser um pouquinho de cultura e de respeito gramatical num tempo em que a ignorância tem sido vista como virtude. Se até mesmo em meios oficiais encontramos quem despreze o estudo e a Ciência, por que os cidadãos vão ter que falar “o” Edge e não “a” Edge?

Afinal, como disse uma amiga, “o carro é meu e eu chamo do jeito que eu quiser”. Sim, é fato. Mas isso também dá a todo mundo o direito de falar “a” Fusca, “a” Monza, “aquela” Mustang, “minha” Up e isso é uma agressão à nossa língua, tão bela como nenhuma outra no mundo.

LEIA MAIS:  Os três pecados capitais do Fiat Cronos

 À espera dos comentários furibundos de quem não gosta de respeito às regras gramaticais, fico por aqui, porque tenho que escrever uma avaliação “da” Kwid, a viatura que dirijo atualmente, mas logo estarei a bordo de “uma” Civic e depois de “uma” Golf.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Honda NXR 160 Bros é a moto com menor desvalorização no país

Publicado

por

source
Honda NXR 160 Bros arrow-options
Divulgação

Honda NXR 160 Bros é destaque no Selo de Maior Valor de Revenda da Agência AutoInforme

A Honda NXR 160 Bros é a campeã geral da 4º edição do Selo Maior Valor de Revenda -Motos. De acordo com a agência AutoInforme, que esteve à frente do estudo, a trail registrou uma perda de apenas 5,6% do seu preço após um ano de uso. Essa é a quarta vez consecutiva que o modelo vence a categoria de depreciação das duas rodas em 17 categorias.

LEIA MAIS: Yamaha mostra conceito que acelera de 0 a 100 km/h em 3 segundos

A pesquisa considerou a variação de preços anotada pelos 101 modelos zero quilômetros mais vendidos no Brasil, de 12 marcas. Além das montadoras vencedoras no prêmio, foram avaliados modelos das marcas Wuyang, Dafra , Haojue, Kymco e Suzuki.

A Honda foi a montadora mais premiada nesta edição, com vitória em oito categorias.Com o título deste ano, a marca levou 25 troféus, sendo quatro como campeã geral. Em seguida, no segundo posto mais alto do ranking, aparece a Yamaha com 11 certificações em quatro, mas apenas uma vitória nesta edição. Mais precisamente na categoria Naked acima de 800 cilindradas, com depreciação de 8%, após um ano de uso.

Leia mais:  Veja 5 motivos para levar o Chevrolet Cruze e não o Toyota Corolla

LEIA MAIS: Yamaha NMax é revelada com novo visual e mais equipamentos na linha 2020

Segundo Luiz Cipolli Junior responsável pelo Estudo de Depreciação, a valorização da moto depende de vários fatores: da potência, da marca, da rede de revendedores, do cuidado que a marca tem em relação ao pós-venda, ao segmento, a origem, ao fato de ter grande volume de venda, à sua aceitação no mercado. Para ele, o prêmio é importante para o consumidor e para as montadoras e importadoras.

LEIA MAIS: Suzuki Burgman elétrico inicia testes para o lançamento em 2020

O Estudo de Depreciação considerou os preços praticados no mercado de motos zero em outubro de 2018 (e não os preços de tabela) e comparou com o preço da mesma moto um ano depois, em outubro de 2019.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana