conecte-se conosco


Cidades

Cantata de Natal 2018 acontece neste fim de semana

Publicado

Com dois dias de apresentação na Orla do Porto – sábado (15) e domingo (16) –, o espetáculo musical “Quase lá” da Cantata de Natal, fruto da parceria da Prefeitura de Cuiabá com a Igreja Adventista do Sétimo Dia, leva ao palco mais de 500 vozes, este ano. O evento marca o início da programação natalina.  A expectativa é de que cerca de 20 mil pessoas prestigiem as apresentações.

A entrada é franca e as apresentações, nas duas noites, que inclui o maestro Alberto Midon, se iniciam às 19h. As músicas, de acordo com coordenador do Coral da Igreja Adventista, Pastor Richard Ogalha, obedecem a uma sequência que conta a história de Jesus, desde seu nascimento, passagem pela terra e a ressurreição. “O intuito é levar a verdadeira essência do Natal para as pessoas, mostrando o real sentindo da celebração desta data”, frisa o coordenador.

Além do Coral da Adventista, também sobem ao palco os integrantes do Coral Municipal que protagonizarão o show final da Cantata. O grupo da Prefeitura também participa da Camerata de Cordas do Instituto Boca de Arte, com duas canções populares brasileiras e outras três mato-grossenses.

Leia mais:  Recepcionistas de UPAS e Policlínicas passam por capacitação

O secretário de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo, destaca que o evento ficou inativo por mais de uma década e a gestão, com intuito de promover a cultura local e valorizando os artistas, não mediu esforços para “renascer” esse tradicional espetáculo.

”O prefeito, como ele mesmo declara, ama Cuiabá e não mede esforços quando o assunto é melhorar a vida dos cuiabanos. E promover a cultura faz parte disso. Assim, não poderíamos deixar de resgatar esse lindo espetáculo natalino. Venham prestigiar e nos ajudar nesta missão de transformar Cuiabá”, lembra Vuolo.

Serviço: 

Assunto: Cantata de Natal

Data: sábado (15) e domingo (16)

Horário: a partir das 19h

Local: Orla do Porto

Comentários Facebook
publicidade

Cidades

Governo zera tarifas de 34 medicamentos usados no combate à covid-19

Publicado

por

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) zerou o Imposto de Importação de 34 medicamentos usados no combate à covid-19. A resolução foi publicada hoje (13) no Diário Oficial da União.

Entre os medicamentos beneficiados pela medida, estão Ivermectina, Fondaparinux, Varfarina, Nitazoxanida, Edoxabana e Rivaroxabana. O órgão também zerou a tarifa de máquinas para produção e embalagem de máscaras descartáveis de proteção respiratória. As máquinas deverão fabricar pelo menos 400 máscaras triplas com orelhas elásticas de estrutura compacta por minuto.

A resolução zerou o Imposto de Importação de bolsas para coleta de sangue com solução anticoagulante. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, a Camex, órgão composto de representantes de vários ministérios presidido pelo Ministério da Economia, reduziu a zero a tarifa de 549 produtos relacionados ao enfrentamento da doença. O benefício vale até 30 de setembro.

Atrofia muscular

Em outra resolução publicada hoje, a Camex zerou a tarifa de importação do medicamento Zolgensma, usada no combate à atrofia muscular espinhal (AME) em crianças de até dois anos. Cotada a R$ 12 milhões e sem fabricação no Brasil, a droga é considerada o medicamento mais caro do mundo, de acordo com o Ministério da Economia.

Leia mais:  CGM apresenta balanço das ações e resultados alcançados em 2018

A desoneração do medicamento havia sido anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro na noite de sexta-feira (10), mas a decisão só foi oficializada hoje.

Segundo o Ministério da Saúde, a AME é uma doença rara, degenerativa, passada de pais para filhos e que interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína essencial para a sobrevivência dos neurônios motores, responsáveis pelos gestos voluntários vitais simples do corpo, como respirar, engolir e se mover.

Varia do tipo 0 (antes do nascimento) ao 4 (segunda ou terceira década de vida), dependendo do grau de comprometimento dos músculos e da idade em que surgem os primeiros sintomas. Até o momento, não há cura para a doença.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana