conecte-se conosco


Agricultura

Brasil participa da 30ª Reunião Especializada da Agricultura Familiar em Buenos Aires

Publicado

Para debater sobre o futuro da agricultura familiar e participar do intercâmbio de experiências em boas práticas, uma equipe técnica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está em Buenos Aires, na Argentina, onde começou nesta segunda-feira (10) a 30ª Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar do Mercosul (Reaf), sob a presidência Pro Tempore da Argentina. O evento acontece até o próximo dia 13, no Ministério de Agroindústria da Nação, com a participação dos representantes de governos e da sociedade civil dos países membros e associados do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Chile, Equador e Colômbia).

A Década Internacional da Agricultura Familiar (2019-2028), lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no último dia 29 de maio, está entre os temas centrais a serem abordados nesta edição. Os participantes serão estimulados a refletir sobre o futuro almejado para o setor e as ações necessárias para fortalecer a multifuncionalidade das agriculturas familiares e suas capacidades de promover mitigação, fomentar a sustentabilidade, melhorar a inclusão socioeconômica, impulsionar as organizações dos agricultores familiares, estimular políticas propícias para fortalecer a agricultura familiar, apoiar a juventude rural e promover a igualdade de gênero.

A posição do Brasil durante o encontro será orientada pelos resultados dos debates ocorridos na 53ª Seção Nacional Brasileira da Reaf, realizada no mês de maio, em Brasília, sob coordenação da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF) do Mapa. O titular da pasta, Fernando Schwanke, antecipa alguns dos principais temas que serão levantados pela equipe brasileira durante a Reunião Especializada na Argentina.

Leia mais:  Ministra Tereza Cristina vai à Bahia Farm Show, nesta sexta-feira

“Temos a intenção de levar para a Reaf uma discussão mais prática, por exemplo, sobre o acesso a mercados das cooperativas e associações da agricultura familiar. É um tema importante, está dentro de um dos tópicos que discutimos e que queremos implementar, pois é o que vai dar subsistência a esse setor. Outra questão que estamos levando é a da sanidade, da inspeção sanitária das agroindústrias da agricultura familiar. A importância de se garantir a qualidade dos produtos e sua inocuidade, mas também de se flexibilizar normas para não tratar os pequenos da mesma forma como se trata os grandes”, ressalta Schwanke.

“Assistência técnica para atender aos agricultores familiares, iniciativas e parcerias para se avançar com o alcance da igualdade de gênero e políticas diferenciadas para a juventude também estarão na nossa pauta de debate”, completa o secretário.

O diretor do Departamento de Cooperativismo e Acesso a Mercados da SAF, Márcio Madalena, conta que o primeiro passo será apresentar a nova estrutura do governo brasileiro. “Essa é a primeira vez que o Ministério da Agricultura participa da Reaf. Nas edições anteriores, participaram a extinta Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento e o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Uma das situações que vamos colocar é que a pauta da sanidade ficou muito mais fácil de se trabalhar neste novo modelo do governo brasileiro, pois a Secretaria de Agricultura Familiar agora é par da Secretaria de Defesa Agropecuária dentro do Ministério da Agricultura”, explica.

Leia mais:  Mercado de biodefensivos cresce mais de 70% no Brasil em um ano

Ainda de acordo com Madalena, durante o encontro será sinalizado que, no próximo semestre, quando o Brasil assume a presidência Pro Tempore, a Reunião Especializada de Cooperativas (RECM) e a Reunião Especializada da Agricultura Familiar (Reaf) serão desenvolvidas de forma associada. “Vamos trabalhar os dois temas em sintonia devido à estrutura de governo, na qual temos a agricultura familiar e o cooperativismo na mesma Secretaria. Então, estas são pautas que, no Brasil, serão tratadas em conjunto”.

O Cooperativismo e o associativismo ganham cada vez mais espaço nos debates e são vistos como potenciais ferramentas propulsoras da agricultura familiar, capazes de contribuir no desenvolvimento, na geração de conhecimento, na organização de suas cadeias produtivas e no processo de comercialização.  

Reaf

A Reunião Especializada sobre Agricultura Familiar no Mercosul (Reaf), criada em 2004, é um espaço de encontro para o diálogo participativo entre governos e representações da agricultura familiar da região, com objetivo de debater sobre temas de interesse da agricultura familiar e elaborar recomendações de políticas públicas específicas para o setor nos países integrantes do Mercosul.

De acordo com as normativas do Mercosul, a presidência é rotativa, mudando semestralmente, seguindo a ordem alfabética dos estados-membros: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, garantindo o equilíbrio na presidência entre os países que formam o bloco. Além desses, participam ativamente da Reaf, outros estados associados como Chile, Equador e Colômbia.

 Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
publicidade

Agricultura

EXPORT/CEPEA: Volume exportado cresce, mas faturamento se mantém estável no início de 2019

Publicado

por

Clique aqui e baixe release completo em word

 

Cepea, 19/06/2019 – Após atingirem volume recorde no ano passado, os embarques dos produtos do agronegócio brasileiro se mantêm firmes em 2019. De acordo com pesquisas realizadas pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, de janeiro a abril deste ano, as exportações (em quantidade) dos produtos do agronegócio brasileiro cresceram 8% frente às do mesmo período de 2018.

 

Já o faturamento em dólar se limitou a crescer apenas 0,3% no mesmo período. Neste caso, pesquisadores do Cepea destacam que foi a queda dos preços médios em dólar que não permitiu ao setor obter um faturamento maior no primeiro quadrimestre deste ano. Além disso, a valorização da moeda nacional reduziu a atratividade das vendas agrícolas brasileiras. Nesse sentido, foi o volume exportado que manteve o faturamento em dólar do setor no início de 2019 em patamar positivo.

 

PRODUTOS EXPORTADOS – Quando comparado o primeiro quadrimestre deste ano frente ao mesmo período de 2018, o algodão em pluma foi o produto que registrou o aumento mais significativo nos embarques, de 75%. As vendas externas de milho e café também apresentaram crescimentos expressivos, de 42% e 32%, respectivamente.

Leia mais:  Ministra Tereza Cristina vai à Bahia Farm Show, nesta sexta-feira

 

Pesquisadores do Cepea indicam que o ano tem se apresentado promissor para algodão, milho e carnes. Há expectativa de que as carnes continuem apresentado aumentos nas vendas externas, principalmente para os países asiáticos. No caso do algodão, exportadores brasileiros conquistaram a segunda posição no ranking de vendas internacionais do produto.

 

DESTINO – A China segue como principal parceira comercial do setor, mas tem uma pauta muito concentrada nos produtos do complexo da soja, com destaque para soja em grão. A Europa é o segundo maior destino dos produtos agrícolas e os Estados Unidos são o terceiro. Países que compõem o grupo “outros” também têm participação significativa de 30% nas exportações brasileiras totais, com destaque para os asiáticos.

 

2019 – Este deve ser mais um ano de boa colheita de grãos, o que deve manter elevada a disponibilidade dos produtos, tanto para consumo doméstico quanto para exportação. O exportador deve se manter atento à disputa comercial entre China e Estados Unidos, tendo em vista que esse contexto favorece o Brasil, que pode manter fatia maior nas exportações de produtos agrícolas à China, inclusive para o mercado de carnes. Por outro lado, os preços no mercado internacional têm se reduzido.

Leia mais:  Mercado de biodefensivos cresce mais de 70% no Brasil em um ano

 

Há que se considerar, também, o efeito do câmbio. O Real tem se desvalorizado com mais força nos últimos meses, o que ajuda a manter a atratividade dos produtos brasileiros no mercado externo, favorecendo o crescimento do volume exportado. Caso a moeda nacional se mantenha mais desvalorizada, o faturamento em Real do setor pode continuar crescendo em 2019.

 

Veja relatório completo aqui.

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações sobre as pesquisas do Cepea a respeito do mercado de exportação agro aqui e por meio do Laboratório de Informação do Cepea com a pesquisadora Andréia Adami: (19) 3429-8836 / 8837 ou [email protected]

Fonte: CEPEA
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana