conecte-se conosco


Esportes

Boca faz ótimo resultado e Palmeiras precisa de maior inspiração para avançar

Publicado

Faltou um Alex. Mas é injustiça dizer que simplesmente faltou um Alex. Faltou alguém para pensar o jogo, para fazer a bola chegar nos atacantes, para chutar de fora da área. Alguém para fintar o limitado meio de campo do Boca. Que fuzilasse com a perna esquerda. Que repetisse a semifinal de 1999, diante do também argentino River, em jogo complicado. Faltou – de fato – um Alex. Mas faltou – principalmente – vontade de ganhar. De jogar futebol. De não segurar o resultado.

Leia também: Verdão vacila no fim e perde para o Boca

O Palmeiras
entrou em campo na Bombonera para não perder. Foi completamente passivo e viu o Boca
ter as principais oportunidades. Weverton teve de fazer grandes defesas – entre elas um milagre em cobrança de falta – para evitar desastre pior na primeira partida da semifinal. A zaga foi razoavelmente bem, principalmente no primeiro tempo. Tirando o drible tosco que Luan tomou de Benedetto, no segundo gol argentino. O primeiro foi de bola parada. E bola parada sempre é culpa da defesa. Dava para evitar o resultado
adverso.

Leia mais:  Dependência? Relembre os jogos oficiais da seleção sem Neymar

Dava para ter colocado Lucas Lima antes. Nem que fosse no segundo tempo, na metade da etapa final, nos quinze últimos minutos. Lucas Lima seria opção para o último passe. Entrou tarde demais. Willian Bigode destoou. Destoou em um time que sequer conseguiu chegar na nota. Desafinou o grupo todo no famoso estádio azul e amarelo. Hyoran deveria ter ganhado chance. Felipão
é teimoso, porém. Para o bem e para o mal. Tem sido mais para o bem do que para o mal. Mas não foi o caso de quarta.

Leia também: Kroos defende permanência de Lopetegui no Real Madrid

A missão ficou dificílima. A Libertadores
tem gol fora no regulamento. Se o Boca fizer um em São Paulo, o Verdão terá de fazer quatro em casa. Dois a zero leva para os pênaltis. Os argentinos são bem mais limitados. São menos badalados, menos acreditados, menos valorizados do que os palmeirenses. Mas têm vantagem considerável e difícil de reverter. O alviverde vai ter de jogar com a alma e com o coração, especialidade de seu técnico. Mas terá de jogar – sobretudo – com coragem. A coragem que vinha tendo, mas que não teve na Bombonera.

Leia mais:  Pivô de polêmica, “Gato da Copinha” é campeão da Série A3 pelo Audax

Leia também: Carta ao democrata Sócrates

Felipão terá de trocar o pneu com o carro andando para chegar ao resultado
. Sacudir a poeira e levantar a cabeça. Sábado já haverá final antecipada do Campeonato Brasileiro. O adversário será o Flamengo. Outro osso duro de roer. O final de semana e quarta devem definir o ano palmeirense. Certamente vai faltar um Alex, mas talvez sobre Felipão. O Palmeiras precisa de bola no chão e cabeça no lugar. E coragem. Muita coragem.

Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Apresentado, Rogério Ceni cita Zico e promete Flamengo ofensivo

Publicado

Apresentado à torcida e à imprensa como técnico do Flamengo, Rogério Ceni prometeu um time agressivo, “com o máximo de atacantes possível”. Na entrevista coletiva que concedeu nesta terça-feira (10) à tarde, pouco antes de comandar a primeira atividade no Ninho do Urubu, o treinador enalteceu o elenco que terá à disposição para trabalhar.

“O que importa é que os atletas se sintam à vontade. A longo prazo, temos que seguir o estilo do Flamengo, que é de um time ofensivo, que marca à frente e gosta da posse de bola. Se tenho bons jogadores em uma mesma posição, tenho de encontrar um jeito de colocá-los para jogar. O problema é que aqui tem muitos bons em várias posições, então alguém acaba ficando fora. Você pode usar o [Giorgian De] Arrascaeta e o Everton [Ribeiro] pelos lados. Pode usar Bruno [Henrique], Gabriel [Barbosa, o Gabigol] na frente. Ainda tem Vitinho, Pedro, Pedro Rocha, Michael. Essa [ataque] é a área que mais gosto de mexer, pois libera a criatividade. Além de um meio-campo que tem Gerson, [Thiago] Maia, [William] Arão e outros tantos jovens da base”, descreveu Ceni.

O técnico Rogério Ceni visita as instalações do Ninho do Urubu, Centro de Treinamento do Flamengo.

Se no ataque sobram opções, a defesa tem sido uma dor de cabeça no Flamengo. O time carioca sofreu 29 gols em 20 partidas pela Série A do Campeonato Brasileiro – oito apenas nas duas últimas partidas do torneio, nas derrotas por 4 a 1 para o São Paulo e 4 a 0 para o Atlético-MG. Somente o Goiás, que é o último colocado, foi mais vazado que o Rubro-Negro, que ocupa o terceiro lugar.

Leia mais:  Veja o vídeo do exato momento do acidente de carro do astro Stephen Curry

“Só amanhã [quarta-feira, dia 11] é que vamos poder responder, mas acho que erro defensivo é fruto de [erros de] sistema de jogo. A crítica existe a um determinado jogador ou outro, principalmente zagueiros, goleiros, enfim. Quando se tem um número elevado de gols sofridos, temos que tentar ajustar, com a colaboração de todos. Aqui a gente vem para gerar ideias e colocar situações para os atletas. São eles que vão resolver dentro de campo”, avaliou o técnico, já projetando a possível estreia no comando do Rubro-Negro, diante do São Paulo, às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Ceni é o substituto do catalão Domènec Torrent, demitido após a goleada sofrida para o Atlético-MG no último domingo (8). O ex-goleiro deixou o comando do Fortaleza após cerca de três temporadas no clube – com uma rápida passagem pelo Cruzeiro no período. Pelo Leão do Pici, foi bicampeão cearense e conquistou os títulos da Copa do Nordeste e da Série B do Brasileirão, com 60% de aproveitamento em 153 jogos.

Leia mais:  Chelsea rejeitou propostas milionárias por Willian, afirma TV

“Primeiro, sou muito agradecido ao Fortaleza. Eu sei que o torcedor fica triste e eu, logicamente, deixo parte do meu coração em Fortaleza. Mas acho que ele compreende o tamanho do desafio. Um convite do Flamengo, no momento que o Flamengo vive, é difícil de recusar”, disse o treinador, que revelou ter contatado o ex-jogador Zico, maior ídolo rubro-negro, antes de assumir o cargo.

“Esse é meu 30º ano trabalhando com futebol. Já enfrentei muitas vezes o Flamengo. Vi Maracanã com casa cheia, vi Zico, Júnior, e tantos craques da história do Flamengo. Até mandei uma mensagem ao Zico antes de chegar aqui, se ele me permitia a entrada. É um cara por quem tenho um fanatismo grande, talvez pela relação com as faltas. É um ícone do futebol brasileiro, um cara único. Ele me respondeu do Japão. Então, eu me sinto com permissão de sentar nessa cadeira”, declarou Ceni, que assinou contrato até dezembro do ano que vem.

Confira a classificação da Série A do Campeonato Brasileiro aqui.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana