conecte-se conosco


Carros e Motos

BMW adianta visual dos novos M3 e M4 em Frankfurt 2019 e levanta polêmica

Publicado

source
BMW arrow-options
Divulgação

BMW Concept 4: Visual enfatiza a grade dianteira, marca registrada da BMW

A BMW apresentou hoje no Salão de Frankfurt 2019 (Alemanha) o Concept 4. O conceito surge para revelar como será a próxima geração dos esportivos M3 e M4. Isso inclui a tradicional grade bipartida, mas com tamanho ainda maior, seguindo a tendência de lançamentos recentes, como os novos BMW X7 e Série 7. Entretanto, já é possível observar que entusiastas da marca não ficaram muito satisfeitos com a decisão da equipe de design. A fabricante alemã não divulgou nenhuma especificação técnica até o momento.

LEIA MAIS: Salão de Frankfurt 2019 apresentará os novos SUVs eletrificados da Mercedes-Benz

Além da grade acompanhada por faróis pensados para reforçar a agressividade do design, o Concept 4 do Salão de Frankfurt 2019 possui espelhos retrovisores pequenos e rodas de 21 polegadas. A traseira segue um desenho mais clássico, com o para-choque e as luzes de LED visualmente mais próximo ao de modelos atuais da BMW . O difusor grande, por sua vez, também ajuda a entregar uma imagem mais robusta da parte traseira.

Em comunicado à imprensa, a BMW deu ênfase justamente ao visual da dianteira. De acordo com o texto publicado por Domagoj Dukec, chefe de design da marca: “a grade dianteira orientada verticalmente se encaixa perfeitamente nas proporções do futuro e do passado ilustres da BMW. Ela sempre foi uma característica marcante dos carros da BMW. Com isso, o Concept 4 apresenta uma visão confiante e elegante sobre esse item, oferecendo um olhar à frente para a gama da Série 4”.

Leia mais:  Husqvarna Svartpilen 401, a flecha negra

LEIA MAIS: Honda lança primeiro carro elétrico da marca em 20 anos

Outro esportivo de Frankfurt, que vem ao Brasil

Ferrari arrow-options
Divulgação

Ferrari F8 Spider pode rebater o teto em apenas 14 segundos, em velocidades abaixo de 45 km/h

Se o conceito da BMW ainda é um projeto futuro, a Ferrari F8 Spider já é realidade. A nova rival da McLaren 720s Spider é a grande atração no estande da fabricante italiana no evento. A principal novidade é o teto retrátil que leva apenas 14 segundos para deixar o proprietário com os cabelos ao vento. Consultada pela reportagem do iG Carros, a Via Itália — importadora oficial da Ferrari no Brasil — confirmou que o modelo será vendido por aqui no futuro.

O motor central é o mesmo 3.9 V8 da Ferrari F8 Tributo, capaz de despejar a fúria de 711 cv de potência e absurdos 77 kgfm de torque. De acordo com a fabricante, o modelo pode acelerar de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos e passar dos 200 km/h em 8,2 segundos, antes de atingir os 340 km/h de velocidade máxima. Os diversos componentes de fibra de carbono permitiram que a Ferrari reduzisse o peso do modelo, de apenas 1.400 kg. A nova F8 Spider também utiliza o coletor de admissão da irmã, feito de uma liga de níquel-cromo.

Leia mais:  Carro tem gênero. E ele é masculino

LEIA MAIS: VW revela fotos oficiais do novo elétrico ID.3

Seu desenho permite que a F8 Spider seja mais aerodinâmica que a 488 (10% conforme a própria fabricante), garantindo mais pressão e estabilidade para o esportivo. Tal como a irmã, a F8 Spider conta com a atualização do “Ferrari Dynamic Enhancer System” (sistema de aprimoramento de desempenho), que regula a pressão dos freios durante curvas fechadas e pistas de baixa aderência. Eis um dos supercarros mais extremos do Salão de Frankfurt 2019 .

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Carro tem gênero. E ele é masculino

Publicado

por

source


Ferrari vermelho arrow-options
Wolfang

Para jornalistas radiciais não é “a” Ferrari, mas sim “o” Ferrari, contrariando a “Lei Carsughi” ao se referir ao carro


Sabe aquele seu amigo que vive chamando alguns carros pelo gênero feminino? Então. Ele está errado! Ofende a gramática e vai contra a convenção adotada por quase toda a mídia automotiva. Parece estranho, mas alguns carros sempre aparecem com artigos ou pronomes no feminino não apenas na voz, mas também em posts nas redes sociais. Normalmente, eles aparecem vinculados a carros de maior potência, mas nã necessariamente.

LEIA MAIS: Onix Plus Joy não faz justiça aos bons trabalhos prestados pelo Prisma

 Alguns exemplos comuns são: “a” Porsche, “uma” BMW, “aquela Pajero”, “minha” Land Rover”. Mas os artigos e pronomes femininos aparecem também em carros mais simples, como “a” EcoSport, “aquela” Brasília, “minha” Tracker etc. Pois bem. Mesmo em carros como Brasília e Mercedes, que são nomes femininos, usar o artigo ou pronome feminino está errado quando estamos falando de carro. Por uma simples razão: respeito às regras do português.

 Afinal, o carro é um substantivo masculino. O automóvel também. E o veículo idem! Por que, então, algumas pessoas insistem em se referir aos carros no gênero feminino? É difícil saber a origem, mas a Itália e a França são duas boas pistas. Na Itália, o carro também é masculino, “il auto”, mas popularmente as pessoas se referem a eles como “a máquina”, “la machinna”. Na França é a mesma coisa. O automóvel é masculino, “l’automobile”, porém é muito usada a palavra viatura, que é feminina, portanto “la voiture”.

Ford Mustang verde arrow-options
Divulgação

Nada mais estranho do que falar “a” Mustang, mas se a regra vale para o EcoSport, por que não?

Leia mais:  Carro tem gênero. E ele é masculino


 Isso encerra a questão? Não! Na França, também se diz “la Seine” para o rio Sena. Ou seja, eles não dizem “o” Sena, mas “a” Sena. Mas aqui no Brasil, convenhamos, não tem sentido dizer “a” rio Amazonas ou naveguei “pela” rio São Francisco. Tampouco dizemos “a” Tietê ou “a” Paraná quando nos referimos a esses rios. Cada língua é uma língua e a nossa tem origem em Portugal, onde o carro e o automóvel são substantivos masculinos.

 Não faz o menor sentido dizer “a” Ford Edge, “a” Porsche Boxster, “a” Mitsubishi Pajero se não podemos dizer “a” Ford Mustang, “a” Chevrolet Camaro ou “a” Volkswagen Up. Já pensou: “Comprei uma Up. Dei minha Monza de entrada, mas tenho saudade mesmo da minha Corcel”. É feio. É errado. É possível também que muitos tenham adquirido esse hábito por causa das corridas de Fórmula 1, onde se fala muito “a” Lotus, “a” McLaren e, claro, “a” Ferrari.

 Certa ocasião, na revista Quatro Rodas, muitos anos atrás, o jornalista Claudio Carsughi, um italiano que vive no Brasil há mais de 70 anos, adotou uma regra: “Todos os carros são masculinos, mas abrimos uma exceção para a Ferrari”. No meio automotivo, essa regra curiosa ficou conhecida como “ Lei Carsughi ” e até hoje é usada pela maioria dos jornalistas especializados.

LEIA MAIS: Novo Toyota Corolla provoca exame de consciência no consumidor

Pode reparar nas reportagens escritas (ou mesmo faladas) que o carro tem gênero e ele é masculino, mesmo quando tratamos de palavras femininas, portanto é correto dizer “o” Mercedes Classe C, “o” BMW Série 3, “o” Maserati Quattroporte, “o” Lotus Elise.

Leia mais:  Husqvarna Svartpilen 401, a flecha negra

Os carros e a “Lei Carsughi”

Chevrolet Opala vermelho arrow-options
Divulgação

Você diria que “aquela” Opala deixou saudades? Bem, se falam “a” Corvette, por que não?

Muitos jornalistas especializados ignoram a “Lei Carsughi” e se referem ao carro no masculino até mesmo no consagrado caso da Ferrari. Portanto, é “o” Ferrari La Ferrari, “o” Ferrari F40 e por aí vai. Faz sentido. Normalmente, esses jornalistas são também engenheiros e não abrem mão desses mínimos detalhes. Agora, toda regra, tem exceção.

 Além da Ferrari, costuma-se abrir exceção para as picapes. Exemplos: “a” Montana, “a” Courier, “a” Frontier, “a” S10. Isso não agride os ouvidos. Antes também havia exceções para peruas e minivans, mas elas quase não existem mais, pois os carros agora quase sempre têm o mesmo nome em sua família. Ou seja: é estranho dizer “o” Palio e em seguida falar “a” Palio Weekend. Por isso, se vocês repararem, a Fiat refere-se até à picape Toro como “o” Toro.

 Bem, no final, o que tudo isso significa? Nada, a não ser um pouquinho de cultura e de respeito gramatical num tempo em que a ignorância tem sido vista como virtude. Se até mesmo em meios oficiais encontramos quem despreze o estudo e a Ciência, por que os cidadãos vão ter que falar “o” Edge e não “a” Edge?

Afinal, como disse uma amiga, “o carro é meu e eu chamo do jeito que eu quiser”. Sim, é fato. Mas isso também dá a todo mundo o direito de falar “a” Fusca, “a” Monza, “aquela” Mustang, “minha” Up e isso é uma agressão à nossa língua, tão bela como nenhuma outra no mundo.

LEIA MAIS:  Os três pecados capitais do Fiat Cronos

 À espera dos comentários furibundos de quem não gosta de respeito às regras gramaticais, fico por aqui, porque tenho que escrever uma avaliação “da” Kwid, a viatura que dirijo atualmente, mas logo estarei a bordo de “uma” Civic e depois de “uma” Golf.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana