conecte-se conosco


Entretenimento

Autora de “After” espera que filme ajude jovens mulheres a assumir sexualidade

Publicado

 “Fallen” (2016), “Dezesseis Luas” (2013) e “Se Eu Ficar” (2014) são produções que miram o público infanto-juvenil e que tentaram reproduzir o grande fenômeno cultural que foi “Crepúsculo”. A série cinematográfica adaptada da obra de Stephenie Meyer gerou algumas fanfics – como são conhecidas as histórias criadas por fãs inspiradas por uma determinada obra. Assim nasceu “50 Tons de Cinza”, outro gigantesco fenômeno cultural que migrou dos livros para os cinemas e que agora suscita comparações com “After”, fanfic que rendeu quatro livros e cujo filme estreia em 11 de abril no Brasil.


A autora Anna Todd no centro com os protagonistas de After, Hero Fiennes Tiffin e Josephine Langford
Divulgação

A autora Anna Todd no centro com os protagonistas de After, Hero Fiennes Tiffin e Josephine Langford

Em “After” , Tessa Young (Josephine Langford) é uma estudante dedicada, filha obediente e namorada fiel, em seu primeiro semestre na faculdade, experiência que irá descortinar uma série de novas possibilidades para ela. É lá, por exemplo, que ela conhece Hardin Scott (Hero Fiennes-Tiffin), um encantador e rebelde garoto que a leva a questionar tudo o que ela pensava que sabia sobre si mesma e sobre o que ela quer para sua vida.

Leia também: “Homem-Aranha no Aranhaverso” investe na linguagem da HQ e moderniza personagem

No Brasil para promover o filme e seu novo livro “Stars – As Estrelas Entre Nós”, o primeiro volume de uma nova trilogia protagonizada por uma jovem mulher, a autora Anna Todd bateu um papo com o iG Gente  sobre as expectativas para o lançamento, como é escrever sobre sexo para jovens mulheres no mundo de hoje e como ela se parece mais com o rebelde Hardin do que com a heroína de sua obra mais famosa.

Leia mais:  Bruna Marquezine mostra corpão tomando sol em Noronha

Anna Todd, em passagem anterior pelo Brasil, quando veio para a 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo para divulgar After
Reprodução/Instagram

Anna Todd, em passagem anterior pelo Brasil, quando veio para a 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo para divulgar After

“Eu não me incomodo com as comparações com ’ 50 Tons de Cinza ’, observa de pronto a americana de 29 anos, casada e mãe de um garoto. “Eu adoro escrever sobre questões que envolvem sexo e eu absolutamente amo ‘50 tons’. Amo o que ele fez pelas mulheres.  Eu não teria esse trabalho como escritora e não veria meu livro virar filme se não fosse por ele”.

Todd argumenta que apesar de perpassar temas de natureza sexual o filme não tem tantas cenas de sexo como o teaser sugere. “Isso é uma coisa do marketing”, revela ela. Todd diz que já assistiu ao filme e está muito feliz com o resultado. Ela admite que possa haver uma ou outra mudança em relação à versão que ela já assistiu e aquela que chegará às telas de cinema em alguns meses.

Leia mais:  Bárbara Evans seduz internautas ao posar de biquíni e corpão rende elogios

Leia também: “Avatar”, “Os Simpsons” e outros aniversariantes da cultura pop em 2019

A americana diz que sua obra e o filme, no qual ela participou ativamente desde o processo de roteirização até a escolha do elenco, tem o objetivo de ser progressista em relação à maneira como as meninas lidam com sua sexualidade. “Hollywood e toda a indústria cultural sempre permitiram que os meninos fossem meninos, mas geralmente recrimina um comportamento sexual mais liberal das garotas”, explica Todd novamente evocando os efeitos positivos de um best-seller como o dela e o de E.L James. 

A autora reconhece que há sim elementos autobiográficos em Tessa, mas diz ser mais parecida com Hardin do que com a protagonista da série. “Eu simplesmente tenho muito da impulsividade dele e de sua inquietação”.


Cena do filme After, que estreia em 11 de abril nos cinemas
Divulgação

Cena do filme After, que estreia em 11 de abril nos cinemas

Leia também: “Cinquenta Tons de Liberdade” põe fim à série sem abrir mão dos erros do passado

Todd argumenta que tinha consciência de que muita coisa do livro seria deixada de fora ou adaptada para o cinema, mas que ficou muito feliz de participar da produção do filme e de ser ouvida. “After” , que também é dirigido por uma mulher, Jenny Gage, representa uma das maiores expectativas da Diamond Films, distribuidora independente de filmes independente em países latinos, para 2018. A série já vendeu mais 11 milhões de exemplares em todo mundo.

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

O ronco, racismo reverso, e o pouco que o “BBB” mudou até hoje

Publicado

por

O “BBB” começou nesta semana sua 19ª edição. Desde 2000 anônimos de todo o Brasil se inscrevem no reality show aspirando de fama a sucesso profissional, e no caminho mostram quem são ao ficar confinados numa casa cheia de câmeras acompanhando seus movimentos.


Tereza fala sobre
Reprodução/Globo

Tereza fala sobre “racismo” com mulheres brancas e mostra como tema evoluiu pouco entre participantes

Mas, ao longo desses 19 anos nem sempre as edições foram um reflexo da população brasileira. Pelo contrário, a população negra, por exemplo, sempre foi relegada ao papel de coadjuvante nesse tempo, sendo uma minoria nas edições. Para se ter uma ideia, somente na 15ª edição do “ BBB ” houve um aumento no número de negros, que somaram quatro pessoas, entre 13 integrantes da casa.

Leia também: Bíblia do “BBB”: iG compilou estatísticas curiosas do reality show da Globo

O que antes parecia ser uma “cota” vem mudando ao longo das edições, e o reflexo disso são debates mais aprofundados e embasados. Isso não significa que os participantes não tenham demonstrado racismo, o que ainda é recorrente a cada edição. Munik Nunes, vencedora da edição de 2016, chegou a comentar durante o confinamento que a colega Geralda parecia a “nêga” do BBB por fazer todo o trabalho doméstico.

Em 2014 o participante Cássio chegou a dizer, em tom de brincadeira, que era acusado de assassinato por ter “atravessado uma afrodescendente” durante uma relação sexual. Essas atitudes na maioria das vezes passaram ilesas, justamente por conta da falta de representatividade, que impedia que essas falas fossem contestadas e apontadas como racistas.

Em 2018, a situação não melhorou muito. Apenas três participantes eram negros e uma delas, Nayara, saiu com o maior índice de rejeição da história do reality. Apesar de não estar entre as mais “queridas” da edição, nenhum comportamento da sister justificava uma rejeição tão alta: ela não fez barraco com ninguém, não xingou nem desrespeitou ninguém, muito menos teve algum comportamento que a tornasse uma “vilã”.

Leia mais:  Pabllo Vittar quebra a internet ao postar foto usando biquíni fio dental

O próprio Cássio, que na época de sua declaração criminosa chegou a ser investigado, saiu com apenas 62% dos votos, enquanto Nayara superou os 90% em um paredão triplo.

O racismo e a nova edição do “BBB”


Rodrigo foi alvo de reunião para debater seu ronco e participantes e espectadores veem racismo
Reprodução/Globo

Rodrigo foi alvo de reunião para debater seu ronco e participantes e espectadores veem racismo

Com uma edição novinha em folha há quatro dias no ar, o racismo voltou a ser pauta, dessa vez sendo contestado. Um comentário da participante Tereza, que pouco antes tinha ganhado o carinho do público por conta de seu desempenho em uma prova de resistência, gerou comentários dentro e fora da casa. Ela chegou a dizer que mulheres brancas também sofrem racismo e, mesmo depois de mudar a designação “racismo”, manteve seu comentário original, sendo apoiada por Isabella. Gabriela e Rízia, com muita paciência, explicaram que o que elas sofrem não é racismo e que o preconceito racial é muito mais complexo e histórico.

O dilema coloca em prática, mais uma vez, pequenas atitudes que os negros combatem diariamente em suas vidas, e acabam revivendo na “casa mais vigiada do Brasil”.

Leia também: “BBB 19” começa com meme de “vegana de Taubaté”, roncos e flerte

Ao longo das últimas edições, nessas conversas, o lugar de fala negro no reality tem sido mais expressivo. Tanto Nayara como Viegas, outro participante do “BBB 18”, participavam do movimento negro e puderam colaborar para o fortalecimento do debate na edição. Ainda assim Gleici, vencedora em 2018, sofreu diversos ataques racistas, com um perfil no Twitter chamando-a de “macaca” e tentando eliminá-la do reality.

Leia mais:  Reconhecimento da musa! Gracyanne Barbosa elogia corpo de Whindersson Nunes

Em 2019, mesmo com o esforço de Gabriela e Rízia outra confusão tem levantado a questão racial: o ronco. O participante Rodrigo, negro, tem sido criticado por conta de seu alto ronco e a mesma Isabella reuniu todos para tentar encontrar uma solução, já que estava difícil de dormir. O problema, que outros participantes apontaram posteriormente, é que Gustavo, branco, também roncava. Alguns integrantes na casa apontaram racismo no desconforto de Isabella, e o próprio Rodrigo se mostrou desconfortável com a situação, apesar de preferir não apontar racismo pois estaria “prejulgando” as pessoas.

Um pode argumentar que o “Big Brother” não é um “palanque”, mas o programa é, de certa forma, um experimento social, e não cumprirá sua função adequadamente se não permitir e principalmente ampliar o debate social no Brasil. Essas pessoas tem muito tempo ocioso e passam o dia conversando sobre os mais diversos assuntos. Por que não falar sobre as dores e alegrias de suas vidas? Como consequência, eles têm a oportunidade de conhecer mundos muito distantes dos seus próprios, e é essa troca que os enriquece e permite a convivência entre eles.  

Leia também: Segredo da vitória? Confira o guia iG de estratégias para chegar longe no “BBB”

O “ BBB ” existe até hoje por que temos curiosidade em acompanhar o comportamento das pessoas. Mas nós mudamos e a maneira como vemos televisão também. Sendo assim, debates que ficavam em segundo plano começam a tomar a frente, e os realitys, assim como a programação, tem que achar uma forma de acompanhar.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana