conecte-se conosco


Brasil / Mundo

Aumenta em 32% a população que se declara preta no Brasil

Publicado

De 2012 a 2018, número de declarados pretos aumentou em quase 5 milhões no país. População branca segue encolhendo e pardos seguem sendo maioria.

Em 2018, o Brasil tinha 19,2 milhões de pessoas que se declararam pretas – 4,7 milhões a mais que em 2012, o que corresponde a uma alta de 32,2% no período. É o que revela um levantamento divulgado nesta quarta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

À exceção de 2014, quando o número de pretos se manteve estável em relação ao ano anterior, anualmente tem aumentado o percentual da população declarada da raça preta. Trata-se, portanto, de uma tendência.

“O motivo específico para o aumento dessa declaração, de fato, a gente não tem. O que a gente percebe é que nos últimos anos houve reforço das políticas afirmativas de cor ou raça”, apontou a analista do IBGE.

A pesquisadora enfatizou que o levantamento, feito com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), é realizado a partir da percepção de cor e raça do entrevistado. “Não é o entrevistador que determina a cor, é o informante que declara”, disse.

Na contramão, diminui ano a ano a população declarada branca, que em 2018 somava 89,7 milhões de brasileiros, contra 92,2 milhões em 2012. Os brancos foram maioria no país até 2014. Desde 2015, os pardos passaram a representar a maior parte da população – saltou de 89,6 milhões em 2012 para 96,7 milhões em 2018.

Leia mais:  Ministro do STJ concede liberdade a Neri Geller

“Além da possível mudança na percepção da população quanto a cor e raça decorrente das politicas afirmativas, temos que considerar o próprio processo de miscigenação no país, que faz que tenhamos um maior percentual de pardos”, ponderou a pesquisadora.

Divisão percentual (%) da população brasileira por cor ou raça
Desde 2015, pardos são maioria no país.
Brancos: 43,1Pardos: 46,5Pretos: 9,3
Fonte: IBGE

Questionada se tal tendência – de aumento das populações preta e parda e queda da branca – deve se manter por mais tempo, a pesquisadora disse não ser possível afirmar.

“A gente não sabe se todo esse crescimento é baseado nas políticas afirmativas de cor e raça. Se for, vai depender da continuidade dessas políticas. Cria-se uma cultura nas pessoas que foram atingidas pelas referidas políticas e estas repassam o posicionamento delas em relação à própria cor para as demais pessoas, mesmo que estas não sejam beneficiadas diretamente”, ponderou.

Mais idosos, menos jovens

Outra tendência enfatizada pela pesquisa é o de envelhecimento da população brasileira. Em 2018, 10,5% dos brasileiros tinham 65 anos ou mais. Em 2012, este grupo correspondia a 8,8% da população.

Em sete anos, população idosa aumentou em 4,5 milhões de pessoas no Brasil — Foto: Elias MedeirosEm sete anos, população idosa aumentou em 4,5 milhões de pessoas no Brasil — Foto: Elias Medeiros

Em sete anos, população idosa aumentou em 4,5 milhões de pessoas no Brasil — Foto: Elias Medeiros

Em números absolutos, são 21,9 milhões de brasileiros idosos, 4,5 milhões a mais que em 2012. Este quadro, segundo a analista do IBGE, aponta para a necessidade de se investir em políticas públicas voltadas à população mais velha.

Leia mais:  Parentes de integrantes dos Tribunais de Justiça não poderão compor lista tríplice para vagas de advogados nos TREs

“Esse envelhecimento da população desperta na sociedade a necessidade, por exemplo, de um atendimento de saúde voltado especificamente para as pessoas idosas. Ele denota a necessidade de se estruturar, nem digo no longo prazo, mas já, um atendimento de saúde que tenha capacidade de corresponder às necessidades dessas pessoas”, disse Adriana Beringuy.

No outro lado da pirâmide etária, 23,3% da população tinha menos de 13 anos de idade em 2018.

“É contingente muito significativo de pessoas que vão entrar daqui a pouco em idade para trabalhar. Ou seja, é uma massa de pessoas que brevemente vai estar entrando no mercado. Qual a política pública que está sendo feita para atender a essa população?”, questionou a pesquisadora.

Distribuição percentual da população brasileira por faixa de idade

0 a 4 anos 6,8 6,3
5 a 9 anos 7,3 6,6
10 a 13 anos 6,8 5,7
14 a 15 anos 3,6 3,0
16 a 17 anos 3,6 3,2
18 a 19 anos 3,4 3,2
20 a 24 anos 8,1 7,7
25 a 29 anos 8,1 7,2
30 a 39 anos 15,5 15,9
40 a 49 anos 13,4 13,8
50 a 59 anos 10,7 12,0
60 a 64 anos 4,0 4,9
65 anos ou mais 8,8 10,5

Comentários Facebook
publicidade

Brasil / Mundo

INSS amplia serviços online e lança nova calculadora da aposentadoria

Publicado

por

Os beneficiários do INSS já podem pedir aposentadoria por tempo de serviço e outros benefícios pela internet ou por aplicativo. O instituto ampliou o atendimento online com novos 19 serviços nesta quarta-feira (19), por meio do Meu INSS, que é acessado pela internet  ou pelo aplicativo para celulares.

Os pedidos também podem ser feitos pelo telefone 135, disponível de segunda a sábado, das 7h às 22h.

Um dos serviços lançados é a nova calculadora de aposentadoria e renda, por meio da qual é possível saber se o trabalhador já tem direito ao benefício e qual o valor estimado de sua renda mensal.

Segundo o presidente do INSS, Renato Vieira, os novos atendimentos digitais também incluem o pedido pensão por morte, tanto rural quanto urbana, e Benefício de Prestação Continuada a idosos e pessoas com deficiência. Outros 28 serviços serão disponibilizados a partir de julho, entre eles seguro defeso e marcação de perícia hospitalar e domiciliar.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, destacou que as pessoas não precisarão mais ir a agências do INSS, o que representa uma economia para o governo e para os cidadãos.

Leia mais:  Ministro do STJ concede liberdade a Neri Geller

O atendimento é realizado por meio do Meu INSS (internet e App — disponível para Android e iOS). Apenas quando necessário, o segurado será chamado para entrega de documentação complementar.

Desde maio, o INSS já colocou à disposição do beneficiário 28 serviços por meio do Meu INSS. A previsão é que chegue a 90 até a primeira quinzena de julho, de um total de 96 serviços prestados pelo instituto.

Com esses avanços, o cidadão poderá, sem sair da sua casa, requerer aposentadorias, pensões, benefícios assistenciais, agendar realização de perícia, atualizar seus dados cadastrais, bloquear empréstimo consignado, excluir desconto de mensalidades associativas, dentre tantos outros.

O conjunto dos novos serviços disponíveis no Meu INSS e no 135 representará uma média mensal de 670 mil atendimentos presenciais, que poderão ser feitos com comodidade, sem sair de casa.

Como acessar

O cadastro no Meu INSS pode ser feito pelo próprio aplicativo ou pelo site das seguintes instituições financeiras: Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Itaú, Mercantil do Brasil, Santander, Sicoob e Sicredi.

Leia mais:  CCJ da Câmara aprova admissibilidade da proposta de reforma tributária

Para acessar os novos serviços pelo Meu INSS basta ir à opção Agendamentos/Requerimentos”. O novo simulador está em “Calculadoras”.

https://www.inss.gov.br/servicos-do-inss/agendamento/

Comentários Facebook
Continue lendo

Deixe sua Opinião

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora ?

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana