conecte-se conosco


Política

Audiência pública discute federalização da Transpantaneira

Publicado

Foto: NAJYLLA NUNES

A federalização da rodovia MT-060, que liga os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, foi discutida em audiência pública nesta quinta-feira (05), na Câmara Municipal de Poconé (distante a 104 km de Cuiabá).

A estrada liga os municípios de Poconé a Corumbá (MS), em uma distância de aproximadamente 400 km. O trecho mato-grossense ainda não é de responsabilidade do governo federal e, atualmente, a estrada é de chão e, em períodos de chuva, fica intransitável, pois fica alagável.

Iniciada em 1970, antes da divisão do estado de Mato Grosso, as obras da Rodovia Transpantaneira já eram consideradas um grande sonho de desenvolvimento para os moradores da região. O objetivo era interligar o sul e o norte do Pantanal, além de unir duas importantes cidades, Poconé e Corumbá, assegurando assim a integração de toda a região. Em 1976, a construção foi paralisada à beira do Rio Cuiabá, em Porto Jofre, desde então os dois municípios têm lutado para que seja enfim federalizado a  rodovia, a fim de transformar a economia de toda região.

O deputado Paulo Araújo, co-autor da audiência pública em conjunto com a vereadora de Poconé Camila Silva (PSC), pediu mobilização da classe política mato-grossense para a concretização do projeto de integração da Rodovia Transpantaneira que, segundo ele, simboliza um sonho de desenvolvimento para muitas de pessoas.

Foto: NAJYLLA NUNES

“Sem dúvida nenhuma, é uma interligação importante para os dois estados, pois entendo que essa seja, talvez, a região com maior potencial turístico do estado de Mato Grosso. O turismo é a vocação de toda a Baixada Cuiabana e, se conseguirmos fazer a interligação da região de Poconé a Corumbá iremos, sem dúvida nenhuma, conseguir fomentar o turismo nessa região”, afirmou Araújo.

Leia mais:  Vereadores definem composição de comissões

A vereadora Camila Silva explicou que a federalização facilita o trabalho para a pavimentação da rodovia, proporcionando incremento na economia da região e levando desenvolvimento para a população, através da integração entre os dois estados.

“A federalização desta estrada é um sonho da população poconeana. Essa obra representaria uma melhor infraestrutura para o escoamento da produção do estado de Mato Grosso, bem como alavancaria o turismo na nossa região e, sem dúvida nenhuma, geraria empregos para os nossos jovens que em sua grande maioria encontra-se desempregados”, argumentou Camila.

O coronel Ângelo Rabelo, representante do Instituto Homem Pantaneiro (IHP), destacou a necessidade de ampliação da infraestrutura dos estados. “Muitos me perguntam se a construção dessa rodovia traria impactos ambientais. Entendo que hoje nós temos uma engenharia ambiental inteligente. Essa engenharia, tenho certeza, trabalharia com um único objetivo de atender a população sofrida, que são os pantaneiros que nunca tiveram estrada, nem comunicação. Acredito que essa federalização seria sinônimo de oportunidade para a geração de empregos, através do turismo e potencializaria essa região que é isolada do país”, afirmou Rabelo.

Leia mais:  Comissão aprova parecer do relator da reforma da Previdência

Já o engenheiro do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Marcelo Rezende, ressalta a complexidade da obra. “É um processo demorado e complexo, contudo, o Dnit irá realizar um estudo técnico para saber a viabilidade técnica, porque envolve também a questão ambiental. Entendemos a importância desse projeto, pois visa fazer uma interconexão dos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário, inclusive vai melhorar a qualidade de vida de toda população e também ajudará a escoar a produção de grãos de todo o estado”, analisou o engenheiro.

O deputado Paulo Araújo anunciou a criação de um comitê e uma expedição por parte do governo do estado de Mato Grosso para os próximos dias. “A partir dessa audiência pública será criado um comitê com o objetivo representar toda esta região das vias que ligam a MT-060 também, conhecida como Transpantaneira. Outro encaminhamento foi um compromisso do governo de Mato Grosso, que irá realizar uma expedição aqui na Transpantaneira em uma data futura. Já estamos articulando essa ação que será conjunta como o nosso estado vizinho Mato Grosso do Sul”, explicou o parlamentar.

Também participaram da audiência Tatá Amaral (DEM), prefeito de Poconé; Antônio Souza (DEM), presidente da Câmara Municipal de Poconé; o vereador de Poconé, Márcio Pereira (MDB); o secretario de Turismo de Poconé, Walney de Souza; o vereador Manoel Rodrigues (PRB) de Corumbá e Luiz Alberto, primeiro assessor técnico do Sindicato Rural de Poconé.

Comentários Facebook
publicidade

Política

TSE lança tira-dúvidas no WhatsApp

Publicado

Para ajudar a tirar dúvidas dos eleitores, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou um assistente virtual que funciona pelo aplicativo do WhatsApp. Chamado de “Tira-Dúvidas Eleitoral no WhatsApp”, o recurso foi lançado com o objetivo de facilitar o acesso do eleitor a informações relevantes sobre as eleições municipais de 2020 e reforçar o combate à desinformação durante o período eleitoral.

O tira-dúvidas funciona por meio de um chatbot ou bot (assistente virtual), como também é chamado, que traz informações sobre diferentes temas de interesse do eleitor, desde cuidados com a saúde para votar, informações sobre dia, horário e local de votação até dicas para mesários e informações sobre candidatura, entre outros temas.

Para interagir com o assistente virtual, basta acessar a câmera do seu celular e apontá-la para o QR Code, ou adicionar o telefone +55 61 9637-1078 à sua lista de contatos, ou por meio do link wa.me/556196371078.

A cada tema apresentado, o chatbot  oferece uma série de tópicos para o eleitor escolher. Após digitar o número do tópico escolhido, o assistente virtual apresenta as informações solicitadas.

Leia mais:  Congresso mantém vetos sobre mudanças no Fundo Eleitoral

Segundo o TSE, o assistente virtual oferece ainda um serviço voltado exclusivamente ao esclarecimento de notícias falsas, as chamadas fake news, envolvendo o processo eleitoral brasileiro. O tópico, chamado de “Fato ou Boato?” disponibiliza ao usuário alguns conteúdos desmentidos por agências de checagem de fatos.

Por meio dele é possível desmistificar “os principais boatos sobre a urna eletrônica ou assistir a vídeos do biólogo e divulgador científico Átila Iamarino, com dicas de como identificar conteúdos enganosos disseminados por meio da internet durante a pandemia de covid-19, informou o TSE.

Além disso, o TSE firmou acordo com representante do setor de telecomunicações no Brasil, para garantir que usuários possam acessar conteúdos do site da Justiça Eleitoral sem gastar seu pacote de dados entre setembro e novembro, no período que vai desde a campanha eleitoral até o fim do segundo turno.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

Mato Grosso

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana